Pesquisar
Close this search box.
Inominável na ONU

O Inominável na ONU e o Brasil imaginário

O Inominável na ONU e o Brasil imaginário

O Brasil imaginário de Bolsonaro, vendido no discurso na ONU, estava às portas do socialismo quando ele o salvou; a economia tem um excelente desempenho e o país só cresce…

Por Tânia Maria

Um dos aspectos mais impressionantes do bolsonarismo é a formação de um mundo paralelo, onde as convicções se robustecem de forma completamente apartada da realidade, mergulhadas em uma bolha de significados radicalmente falsos.

O discurso de Jair Bolsonaro na 76ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, nesta terça-feira (21) foi um momento de ápice do bolsonarismo militante, com seu líder desligando-se do Brasil real e inventando outro, nos oferecendo uma realidade imaginária, um monólogo coletivizado com sua bolha, mergulhado em uma fala totalitária, que quebra a possibilidade de dizer as coisas como elas são, mas recriando-as.

O Brasil imaginário de Bolsonaro, vendido no discurso na ONU, estava às portas do socialismo quando ele o salvou; a economia tem um excelente desempenho e o país só cresce, com o respeito da comunidade internacional, cuja credibilidade foi resgatada com uma política externa séria e responsável.

Os 15 milhões de desempregados, a inflação alta e o dólar caro não existem. Nessa ilha da fantasia, a manifestação do dia 7 de setembro, pedindo o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF), foi “a maior de nossa História” e em defesa da democracia.

No Brasil maravilha até a questão ambiental tem destaque positivo, mesmo com todas as evidências da deterioração agressiva que vem sofrendo durante o governo atual.

Reiterando a demonização das medidas de isolamento para contenção do vírus da covid-19, a defesa do tratamento precoce ainda ganhou seu lugar, sem menção aos 600 mil mortos pela pandemia e o boicote às vacinas. 

E que houve um suposto pagamento de 800 dólares de auxílio emergencial em 2020, valor sem qualquer ponto de contato com a realidade. Assim como o delírio de que vivemos desde janeiro de 2019 sem corrupção, ignorando que há um avançado processo de investigação sobre o escândalo da rachadinha nos gabinetes dele e dos filhos e o inquérito no Supremo Tribunal Federal sobre desvios de verbas públicas no Ministério da Saúde.

Bolsonaro discursando na Assembleia das Nações Unidas é a vergonha de todos nós, porque oferece ao mundo a dimensão da tragédia política brasileira. A repercussão internacional de sua fala nos relembra que só uma sociedade em que o bom senso, a lucidez e a sensibilidade entraram em colapso massivo poderia seguir rumo a um abismo de onde não se sabe quando sairemos.

Mas é preciso que se diga que mais espantoso que todas as mentiras contadas por Bolsonaro, é o vazio de ideias e propostas. Ao deixar de enxergar onde de fato estamos, em sua mediocridade insidiosa, ele mostra que não tem nada a oferecer. Suas repetições do absurdo ofendem nossa dignidade e somos atingidos por seu pronunciamento desqualificado, como se tivéssemos que responder ao mundo como chegamos a isso.

Quem sabe quando conseguirmos entender…

Slide 1

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

CONTRIBUA COM A REVISTA XAPURI
PIX: contato@xapuri.info

revista 115
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes