Pesquisar
Close this search box.

O Massacre de Monte Alegre

O Massacre de Monte Alegre: uma das experiências mais heróicas do indigenismo brasileiro

Há 118 anos, o Maranhão viveu a tragédia sangrenta da violência entre brancos e índios

Por Olímpio Cruz Neto no Brasil 247

Neste 13 de março, exatamente há 118 anos, o país assistiu a uma das mais traumáticas histórias do indigenismo brasileiro. Conhecido como o Massacre de Alto Alegre, o episódio teve como personagens o cacique João Caboré – o Caoré Imana, ou simplesmente Cauiré, como era chamado por sua gente – e Perpétua dos Reis Moreira, estudante em regime de internato no Instituto da Missão de São José da Providência.

Na época, Perpetinha foi sequestrada por um bravo índio. Os fatos que se sucederam resultaram na morte de 13 frades e freiras italianos em Alto Alegre, no município de Barra do Corda (MA). Pelo menos 200 pessoas morreram no confronto. O caso ocorreu na madrugada de 13 de março de 1901.

Os índios venceram a batalha contra brancos, deixando um rastro de violência. Um episódio sangrento que marcou a luta dos povos indígenas pela sua herança cultural. Por cerca de 20 anos a desconfiança e o desconforto reinariam ainda entre brancos e índios por causa do massacre. Até hoje, em pleno século 21, os fatos têm cores fantásticas.

O episódio ganhou as páginas do livro “Cauiré Imana, o cacique rebelde”, escrito por Olímpio Cruz, meu avô. Ele acreditava que, depois de Antonio Conselheiro, em Canudos (BA), a revolta comandada pelo índio Cauiré, no Maranhão, seja um dos grandes destaques entre os movimentos nativistas brasileiros. O caso é especial porque a revolta dos índios ganhou cores mitológicas, permanecendo amalgamada de misticismo e idéias de liberdade.

Mesmo após cem anos da tragédia, a história permanece no imaginário indígena. A trágica morte de frades e freiras foi resultado direto de uma inábil e apressada catequese de missionários estrangeiros. Apesar de bem intencionados, os religiosos desconheciam usos e costumes dos índios. O choque de civilizações foi fatal.

Na primeira edição do livro, publicado em 1982, o próprio Olímpio dizia que sua obra tinha a pretensão de jogar um pouco de luz aos fatos, fornecendo subsídios aos antropólogos e outros cientistas sociais que estudam a causa do índio brasileiro. O esforço dele começou ainda no final dos anos 50 do século 20.

Ao longo de décadas, o poeta e escritor foi reunindo material e farta documentação, fruto de exaustivas pesquisas realizadas por cidades do interior maranhense. Entre os anos 50 e 60, ele percorreu diversas aldeias Guajajara – algumas hoje inexistentes. O trabalho também foi enriquecido com conversas e entrevistas com alguns daqueles que viveram a história.

Em conversas com o velho escritor, até mesmo os poucos índios que sobreviveram aos acontecimentos puxaram da memória o que sabiam do que acontecera no povoado. Isso na era pré-internet, em que documentos e relatos eram muito mais difíceis de serem colhidos. O livro ganhou reedição em 2015 e está disponível na Amazon.

“Cauiré Imana” foi apresentado por Olímpio Cruz como uma reportagem-documento, sem pretensão alguma de ganhar as características típicas de um romance. Além das crenças, usos e costumes dos Guajajaras, o livro aponta algumas causas que, para os índios, justificariam o massacre. O desfecho trágico foi resultado de um violento choque entre mundos distanciados culturalmente por séculos.

De acordo com o antropólogo Júlio César Melatti, que prefaciou o livro O índio na história. A saga do povo Tenetehara, em busca da liberdade, escrito pelo ex-presidente da Funai Mércio Pereira Gomes, a missão religiosa mantinha “uma orientação obsoleta, mesmo para sua época”.

Hoje, quando os índios brasileiros enfrentam um governo hostil à luta pela demarcação de terras, o Massacre de Alto Alegre é a memória viva de que o desrespeito aos direitos humanos pode resultar em conflito armado e uma tragédia social. Triste o país que esquece sua gente e sua história.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/colunistas/geral/386739/H%C3%A1-118-anos-o-Maranh%C3%A3o-viveu-a-trag%C3%A9dia-sangrenta-da-viol%C3%AAncia-entre-brancos-e-%C3%ADndios.htm

Foto: Índios guajajara que participaram do massacre posam em frente ao convento de Alto Alegre, em 1900, meses antes do sangrento episódio. (Crédito: Frei Mathias de Bergamo)

Monte Alegre massacre 1

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Liminares derrubam MP de Bolsonaro contra sindicatos

No Rio de Janeiro e em Minas Gerais, Justiça deu parecer favorável aos movimentos sindicais impedindo o fim das contribuições em folha de pagamento dos trabalhadores
por Redação RBA publicado 15/03/2019 10h08, última modificação 15/03/2019 12h45
 
ARQUIVO EBC
Bolsonaro MP 873

Vice-presidente do Sisejufe/RJ afirma que MP contra sindicatos ataca liberdade de organização dos trabalhadores

São Paulo – As entidades sindicais travam uma disputa para manter o recolhimento da contribuição dos trabalhadores em folha de pagamento desde que o governo de Jair Bolsonaro lançou, como manobra para sufocar e cortar o financiamento dos sindicatos, a Medida Provisória (MP) 873, que altera os critérios de cobrança.

No Rio de Janeiro, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Universidade Federal (Sintufrj), o Sindicato dos Trabalhadores no Combate às Endemias e Saúde Preventiva (Sintsauderj) e o Sindicato dos Servidores das Justiças Federais (Sisejufe-RJ) conseguiram, por liminar, manter as contribuições sindicais por desconto direto, em vez de boletos bancários, como expresso pela MP. Em Minas Gerais, o Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário Federal (Sintraemg) também derrubou judicialmente a manobra do governo.

“Existia ali (na MP) uma invasão da União, do Estado e do governo, em cima da liberdade de organização da classe trabalhadora e das entidades sindicais”, explica o vice-presidente do Sisejufe-RJ, Lucas Costa, sobre a decisão provisória da Justiça a favor dos sindicatos.

A MP baixada por Bolsonaro vem sendo questionada por outros movimentos e também pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que na segunda-feira (11) entrou com ação direta de inconstitucionalidade (ADI) no Supremo Tribunal Federal, pedindo sua suspensão.

 


Salve! Taí a Revista Xapuri, edição 82, em homenagem ao Jaime Sautchuk, prontinha pra você! Gostando, por favor curta, comente, compartilhe. Boa leitura !
[3d-flip-book id=”97806″ ][/3d-flip-book]


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia.GRATIDÃO!

 
loja Xapuri camisetas

 

E-Book Por Um Mundo Sem Veneno

COMPRE AQUI

Capa Venenos para site 300x300 px 1 1
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes