LOGO BRANCA XAPURI
Pesquisar
Close this search box.

“Não são números, são vidas”

“Não são números, são vidas”: Omissão criminosa do governo expõe povos indígenas à pandemia

No último levantamento feito pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), divulgado na sexta-feira (8), 55 indígenas morreram e 223 estão com testes confirmados. 30 povos foram atingidos nas regiões Norte, Nordeste, Sul e Sudeste.

Os países ao Sul já identificaram o Brasil como polo irradiador da pandemia, responsabilizando a atuação irresponsável do governo e seu presidente. No outro extremo, o principal foco da pandemia na América do Sul está sendo acusado de “exportar” o coronavírus para o interior da Amazônia, ameaçando os povos indígenas da região.

A partir do Brasil, na fronteira da Tríplice Fronteira, um corredor de contágio avança sobre as populações mais pobres e as comunidades indígenas. A Tríplice Fronteira é formada por Tabatinga no Brasil, Letícia na Colômbia e Santa Rosa no Peru.

Nesta sexta-feira (8), a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) lançou a Assembléia Nacional de Resistência Indígena para construir um plano de enfrentamento à pandemia.

“A cada dia perdemos mais vidas indígenas para Covid-19. É alarmante a omissão do Governo Federal na garantia de proteção dos povos”, denunciam. O que acontece com os Kokama, no Amazonas, segundo eles, “é retrato dessa violência”. “É fundamental denunciarmos o descaso criminoso do governo federal e dar visibilidade ao que está acontecendo com os povos durante a pandemia do novo coronavírus”, alertam.

“Não são números, são vidas”

De acordo com a APIB, “em quatro dias dobraram as mortes entre os nossos parentes pelo novo coronavírus” – entre 3 e 7 de maio, o número de óbitos subiu de 9 para 22. O povo Kokama teve o primeiro caso registrado de Covid-19 entre indígenas no Brasil, no dia 25 de março, demonstrando o alto grau de letalidade da doença em um único povo.

De acordo com dados da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), no Amazonas, os casos de mortes entre o povo Kokama aconteceram nos municípios de Tabatinga, Benjamin Constant, Santo Antônio do Içá, Itacoatiara, Autazes e Manaus. Além do povo Kokama, o Amazonas possui 43 indígenas mortos por Covid-19 de nove povos diferentes.

No último levantamento feito pela Apib, ontem (7), 55 indígenas morreram e 223 estão com testes confirmados, atingindo 30 povos nas regiões Norte, Nordeste, Sul e Sudeste. Para se ter uma noção da subnotificação, adverte a APIB, a Sesai contabiliza no mesmo período 14 mortes e 176 casos de indígenas contaminados.

“Não são números, são vidas”, dizem as lideranças indígenas. Junto com as organizações de base, a APIB está realizando um levantamento de informações sobre casos de Covid-19 entre povos indígenas, sobretudo de casos subnotificados e não acompanhados pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).

Na semana passada, artistas e intelectuais mundiais, liderados por Sebastião Salgado, denunciaram a exposição dos povos indígenas à pandemia exigindo uma mobilização internacional para evitar um genocídio na região amazônica.

Da Redação – Fonte: Notícias do PT

 


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

PHOTO 2021 02 03 15 06 15


 E-Book Caminhando na Floresta

Um livro imperdível sobre a experiência do autor na convivência com os seringueiros do Vale do Acre nos tempos de Chico Mendes.

COMPRE AQUI

Capa Caminhando na Floresta 1560x2050 px Amazon 1

 

 

 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes