Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.

Negros e negras são mais vulneráveis à morte por Covid-19

Negros e negras são os mais vulneráveis à morte por Covid-19

Por Almir Aguiar

A pandemia da Covid-19 é um mal que atinge o mundo inteiro matando milhões de pessoas. No Brasil, que é o segundo em óbitos no planeta, superado apenas pelos EUA, há dois agravantes que aumentam a tragédia: o primeiro é o negacionismo do presidente Jair Bolsonaro e de seu governo, imitando o seu guru, o ex-presidente americano Donald Trump.

Além do descaso há também incompetência e corrupção no alto escalão, como comprova a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) no Senado. Já são mais 600 mil de vidas que foram ceifadas em nosso país. O segundo agravante é a colossal desigualdade social, aprofundada pela política econômica neoliberal imposta ao país desde o golpe que derrubou a presidente Dilma Rousseff e que ficou ainda pior no atual governo, sob a batuta do ministro banqueiro Paulo Guedes. E como sabemos, esta desigualdade tem cor.

É a realidade comprovada por números oficiais que esta desigualdade tem cor e expressa o racismo histórico e estrutural enraizado em nossa sociedade. Condições de vida e de moradia mais precária, sem saneamento básico, famílias numerosas coabitando cômodos pequenos e sem estrutura nas favelas e periferias das cidades, ausência de uma política de saúde pública preventiva e a situação agravada pela explosão do desemprego, da miséria e dos preços dos alimentos, energia elétrica e gás de cozinha, que afetam ainda mais os mais pobres.

Em outras palavras, é a população negra que está na base da pirâmide social numa sociedade quase que de castas que mais sofre com a crise econômica e sanitária. Esta desigualdade persevera e atingiu níveis insuportáveis quando parcela da sociedade racista saiu do armário e assumiu suas posições intolerantes e discriminatórias numa espécie de ideal de superioridade racial branca que faz lembrar o nazismo, com suas adaptações à hipocrisia do racismo brasileiro e ao mito da democracia racial.

Esta falta de condições mínimas de vida tornam negros e negras os mais vulneráveis também na tragédia sanitária da Covid-19. Um conjunto de pesquisa feita pela Rede Solidária aponta que, por estas condições sociais de vida, o risco de morte é maior para homens e negros e mulheres negras.

O estudo é baseado nas estatísticas oficiais do Ministério da Saúde revelando que o maior percentual de morte de negros não é apenas por causa de suas atividades profissionais mais expostas ao vírus, mas também por outros fatores sociais.

Os trabalhadores que perderam a vida no universo dos 67,5 mil de óbitos no ano passado apontados pela pesquisa, são dos setores de comércio e serviços (inclusive bancos), totalizando 6.420 óbitos, seguido da agricultura (3.384) e transportes (3.367).

Em todas as atividades os riscos de morte são maiores para os homens negros, com exceção do setor agrícola. Chama a atenção o fato de que, mesmo nas profissões de nível superior, morrem mais negros que brancos de Covid-19: 43% maior entre advogados e 44% maior entre arquitetos e engenheiros, por exemplo.

Tudo indica que, mesmo com idêntico nível de escolaridade e atividade profissional, a população negra tem condições de vida que a colocam como mais vulnerável nesta pandemia, visto que a média salarial dos brancos é sempre maior.

Pesquisa feita pela Associação Brasileira de ONGs (Organizações Não Governamentais), a Abong, aponta que, em 2019, as pessoas afrodescendentes ganharam, em média, 27% menos do que as brancas. A inserção mais precária de muitos negros ao mercado de trabalho, em empresas menores e com piores condições de trabalho ou mesmo sem vínculo empregatício, também explica a maior vulnerabilidade.

Os riscos de morte entre mulheres negras, que estão na base da pirâmide, também são altas proporções. Em serviços domésticos, estes riscos são 112% maiores entre negras do que em relação às brancas. Nas ocupações de nível superior não há diferenças relevantes por uma razão que revela o quanto o mercado de trabalho discrimina a população negra, especialmente as mulheres: há muito poucas negras nessas atividades.

Durante a pandemia, a ausência de acesso a serviços de saúde, condições de vida precárias em habitação e saneamento e tarefas com crianças e idosos tornou muitas mulheres mais vulneráveis, especialmente as negras.

Fato é que a tragédia sanitária, que atinge a todos, independentemente de classe social, gênero e raça, explicita ainda mais o racismo no Brasil e o quanto é importante inserir negros e negras em programas de oportunidades na educação e no trabalho, como a política de cotas, para enfrentarmos a dívida histórica de uma sociedade cujas elites trazem todo o ranço do senhor de engenho e sua visão de que gente, no caso os trabalhadores, é para explorar, queimar como carvão, para tirar o maior lucro possível, mesmo que isto resulte na morte de um grande número de negros e negras pobres.

É esta elite egoísta, ranzinza, insensível, avarenta e racista que impede o Brasil de ser uma nação justa, desenvolvida e com oportunidades para todos. Estes paradigmas passaram da hora de serem superados. E, neste caso da pandemia, estamos falando de vidas ceifadas.

Até na questão da grave crise sanitária, negros e negras são as maiores vítimas num Brasil racista e desigual. Isto precisa ter um fim ou jamais vamos nos tornar uma nação desenvolvida, socialmente pacificada e com igualdade de oportunidades.

A responsabilidade por estas mudanças é de todos. Mas que os trabalhadores não esperem o ponta pé inicial desta burguesia racista.

Almir Aguiar é militante do MNU, Secretário de Combate ao Racismo da  Contraf-CUT e membro do Coletivo Estadual de Combate ao Racismo PT/RJ. 

Block

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

REVISTA

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados