Pesquisar
Close this search box.

Fotografia & Humboldt

Fotografia & Humboldt

Retorno às páginas desta prestigiosa revista como escrevinhador à luz de duas questões mal resolvidas no Brasil, e o título acima as identifica. Agora em ampliada versão componho palavras, claro, como jornalista e perito criminal, mas agora inserto no ambiente da geografia, minha mais recente vivência científica – o imo motivador desta revinda!

Por Antenor Pinheiro

Os textos vindouros sugerirão o resgate da imagem fotográfica nas dimensões do tempo e do espaço, da paisagem, do lugar (enquanto categorias epistemológicas da geografia)… Enfim, da natureza enquanto realidade cósmica. Por isso, a singela propositura abarcará a apurada técnica fotográfica em diálogo permanente com os preceitos universais engendrados por Alexander von Humboldt e as manifestações da diversidade artística espontaneamente resultantes desse vivificante processo encadeado.

Trata-se de perscrutar e geograficizar imagens fotográficas tomadas de distintos continentes do planeta, mas reduzidas à beleza estética ensejada por uma equipagem fotográfica cada vez mais veloz e banalizada. A ressignificação de imagens consolidadas por um jeito positivista de fruição cotidiana é fundamental, e deve ser praticada sob a égide do harmonioso ritual da contemplação intuitiva enredada por Humboldt, também representada em Goethe, Kant, Schiller… esses prussianos porretas! Nada há de original na incitação proposta, porque a fotogeografia no Brasil ainda patina nos próprios conceitos, carece de fundamentos e olhares que permitam compreendê-la de forma mais abrangente e útil no campo das ciências – menos como elemento ilustrativo da pesquisa, mais como o próprio objeto pesquisado.

Quanto a Humboldt, bem… os brasileiros pouco sabemos de sua magnitude no contexto das ciências e das artes. É caso mal resolvido por aqui, herdado do século XVIII, quando a coroa portuguesa não permitiu ao jovem naturalista que pesquisasse a Amazônia brasileira por motivações geopolíticas, em plena efervescência cultural, política, econômica e científica da humanidade. Portanto, se nós pretendemos um mundo mais pleno, sensível e inteligente, menos estúpido e cruel, então mãos à obra, e pensamento à prazerosa leitura!

antenorAntenor Pinheiro – Geógrafo. Pintura (1856): Eduard Ender.

 
 
 
 
Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados