Pesquisar
Close this search box.

O mundo sem Trump

O mundo sem Trump

Emir Sader avalia o avanço de Trump ter perdido as eleições e com sua derrota cai também a hegemonia norte-americana no mundo e o modelo neoliberal. A vitória do Biden foi a vitória de todas as forças que se uniram, transformando as eleições em referendo contra o Trump

Por Emir Sader

O governo Trump representou um passo significativo no processo de decadência da hegemonia norte-americana no mundo. Esta havia se iniciado com a adoção pelos Estados Unidos do modelo neoliberal.

Este, ao contrário do modelo vigente desde o fim da Segunda Guerra mundial até o anos 1970, não está centrado em um setor produtivo – o de grandes corporações monopolistas internacionais, de que a indústria automobilística foi a mais importante –, mas tem no capital financeiro seu eixo. Não um capital financeiro que financie a produção, a pesquisa ou o consumo. Mas um capital financeiro que vive da venda e compra de papéis, sem induzir a produção de bens, nem gerar empregos.

É, assim, um modelo sem capacidade hegemônica. Se passou de um ciclo longo expansivo do capitalismo a um ciclo longo recessivo.

Os Estados Unidos não têm um modelo econômico a propor, como exemplo, com resultados de sucesso. As economias europeias, a do Japão, as latino-americanas, que seguem subservientemente esse modelo, mergulham em longos processos recessivos, com crises sociais profundas e governos com instabilidade política.

A essas dificuldades estruturais se somou o governo Trump que, com o lema de “America First”, retomou a tradição isolacionista de política externa dos Estados Unidos em grande estilo. Abandonou organismos internacionais, abandonou seus aliados históricos europeus, deixou a América Latina sem lugar na sua política externa.

Ao abandonar o Tratado do Pacífico com que os Estados Unidos pretendiam limitar o expansionismo da política externa chinesa, deu de presente toda essa imensa zona para a China, que não demorou a estender a nova Rota da China e consolidou um grande Tratado de Livre Comércio em toda a Asia.

Além de que as posições retrógradas de Trump em relação à pandemia, promovendo o negacionismo, só conseguiu adesão de governos ultra conservadores, entre eles o do Brasil, como único aliado relativamente importante. Mas uma demonstração a mais do desprestigio  norte-americano em escala mundial.

Quando se projetava a vitória de Biden, houve quem subestimou as mudanças que o novo governo poderia introduzir, a ponto de postular que tanto faria a vitória de Trump ou de Biden. Pela critica das posições históricas dos democratas, especialmente seus engajamentos bélicos, assim como do próprio Biden, não captavam a importância da derrota do Trump. Não se davam conta da virada significativa que ele tinha implementado na política interna e externa dos Estados Unidos.

A vitória do Biden foi a vitória de todas as forças que se uniram, transformando as eleições em referendo contra o Trump, fazendo com que Biden tenha sido eleito nem tanto pelo que ele é, mas por ter assumido o papel do anti-Trump.

O que será o mundo sem o Trump? A radicalidade das politicas de Trump bastam para mostrar as diferenças para um governo que simplesmente se propõe a retomar as políticas internas e externas de Obama.

As primeiras medidas anunciadas por Biden já permitem perceber as diferenças, a começar pelo retorno dos Estados Unidos ao Acordo de Paris, cujo abandono foi tão simbólico da virada na política norte-americana por Trump. Mas também a importância no combate à pandemia, em que a postura de Trump marcou profundamente seu governo e teve peso decisivo na sua derrota eleitoral.

Os aliados tradicionais dos Estados Unidos na Europa já acenam para a retomada das alianças com Washington, Cuba manifesta com benevolência a possibilidade de retomada dos tipos de relação que tinham tido no governo Obama, o México se sente aliviado de não ter a pressão intensa do governo Trump sobre o seu vizinho do Norte.

No polo oposto, o próprio Bolsonaro acusou o golpe, mesmo se finge desconhecer a vitória de Biden. Já fez declarações desencontradas, até mesmo especulando com que talvez nem se candidate à reeleição – seu objetivo político maior.

Mas ele sabe que agora o isolamento internacional do seu governo será enorme, que ele receberá forte pressão do novo governo norte-americano sobre a Amazônia e sobre os direitos humanos.

O mundo sem Trump será distinto. Os Estados Unidos não deixam de ser a potência imperialista que são, nem renunciarão a seus interesses econômicos e a seu modelo neoliberal. Mas, só em pensar na derrota da alternativa de extrema direita na maior potência mundial, já dá para nos darmos conta das mudanças.

EmiEmir Saderr Sader – Sociólogo.

 

 

 


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

PHOTO 2021 02 03 15 06 15


 E-Book Caminhando na Floresta

Um livro imperdível sobre a experiência do autor na convivência com os seringueiros do Vale do Acre nos tempos de Chico Mendes.

COMPRE AQUI

Capa Caminhando na Floresta 1560x2050 px Amazon 1

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes