Procura
Fechar esta caixa de pesquisa.
HYPÁCIA DE ALEXANDRIA, A FILÓSOFA MORTA PELO POVO

HYPÁCIA DE ALEXANDRIA, A FILÓSOFA MORTA PELO POVO

Hypácia de Alexandria, a filósofa morta pelo povo

O conhecimento pode ser uma coisa maravilhosa, mas no caso da antiga filósofa e matemática Hypatia de Alexandria, também leva à sua perdição.

Por Internautas

foi um dos mais importantes intelectuais do no século IV, e ela também era uma mulher.
A história dela é inspiradora e aterradora.
 
Hipácia nasceu por volta de 355, quando o império romano tinha acabado de se separar, deixando Alexandria num estado desconectado de agitação religiosa e social.
 
Membros de todas as religiões – cristãos, judeus e pagãos – estavam agora vivendo juntos em conflitos perpétuos.
 
Ao longo das próximas décadas, seus confrontos constantes acabariam com ainda mais conteúdo da biblioteca à medida que lutavam para definir seus novos limites.
 
A cidade egípcia de Alexandria foi fundada por Alexandre, o Grande em 331 a.C., cerca de 600 anos antes de Hipácia nascer.
 
Alexandria tornou-se uma região culturalmente sofisticada do mundo num período bastante curto.
 
Não era apenas uma bela cidade, mas tinha a Biblioteca de Alexandria, que continha mais de meio milhão de pergaminhos antigos.
 
A cidade transbordou de artefatos e tornou-se um lugar onde o intelectualismo poderia prosperar, apesar do grau sempre presente de ignorância, escravidão, e conflitos religiosos.
 
Alexandria ofereceu ao homem a oportunidade de se retirar da porcaria do medo, e abraçar algo maior do que ele mesmo através do poder do pensamento.
 
E no caso de Hypatia, mulheres também.
 
HYPÁCIA DE ALEXANDRIA, A FILÓSOFA MORTA PELO POVO
Imagem: Reprodução/Facebook
Hypatia era uma pensadora da mais alta ordem, uma professora e uma inventora – mas ela também era pagã e não tinha medo de falar o que pensa numa paisagem de separatismo religioso, conflito e medo.
 
Ser uma mulher de inteligência, beleza e força não poderia salvá-la do fim chocante que ela encontraria nas mãos do seu próprio povo.
 
Durante um período perigoso em que a ciência e a religião eram muitas vezes colocadas uma contra a outra, era precisamente o seu conhecimento e destemor que colocariam um alvo nas suas costas.
 
A sua vida de excelência viria a não significar nada, já que um choque de homens poderosos a tornou num dos bodes expiatórios mais trágicos da história.
 
Hipácia tinha muitos admiradores, um dos quais era o governador civil da cidade, Orestes.
 
Ele era principalmente pagão e muitas vezes aliado à comunidade judaica, que não queria entregar toda Alexandria à igreja cristã.
 
Apesar de suas crenças complicadas, ele apoiou a separação entre igreja e estado, e defendeu Hipácia e seu pai Theon.
 
Claro que Cirilo e Orestes entraram em confronto, especificamente na época em que os judeus começaram um conflito violento com os cristãos.
 
Como resultado, Cirilo virou-se agressivamente contra os judeus e expulsou-os da cidade, saqueando suas casas e templos.
 
Orestes ficou chocado e reclamou ao governo romano em Constantinopla.
 
Cirilo tentou desculpar-se por sua decisão precipitada, mas Orestes recusou a reconciliação e foi posteriormente alvo de assassinato por 500 monges perniciosos de Cirilo.
 
Apesar de Hypatia não estar envolvida diretamente nestes processos, ela era amiga de Orestes e pontificava o reino da teologia não-cristã – duas coisas que a tornaram um alvo fácil para uma seita cada vez mais irritada.
 
Numa luta política dominante entre homens, fazia sentido visar a mulher que não aceitou os caminhos do paradigma dominante, mas usou a sua inteligência para lançar dúvidas sobre as suas devoções.
 
Hypatia era uma mulher de inteligência e realização – algo bastante incomum para as mulheres da época.
 
Uma mulher como Hypatia era muito temida por muitos em Alexandria.
 
Por causa disso – e pelo fato de ela acreditar no paganismo – muitos a acusaram de adorar Satanás. Ela teve que ser silenciada de vez.
 
Um magistrado chamado Pedro, o leitor, reuniu os seus companheiros fanáticos religiosos e perseguiu-a enquanto ela se livrou de dar uma palestra na universidade.
 
Eles arrancaram-na da sua carruagem e rasgaram-lhe as roupas, puxando-a pelos cabelos pelas ruas da cidade.
 
O grupo então arrastou-a para uma igreja próxima onde a despiram e pegaram tudo o que pudessem encontrar para destruí-la.
 
Neste caso, foram as telhas e as conchas de ostras que estavam em volta do edifício recém-construído.
 
Com eles, arrancaram a carne dela do corpo, esfolando-a viva em nome de todos os cristãos.
 
 
A Universidade de Alexandria, onde ela e seu pai Theon tinham ensinado, foi queimada como sinal de intolerância.
 
No rescaldo da sua morte, houve um êxodo em massa de intelectuais e artistas que temiam pela sua própria segurança.
 
Um novo sentimento de poder cristão foi instalado na grande cidade……
 
Às vezes a morte é um símbolo que sobrevive ao teste do tempo.
 
Centenas de anos após o seu assassinato, Hypatia – uma intelectual de estilo renascentista que defendeu a separação entre igreja e estado – continua associada à luta pela liberdade.
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA