Pesquisar
Close this search box.
Marielle, 3 anos depois da execução: Uma nova esperança contra a impunidade

Marielle, 3 anos depois da execução: Uma nova esperança contra a impunidade

Marielle Franco, 3 anos depois da execução: Uma nova esperança contra a impunidade – O jornalista Chico Otávio, autor de Mataram Marielle – Como o assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes escancarou o submundo do crime carioca (Intrínseca, 2020), com a colega do jornal O Globo Vera Araújo, lembra os sucessivos tropeços das investigações destes homicídios.

Por Roberta Pennafort/bbc.com/portuguese/brasil

“A polícia tinha que ter feito um gigantesco acervo de imagens nas primeiras 24 horas do crime e procurado testemunhas no local. E o erro principal foi apostar numa única linha de investigação durante meses. Teve também descontinuidade com as trocas (de delegados e promotores)”, diz o jornalista.

Uma nova esperança é a força-tarefa recém-anunciada pelo Ministério Público para tratar do caso, com a volta da promotora Simone Sibilio como chefe da equipe. Foi ela a responsável por denunciar Ronnie Lessa e Élcio Queiroz à Justiça como os executores de Marielle e Anderson.

O anúncio de que o delegado Moysés Santana, da Delegacia de Homicídios, também irá se dedicar exclusivamente a essa investigação é outro possível prenúncio de que os trabalhos vão voltar a engrenar. Será o terceiro delegado responsável pelo caso.

“Simone dorme e acorda pensando em Marielle”, conta Chico Otávio. Mas ele acha possível, entretanto, que o mandante não seja descoberto jamais.

O jornalista diz que a escassez das provas técnicas e a fragilidade das que existem é um entrave desde o início — o carro e a arma usados pelos criminosos nunca foram encontrados, por exemplo, e não há imagens do momento da execução. A essa altura, seria difícil conseguir evidências mais robustas.

O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), padrinho político e amigo de Marielle, presidiu em 2008 a CPI das milícias, na Assembleia Legislativa do Rio, que terminou com o indiciamento de mais de 200 pessoas. Ele diz crer numa resolução do caso.

O parlamentar, que até hoje circula com seguranças por conta das ameaças sofridas, não tem dúvida do envolvimento de milicianos — embora Marielle, que trabalhou em seu gabinete, não tenha desempenhado um papel de destaque na CPI nem sofrido intimidações após ser eleita vereadora.

“A família dela é a minha família. Eu perdi meu irmão assassinado, e a dor é equiparável. Penso nisso todo dia, me movo por isso. Vou à delegacia toda semana, e vejo chance de chegar aos mandantes. O novo procurador-geral de Justiça, Luciano Mattos, é uma pessoa comprometida. Mas não é simples, foi um crime com um nível de sofisticação que nunca se tinha visto no Rio”, afirma Freixo.

A vereadora Marielle Franco, uma mulher negra jovem e sorridente, com uma faixa nos cabelos crespos
Divulgação/PSOL

NOTA IMPORTANTE: AÍ ABAIXO TEM O LINK PRA VOCÊ COMPRAR O E-BOOK DO LULA. AJUDA NÓIS!


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

PHOTO 2021 02 03 15 06 15


E-Book A Verdade Vencerá – Luiz Inácio Lula da Silva

Em entrevista aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, Lula expressa sua indignação com o massacre sofrido ante a farsa da Lava Jato. Imperdível!

[button color=”red” size=”normal” alignment=”center” rel=”follow” openin=”samewindow” url=”https://lojaxapuri.info/produto/e-book-a-verdade-vencera-luiz-inacio-lula-da-silva/”]COMPRE AQUI[/button]

Capa Lula a verdade 1

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes