Pesquisar
Close this search box.
Governo autorizou garimpo em terra de Reforma Agrária

Governo autorizou garimpo em terra de Reforma Agrária

Governo autorizou garimpo em terra de Reforma Agrária

General Heleno autorizou exploração de diamantes em terra de reforma agrária em Roraima

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, autorizou a exploração de diamantes em uma área de 9.999,63 hectares, incluindo parcela expressiva de um assentamento de reforma agrária de 3.178 hectares, destinado a 79 famílias, na fronteira de Roraima com a Guiana, segundo a Folha de S.Paulo…

Via Brasil 247

Heleno, além de ministro da GSI, é secretário-executivo do Conselho de Defesa Nacional, que assessora Jair Bolsonaro (PL) em assuntos de defesa e soberania. Ele tem o poder de permitir ou negar projetos de mineração na faixa de fronteira, em uma largura de até 150 quilômetros.

Heleno e o garimpo
No início de dezembro, o general autorizou o avanço de sete projetos de exploração de ouro numa região praticamente virgem da Amazônia — algo que não acontecia nos últimos dez anos — no extremo noroeste do Amazonas. O lugar fica no município de São Gabriel da Cachoeira, o mais indígena do Brasil, e é conhecido como Cabeça do Cachorro.

Ele autorizou pesquisa de ouro em um trecho do rio Negro que divide duas terras indígenas praticamente intocadas, onde vivem indígenas de 11 etnias. Além disso, o ministro autorizou ainda a prospecção de nióbio e tântalo em território colado ao Parque Nacional do Pico da Neblina.

Em 1º de julho de 2021, o ministro autorizou o empresário Antônio João Abdalla Filho a pesquisar diamantes na faixa de fronteira em Roraima, em área dos municípios de Bonfim e Cantá, informa a Folha de S.Paulo. Assim como o garimpo na Cabeça do Cachorro, a autorização baseou-se em processo da Agência Nacional de Mineração (ANM).

Invasão de assentamento
A exploração inclui uma parcela do assentamento Jacamim, que tem uma área sobreposta com a terra indígena Malacacheta, onde vivem mais de mil indígenas wapichana. No assentamento em questão, vivem 70 famílias, com capacidade para 79, segundo banco de dados do Incra. Segundo o GSI, em documento que balizou o aval de Heleno ao projeto, “o Incra foi favorável à pesquisa mineral” em 2019.

Segundo a Folha, “em fevereiro e maio de 2021, o GSI consultou o Incra sobre a sobreposição da área pleiteada para pesquisa de diamantes com área do assentamento Jacamim. Em resposta, o órgão afirma haver ‘necessidade de prévia autorização para ingresso na área de domínio do Incra’”.

“O GSI concluiu ser cabível o assentimento prévio para pesquisa de diamantes, com a condição de que exista uma autorização prévia do Incra para ingresso na área do assentamento rural. Isto pode incluir ‘condicionantes e contrapartidas para o uso e exploração mineral’, conforme a pasta de Heleno”, continua a reportagem.

Para a Folha, o Incra destacou que “não há impedimento legal para autorização de pesquisa e exploração minerária em assentamento de reforma agrária” e que “apenas na etapa do processo de licenciamento ambiental caberá ao instituto manifestar-se sobre eventuais medidas de compensação relacionadas à atividade minerária”. No entanto, disse que não foi consultado sobre a pesquisa de diamantes em toda a área de 9.999,63 hectares.

A ANM também alegou que não há impedimento legal para exploração de minérios em assentamentos rurais, porém, segundo a reportagem, “nem o Incra nem a ANM responderam se as famílias assentadas foram consultadas sobre a exploração de diamantes e se têm alguma participação no projeto”.

Autorizado por Heleno a realizar pesquisa em toda a área requerida, Abdalla Filho terá que gastar, nessa fase, R$ 3,86 milhões. Ele é sócio de empresas de mineração, cimento, imóveis, helicópteros e criação de gado, entre outras, e já havia obtido outros assentimentos prévios do GSI, em 2013, para pesquisar ouro e diamante em 12.817,41 hectares nos municípios Amajari e Caracaraí, ambos em Roraima.

Bolsonaro, militares e Amazônia
Já questionado sobre a exploração na Amazônia, na Cabeça do Cachorro, Heleno vem demonstrando que está ativo em busca de favorecer o garimpo. “Respeitadas a legislação e o meio ambiente, continuaremos a mapear nossas riquezas pelo bem do Brasil e do nosso povo”, afirmou em 6 de dezembro nas redes sociais.

Desde o início do governo Bolsonaro, o ministro já concedeu 81 autorizações para exploração de minério na Amazônia. Até o dia 2 de dezembro de 2021, foram 45 autorizações, a maior quantidade em nove anos.

Vale lembrar que os militares estão à frente de diversos processos envolvendo a Amazônia. O vice-presidente, general Hamilton Mourão, comanda o Conselho Nacional da Amazônia Legal, composto por outros militares. Recentemente em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, o militar afirmou que o Brasil ainda pode desmatar uma área da Floresta Amazônica de 205.000 quilômetros quadrados, ou 5% da área original do bioma, que era de 4,1 milhões de quilômetros quadrados

A área equivale a 135 vezes o tamanho da cidade de São Paulo, a mais populosa do país, que é de 1.521 quilômetros quadrados.

Durante o governo Jair Bolsonaro, o desmatamento da Amazônia só fez crescer. A área desmatada na Amazônia Legal no período 2020/2021 foi de 13.235 km², a pior em quinze anos, segundo comunicado do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgado em 18 de novembro. Os dados foram segurados pelo governo para serem divulgados apenas depois da Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2021 (COP 26).

Sob coordenação de Mourão, os militares ocuparam a Amazônia em 2020 e 2021 em operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO). O desmatamento não parou. Inclusive, o engenheiro ambiental Renato Farac, em coluna no Brasil 247, denunciou que durante a permanência dos militares, as grilagens e queimadas só aumentaram.

Slide 1

HORA DE VESTIR A CAMISA DO LULA

CONTRIBUA COM A REVISTA XAPURI
PIX: contato@xapuri.info

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 112
REVISTA 109
REVISTA 110
REVISTA 111
REVISTA 108
REVISTA 107
REVISTA 106
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes