Pesquisar
Close this search box.
Inominável recorre a figuras bizarras para dissimular isolamento

Inominável recorre a figuras bizarras para dissimular isolamento

Inominável recorre a figuras bizarras para dissimular isolamento

Na sexta-feira (20/05), o presidente Jair Bolsonaro defendeu a sua visita à Rússia às vésperas do início da guerra com a Ucrânia, dizendo que o presidente Vladimir Putin sempre se posicionou “no sentido de que a floresta amazônica é uma questão a ser tratada de maneira soberana pelo Brasil”…

Por Márcio Santilli/via Mídia Ninja

A declaração se deu numa entrevista coletiva para faturar politicamente a visita do empresário Elon Musk, fundador, diretor executivo e diretor técnico da SpaceX e CEO da Tesla, Inc.

Reproduc%CC%A7a%CC%83o Twitter

Jair Bolsonaro e Elon Musk | Reprodução do Twitter

A agenda da visita incluiu um almoço com empresários. Alguns dos convidados saíram dizendo que ouviram muita “conversa fiada”. De fato, Bolsonaro falou em usar satélites de Musk para “monitorar a Amazônia”, talvez na expectativa de que estes enxerguem algo diferente dos utilizados pelo INPE e por outras instituições que monitoram o desmatamento. Disse, também, não ter convencido Musk a investir na extração de Nióbio, supostamente da jazida existente no Morro dos Seis Lagos, que fica na Terra Indígena Balaio, no noroeste do Amazonas, uma região de floresta tropical das mais preservadas do mundo.

Até aí, foi conversa fiada mesmo, porque o Brasil já abastece o limitado mercado mundial de nióbio, mas Musk falou sobre projetos bem mais razoáveis, como conectar à internet mais de mil escolas rurais da Amazônia e instalar uma fábrica de veículos elétricos na Zona Franca de Manaus. Ao emprestar o seu prestígio a Bolsonaro, em plena campanha reeleitoral, Musk também cacifa interesses próprios objetivos. Para se ter ideia da sua objetividade, na própria sexta-feira, questionado sobre se apoiaria um golpe de estado para derrubar Evo Morales do governo da Bolívia, para garantir o fornecimento de lítio para as baterias dos carros elétricos que fabrica, Musk tuitou: “Vamos dar golpe em quem quisermos. Lide com isso”.

Confissão de isolamento

Nessa mesma entrevista, Bolsonaro também disse que os dirigentes dos EUA, Joe Biden; da França, Emmanuel Macron; do Canadá, Justin Trudeau, e do Reino Unido, Boris Johnson, estão “o tempo todo fustigando o Brasil devido à Amazônia”. O seu governo promove o aumento do desmatamento, mas ele não aceita críticas ou pressões por conta do impacto que provoca sobre o clima mundial.

Jair Bolsonaro em reunia%CC%83o do G20 Presidente Secretary Laily Rachev

Jair Bolsonaro participa de reunião do G-20 em 2019 | President Secretary / Laily Rachev

Nessa mesma entrevista, Bolsonaro também disse que os dirigentes dos EUA, Joe Biden; da França, Emmanuel Macron; do Canadá, Justin Trudeau, e do Reino Unido, Boris Johnson, estão “o tempo todo fustigando o Brasil devido à Amazônia”. O seu governo promove o aumento do desmatamento, mas ele não aceita críticas ou pressões por conta do impacto que isso provoca sobre o clima mundial.

A sua lista de desafetos poderia incluir, também, os dirigentes da Alemanha e da Noruega, que muito cooperaram para iniciativas sustentáveis no país e têm bilhões retidos com a paralisação do Fundo Amazônia. Ou, mesmo, o da China, que economiza críticas ao Brasil, mesmo sendo ideologicamente desqualificada por Bolsonaro. Ele prefere consumir, midiaticamente, personagens exóticos como Musk e Putin a melhorar as suas péssimas relações com os principais parceiros políticos e comerciais do Brasil.

Arquipe%CC%81lago de Anavilhanas no Rio Negro entre Barcelos e Manaus AM Roberto Linsker

Arquipélago de Anavilhanas, no Rio Negro, entre Barcelos e Manaus (AM) | © Roberto Linsker

De volta ao mundo

Bolsonaro acumula, junto à opinião pública mundial, uma rejeição ainda maior do que internamente. Está muito evidente o seu ativismo contra a democracia, os direitos humanos, o meio ambiente e o multilateralismo. O ataque sistemático a chefes de estado e a instituições internacionais o isolam e congelam acordos comerciais, como o do Mercosul com a União Européia, e a inclusão do Brasil em agendas e fóruns internacionais, como a OCDE. O seu desprezo profundo pela emergência climática faz dele um inimigo da humanidade. O Brasil só não sofre, ainda, sanções internacionais mais graves, por conta da expectativa de que as eleições gerais de outubro encerrem esse período trágico.

Qualquer outro presidente que venha a ser eleito disporá de um crédito de confiança por parte da comunidade internacional. O Brasil, megadiverso e grande produtor de alimentos, é um país estratégico para se enfrentar os maiores desafios do século. Porém, a reversão do atual isolamento e a sua requalificação, para potencializar as oportunidades existentes na difícil conjuntura mundial, não será automática, dependerá da vontade política do novo governo e da adoção de políticas com metas definidas e resultados palpáveis.

Na Amazônia, por exemplo, essas políticas terão que dar conta conta dos passivos acumulados e de frear o avanço de inúmeras frentes predatórias ilegais, mas fomentadas no atual governo, com articulações políticas e de mercado, que não serão desativadas por iniciativa própria ou por geração espontânea. O caminho será longo e penoso.

Mas a mudança política reporá, na ordem do dia, a possibilidade do Brasil construir um projeto de desenvolvimento que tenha, como porta-bandeira, a sua formidável diversidade socioambiental, que terá que vir da disputa política e das respostas às agruras que nos estão sendo impostas pela crise climática.

Block

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você!

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes