Pesquisar
Close this search box.

Memórias da Rua Visconde

Memórias da Rua Visconde 

Por Zezé Weiss

Minha família e eu chegamos a Formosa no início dos anos 1970. Pra quem tinha apenas 15 anos e vinha de Riolândia, uma minúscula cidadezinha agrícola à beira do Rio Grande, no interior de São Paulo, os casarões de Formosa pareciam coisa do outro mundo. Hoje quase extintos, eles eram lindos, esplêndidos!

Moramos em dois deles, ambos com assoalho de tábuas, telhado coberto por telhas comuns e lindos janelões coloniais, pintados de azul. Um dava começo à rua do cartório do Clarival de Miranda, saindo da Praça da Matriz, ali onde fica agora o prédio modernoso em que funciona a Caixa Econômica Federal.

O outro ficava bem na esquina da Rua Visconde de Porto Seguro com a Emílio Póvoa. Era imenso, crescia na lateral até dar de frente com a Casa Domingues, loja do seu Antero Domingues, que já existia naqueles tempos. O dono do casarão era o seu Odílio Braga, pai da Taninha e sogro do Mário Miguel, que moravam e tinham uma loja de móveis também na Visconde, do outro lado da rua.

Bem à moda antiga, existia na casa um alpendre, ao lado do meu quarto e se estendendo até a entrada do salão enorme que dava acesso aos demais quartos e ao restante da casa. Ali dormia o Antônio Latinha (ex-combatente da Força Expedicionária Brasileira na II Guerra – segundo diziam), que chegava todo dia antes da meia noite, retirava sua tralha de uma mala surrada e se acomodava para o sono. Em volta do leito improvisado ele colocava muitas latinhas, como que cercando o seu “abrigo de guerra”.

Bem cedinho, Antônio começava um ritual de bater as latinhas no chão e umas nas outras, ao tempo em que murmurava palavras incompreensíveis e guardava tudo na mala. Era o nosso despertador, e muitas vezes saíamos para a escola com ele ainda lá, batendo as latinhas. Nenhum medo, só um respeito enorme por aquele homem, cuja história ninguém sabia direito, mas seguramente era de muita importância, dizia nossa mãe.

Foi com seu Odílio que descobri o sofisticado ritual da procissão do enterro, tão diferente dos raros e singelos funerais dos tempos de Riolândia. Em Formosa, grande parte dos sepultamentos eram precedidos de procissão, a pé, da Catedral até o cemitério da Praça da Concórdia, com seu Odílio à frente, puxando as rezas, organizando a procissão. Em respeito ao finado, as lojas cerravam as portas para a passagem, os homens tiravam os chapéus, coisa ainda em voga naquela época.

Na mesma Visconde, bem mais pra baixo, existia outro ser humano ímpar, chamado Miguel das Abóboras. Não sei bem como o conheci, mas foi de Miguel das Abóboras que ouvi pela primeira vez a palavra ciclovia. Mangavam muito dele por conta daquela ideia fixa de fazer de Formosa uma cidade ecológica, movida a bicicletas.

Zezé Weiss – Jornalista

 

Block

<

p style=”text-align: center;”> 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Uma resposta

  1. Fico feliz com a historia contada por Zezé,conheci parte dessa Formosa qdo saia daqui pra visitar meus tios de criação Dito Branco e didinha lena como eram chamados.pais de Delzio ,Delmar.,Dario e Dilena.qta saudades

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes