Pesquisar
Close this search box.
Os Curumins de Portugal e a Língua Brasileira

Os Curumins de Portugal e a Língua Brasileira

Os Curumins de Portugal e a Língua Brasileira

“Portugal e Brasil são dois países separados por uma língua comum”. (Taquiprati – parafraseando Bernard Shaw).

Por José Ribamar Bessa Freire

Os “miúdos” de Portugal estão a falar (falando) “brasileiro”, o que está a assustar (assustando) pais e mães entrevistados pelo Diário de Notícias (DN) de Lisboa desta última quarta-feira (10). Eles informaram que as crianças se viciaram nos vídeos de youtubers brasileiros, com quem dialogam diariamente através de tablets, computador e “telemóvel” – já denominado de “celular” pelos “miúdos”, que viraram “curumins” e, no último fim de semana, pressionaram seus pais para ver ao vivo o espetáculo em Lisboa do criador de conteúdo Luccas Neto, com 36 milhões de seguidores, entre os quais milhares de portuguesinhos.

Com a quarentena imposta pela pandemia, as crianças ficaram expostas durante meses, por muitas horas do dia, a conteúdos produzidos no Brasil. Não deu outra. Os pais reclamam que seus filhos em idade pré-escolar estão a usar, perdão, usando palavras como grama, ônibus, bala, moça, cafezinho e geladeira no lugar de relva, autocarro, rebuçado, rapariga, bica e frigorífico. É como se uma mãe brasileira ouvisse seu filho pedir que lhe comprasse a “camisola” 7 do Cristiano Ronaldo, com a qual já fez muitos “golos” nos melhores “guarda-redes” do mundo.  O “gajo”, digo, o cara é muito bom.

No entanto, essas diferenças não se resumem a um conjunto de palavras. Afinal, o que significa “falar brasileiro”? Entoação? Sintaxe? Será um exagero pensar que essas interações eventuais possam impor uma norma gramatical, mas ao mesmo tempo trata-se de uma marca identificada como “influência”.  Normalmente, tais características da fala compartilhadas por um grupo têm elementos que mexem com a identidade e permitem revelar a origem dos seus falantes. É o que se reconhece como dialeto. Até agora são regionais, geracionais, sociais, de gênero.

DIVERSIDADE

Há várias línguas faladas em português – disse em discurso na Academia Brasileira de Letras (ABL) José Saramago, o único escritor de língua portuguesa a receber o Prêmio Nobel de Literatura. Foi em 2008. Ele acrescentou que “essas línguas são, ao mesmo tempo, iguais e diferentes” e defendeu a diversidade, recomendando a união dos países lusófonos, mas sem eliminar a variedade.

No entanto, não é assim que pensam alguns cidadãos do país ibérico, que se nomearam os “guardiões da língua portuguesa”, considerada por eles como superior às variedades faladas nos países colonizados e que merece ser preservada e protegida de influências outras, com status diferenciado, o que é uma enorme bobagem. Isso equivale a dizer que o bacalhau é melhor do que o pirarucu ou vice-versa, ou versa-vice, tanto faz.

A preocupação dos portugueses com a fala “brasileira” de seus filhos, destacada pelo DN é uma preocupação legítima, se for tratada como defesa da diversidade, mas não assim se for apresentada como proteção da “pureza” do idioma. Há ainda a questão da comunicação, que deve ser discutida.

As dificuldades de entendimento não se limitam ao léxico, que está situado na estrutura superficial da língua, mas estão relacionadas à velocidade da fala, à qualidade vocálica e até à “perda” delas em alguns contextos da fala lusitana em oposição às vogais mais abertas do “brasileiro”. Uma coisa é a escrita, que está padronizada, outra é a fala. Trata-se de avaliar em que medida as variedades do português lusitano são assim tão diferentes, digo, “diferentes” dos diversos dialetos falados no Brasil, a ponto de comprometer a comunicação.

UM VÍCIO?

Que o diga a saudosa linguista Yonne Leite (1935–2014), nascida no Ceará, pesquisadora de línguas indígenas. Ela contou que se hospedou num hotel em Estoril e ali lhe deram um quarto de fundos e não um dos que tinham varandas para o mar. Desceu imediatamente à recepção e pediu um quarto “de frente”, o recepcionista que escutou de acordo com os seus padrões respondeu que não havia quarto “d´f´rente”, todos eram iguais. O senso comum diria que “ele engoliu as vogais”.  

A família do Antônio, um seguidor de Luccas Neto, no início achava graça porque o “miúdo” de 4 anos de idade não conseguia mais dizer os r´s nem os l´s. Mas depois, quando as pessoas perguntaram se o pai ou a mãe do menino eram brasileiros, soou o sinal de alarme. A mãe, Alexandra Patriarca, que levou o filho para sessões de terapia da fala, se justificou:

– Neste momento estamos num processo de tratamento como se fosse um vício. Explicámos-lhe tudo, que ele não podia ver como isto o prejudicava. E já notamos que está muito melhor. O que tentamos fazer agora é brincar mais com ele, bloqueamos alguns conteúdos, deixando apenas a Netflix e tudo o que está registrado no português de Portugal.

A educadora Ana Sofia Alcobia disse ao DN que não se lembra de um momento tão desafiante como este, submetido a duplo impacto: os conteúdos da internet e o uso de máscara com efeitos “desastrosos” para a aquisição da linguagem por parte dos mais novos. Numa sala de aula com 22 meninos, um deles só falava em português do Brasil, “sem ter qualquer familiar brasileiro e sem nunca lá ter ido. Ele falava com sotaque e dizia todas as palavras tal e qual os vídeos a que assistia na internet”.

A professora de linguística Catarina Menezes, que coordena a licenciatura em comunicação e mídia em Lisboa, informou que, quando era criança, havia o mesmo pânico com os livros do Tio Patinhas, que falava o português do Brasil. O mesmo quando apareceram as telenovelas da Globo exibidas na TV portuguesa. As consequências não foram nefastas. Ela concluiu que é necessário “desdramatizar um bocadinho os cenários”.

Com ela parece concordar o escritor e crítico literário Sérgio Rodrigues, autor de “Viva a Língua Brasileira”. Na quinta (11), em sua coluna na Folha SP, ele considerou “alarmismo e superficialidade na abordagem – como é habitual quando o jornalismo, espelhando o senso comum, trata de temas linguísticos”. De qualquer forma, nessa questão vale o que disse Bernard Shaw sobre a língua inglesa: “England and America are two countries separated by a common language“.

 José Ribamar Bessa Freire – Professor. Cronista, em www.taquiprati.com.br.


https://xapuri.info/resgatar-o-estado-para-resgatar-a-democracia/

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
REVISTA 108
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes

×