Pesquisar
Close this search box.
Biodiversidade preservada

O valor econômico da biodiversidade preservada

O valor econômico da biodiversidade preservada

O acesso às informações relacionadas ao tema da conservação da biodiversidade e a habilidade de incorporá-las é uma tarefa complexa e desafiadora para a maioria dos gestores públicos. A real compreensão dos benefícios de investir em oportunidades em prol do patrimônio natural nas cidades exige, sobretudo, visão de futuro.

Atualmente as consequências da degradação ambiental são tangíveis e os prejuízos bastante significativos. Curitiba (PR), por exemplo, mundialmente conhecida e afirmada como capital ecológica, nunca passou por uma crise hídrica tão profunda como a atual. Os efeitos das mudanças climáticas e as consequências desses eventos extremos nunca estiveram tão presentes nas agendas de lideranças nacionais. O mundo jamais se viu em uma pandemia com consequências tamanhas como a Covid-19, que já se sabe tem origem em um desequilíbrio da relação humana com a natureza.

A necessidade de mudança no paradigma econômico, de maneira a envolver modelos que considerem o cenário de mudanças climáticas, é fato cada vez mais concreto. Nas últimas semanas, Angela Merkel, chanceler da Alemanha, anunciou que o governo deve investir em estímulos à proteção do clima para a recuperação econômica do país pós pandemia. Ainda, Marieke van Doorninck, prefeita de Amsterdã, na Holanda, anunciou que o princípio da reestruturação econômica da cidade será o de prosperar em equilíbrio com o planeta, baseado numa economia mais justa e solidária. No Brasil, prefeitos de três capitais que participam do C40 Cities (um grupo de grandes cidades mundiais, empenhado em debater e combater a mudança climática), se comprometeram no último dia 11 com um cenário de investimentos em uma economia mais sustentável para os próximos anos, iniciativa acompanhada por outras 32 cidades de todo o mundo.

A conservação de áreas naturais é um instrumento para mitigação de riscos, para a consolidação do compromisso público com um assunto de interesse e impacto coletivo, que cada vez mais suscita a atração de novos negócios e gera benefícios duráveis que incluem bem-estar coletivo, capacidade de resiliência das cidades e perenidade de serviços ecossistêmicos. No entanto, o tema ainda é discutido de forma tímida e os compromissos apontam estratégias esparsas nesta direção.

A expectativa é clara: padrões de governança pública e de negócios que se aproximem do conceito de produção de natureza terão êxito nos próximos anos. Instituições e governos que já compartilhavam desta percepção devem assumir um papel de protagonismo e liderança ao fornecer modelos que possam ser compartilhados e replicados em diferentes contextos.

Um importante case neste sentido é compartilhado pelos estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina. A região concentra mais de duas milhões de áreas bem conservadas do bioma Mata Atlântica. Estas florestas garantem ainda o fornecimento de água a diversos municípios incluindo duas das grandes metrópoles do país (São Paulo e Curitiba), segurança a importantes negócios como o Porto de Paranaguá, oportunidades a inúmeros mercados locais com turismo, além de um standard de qualidade de vida incomparável a outras cidades brasileiras.

Neste território, governantes, lideranças sociais, pesquisadores, empresas, representantes do terceiro setor e sociedade civil já trabalham há anos para estabelecer um modelo de negócio que permita e favoreça a conservação da biodiversidade. O planejamento de objetivos, metas e indicadores compartilhados sob a iniciativa chamada de Grande Reserva Mata Atlântica fornece uma janela de oportunidades a novos investimentos e representa um modelo consistente e amparado por resultados sólidos para ser constituído em outras regiões do mundo.

Nos próximos anos, os governos devem tratar a biodiversidade como um tema econômico. A constituição de parcerias com negócios e o estabelecimento de uma agenda de responsabilidade comum devem ser o foco de atuação. Cases como a Grande Reserva Mata Atlântica fornecerão novos quadros de atuação. A valorização do patrimônio natural será o core business, afinal, a manutenção de negócios também depende diretamente da biodiversidade e demais serviços ecossistêmicos.

Sendo assim, negócios que ainda enxergam haver dicotomia entre natureza e desenvolvimento devem perder cada mais espaço. A evolução de iniciativas que incorporem a conservação de serviços ecossistêmicos será preconizada e a percepção de um futuro viável, racional e produtivo deve ser uma meta plenamente perseguida, gerando um legado de oportunidades e benefícios. Assim espera-se.

Autoria: Marina Cioato – assistente de comunicação da SPVS

Imagem: Everson Gelasko/Grande Reserva Mata Atlântica

Slide

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

DOAÇÃO - PIX: contato@xapuri.info

revista 115

 

 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes