Pesquisar
Close this search box.

Frente Ampla para derrotar o arbítrio?

Frente Ampla para derrotar o arbítrio?

Quando Roosevelt, Stalin e Churchill selaram uma aliança, não consta que ficaram procurando diferenças no passado. Também não havia na pauta um programa econômico comum para a humanidade. Um único objetivo fez estes personagens históricos apertarem as mãos: banir do mundo a ameaça nazista. Foi pouco?

A questão democrática é a única capaz de aglutinar os mais variados setores numa Frente contra Bolsonaro.

Como será um governo do arbítrio fortalecido por alguma melhora na economia? Qual será a consequência para a democracia das duas indicações que Bolsonaro fará ao STF? Haverá imprensa livre? Atividade parlamentar “normal”? Garantia de direitos fundamentais?

Como será um Bolsonaro aclamado por uma reeleição? O Capitão estava brincando quando insinuou um terceiro mandato? Moro na vice será o sucessor de um projeto de 16 anos? 20 anos? O que restará do Brasil?

Contrariando algumas previsões, as pesquisas têm indicado uma pequena melhora na aprovação do presidente.

Lula já saiu da cadeia, mas apesar de sua liderança inquestionável, o fato parece não ter influenciado o humor da população. As ruas continuam frias e vazias.

A menor taxa de juros da história e a injeção de recursos promovida pela liberação do FGTS e pelo décimo terceiro do Bolsa Família podem explicar parte da melhora do Capitão. A necessidade política costuma transformar liberais fanáticos em keynesianos envergonhados.

O mais provável são taxas de crescimento tímidas pelos próximos anos. A economia global acompanha sobressaltada a briga entre a China e os EUA. Com nossa massa salarial achatada e os investimentos públicos asfixiados, o motor do mercado interno continuará engasgando.

Se a economia não vai dar um salto, é pouco provável também que afunde. Se o emprego precarizado não é o melhor dos mundos, muito pior é o desemprego.

A gravidade da ameaça autoritária nos obriga a colocar os dois pés no chão. O país quebrou nas mãos da esquerda com duas quedas de PIB históricas. O desemprego explodiu com Dilma.

Após treze anos “vermelhos”, a crise econômica e uma brutal ofensiva conservadora empurraram o Brasil na direção de uma nova saída liberal. O liberalismo avançou na sociedade, sendo amplamente majoritário no Congresso Nacional e no STF.

Política se faz a partir da análise objetiva da realidade concreta. É forjada pela necessidade, pelas circunstâncias. É diálogo, construção com os diferentes e mediação. A boa posição não é a minha ou a do outro, mas a que torna possível alcançar o objetivo estratégico.

Associar de forma fantasiosa este processo à capitulação é sectarismo oportunista, um desserviço ao povo brasileiro.

O Brasil está sob ameaça de um grave retrocesso civilizatório. Cabe a oposição fazer de tudo para derrotar o inimigo principal. Qual seria o caminho? Três fatos recentes são elucidativos.

A tentativa criminosa de transferir Lula para um presídio comum parou Brasília, gerando protestos de quase todas as forças políticas. Quando “Alvim Goebbels” levantou a suástica, novamente todos deram as mãos para derrubá-lo. O mesmo se repetiu quando o arbítrio ameaçou o jornalista Glenn Greenwald.

A questão democrática é a única capaz de aglutinar os mais variados setores numa Frente contra Bolsonaro.

Quando Roosevelt, Stalin e Churchill selaram uma aliança, não consta que ficaram procurando diferenças no passado. Também não havia na pauta um programa econômico comum para a humanidade. Um único objetivo fez estes personagens históricos apertarem as mãos: banir do mundo a ameaça nazista. Foi pouco?

Fonte: Vermelho    
 


Block

Salve! Este site é mantido com a venda de nossos produtos. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto em nossa loja solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação de qualquer valor via pix ( contato@xapuri.info). Gratidão!

revista 115
revista 113 e1714507157246
revista 112
Revista 111 jpg


 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados