Pesquisar
Close this search box.

“Seja marginal, seja herói. Seja Professora!”

SEJA MARGINAL, SEJA HERÓI! SEJA PROFESSORA! 

O caso de demissão da professora por usar vestimenta com referências ao movimento literário marginal do Brasil revolta os diferentes setores da sociedade brasileira e questiona sobre o papel de uma escola democrática com debate de ideias.

Por Arthur Wentz e Silva/Revista Xapuri

Professora em Aparecida de Goiânia (GO) foi demitida, após fotos usando camiseta com frase de Hélio Oiticica, remetente a movimento artístico-literário nacional, serem espalhadas pelo deputado Gustavo Gayer (PL) e apoiadores da base bolsonarista.

O deputado publicou a foto da professora com camiseta de dizeres da obra marginal “Seja marginal, seja herói”. Em seu discurso odioso, fomentou não apenas críticas, mas também ataques à profissional. Dentre os ataques, o mais recorrente foi sobre posicionamentos políticos, onde o mesmo escreveu: “professora de história com look petista em sala de aula”.

Seja marginal, seja herói
Referência da estampa é a obra de Hélio Oiticica de 1968 – Foto: Camisa Critica

Após o constrangimento provocado pelas mentiras do deputado, a professora foi demitida do colégio. Em entrevista para o G1, ela mencionou que “(…) a obra é vermelha, por isso a camiseta é vermelha. Não há associação política alguma”.

Além disso, segundo a professora, na mesma entrevista, há uma motivação ainda que pedagógica na escolha da vestimenta: “Sempre uso camisetas com obras de arte. É um jeito que tenho para conversar sobre arte com os alunos, de forma despretensiosa. Naquele dia expliquei e eles entenderam o contexto histórico da obra”

A Literatura Marginal

Também chamada de “Geração Mimeógrafo”, foi um movimento artístico-literário de impacto em vários setores da arte, como música, cinema, teatro, artes plásticas e sobretudo na literatura.

Em tempos de repressão da Ditadura Militar, o contexto da Literatura Marginal era de empregar um novo sentido para a cultura brasileira. Seu desenvolvimento amplo tem princípios da contracultura. Nesse sentido, o objetivo se concentrava em substituir a forma tradicional de circulação de obras por meios alternativos de comunicação.

As temáticas urbanas e a vida popular, nesse sentido, ganhavam espaço nas produções culturais da época e tangenciam para uma nova perspectiva de fazer cultura. As vozes da periferia ganharam força pelas mais diversas manifestações artísticas.

Dentre as características, apresenta-se em um estilo marcado pelos textos, em sua maioria curtos, recheados por uma linguagem coloquial, mais urbana, com traços de oralidade e espontaneidade.

Repercussão

Vários setores da sociedade manifestaram indignação acerca do caso. Nas redes sociais, os ataques foram rebatidos por diferentes professores e núcleos educacionais. O conteúdo disseminado pelo deputado e a extrema-direita intensificaram o debate acerca da importância da liberdade de cátedra dentro dos espaços de ensino. 

A rede educacional Colégio Expressão, responsável pela demissão da professora, afirmou em nota que: “É importante destacar que a escola não é lugar de propagar ideologias políticas, religiosas ou preconceituosas. Nossa missão é formar cidadãos conscientes e éticos, capazes de compreender e respeitar as diferenças culturais e ideológicas.”

O SINPRO, Sindicato dos Professores do Estado de Goiás, além de repudiar as condutas do deputado, buscou aparatos jurídicos para combate da narrativa agressiva de Gayer (PL). A petição também foi assinada por frentes de trabalhadores e sindicatos como o Sintego, Fitrae-BC e Contee. Na oportunidade, solicitaram a exclusão da conta que ataca constantemente professores e nomes da educação goiana.

Na nota, o sindicato ainda menciona que “(…) também ajuizou outra ação, cível, para que sejam reparados os danos materiais e morais sofridos pela professora. Está também em fase final de elaboração a ação trabalhista contra o Colégio, em caso de consumação jurídica da demissão da docente”.

Para o presidente da União Estadual dos Estudantes de Goiás (UEE GO) e coordenador do Diretório Central dos Estudantes da UFG (DCE UFG), Ranilson Júnior, “práticas como essa em Goiás têm se tornado comum. É inadmissível que os professores sofram perseguição política, instigada e respaldada por Gayer, deputado que instiga o ódio e a violência nos diferentes espaços”.

O estudante lembrou ainda a votação do PL 2630, onde menciona: “Na semana em que pautamos a aprovação da PL que criminaliza as Fake News, podemos ver que o medo nunca foi da censura, até porque ela existe e está posta. O medo é de serem responsabilizados por levantarem o discurso de ódio e propagar a desinformação”.

O papel da escola 

Quando a ignorância invade o debate, a cultura e história do Brasil com certeza quem sai perdendo é o povo brasileiro. Os ataques que acometeram a professora acerca do movimento, integram uma rede de ódio dissimulada provocada pela extrema-direita no país. 

Confundir “doutrinação ideológica” com a expressividade dos movimentos artísticos e literários é, sem dúvidas, negligenciar sob a ótica educacional as realidades e identidades do povo brasileiro.

O que faz o deputado é violentar de forma abrupta a educação brasileira, com toda sua história e formalização enquanto instituição de construção social. A tentativa de despolitizar as discussões e criar na escola uma indústria de máquinas é uma velha tática da extrema-direita para esvaziar as mentes reflexivas e críticas tão importantes à democracia brasileira. 

Nesse sentido faz valer a ideia de que o papel da escola, no que é preciso contradizer a narrativa do Colégio, precisa ser um lugar de insurgências e de democratização das discussões. A educação é um processo de compreensão social, de entendimento das demandas sociais. 

Aos moldes de Paulo Freire, em suas diferentes atribuições, o pensamento de libertação por meio da educação é fundamental para entendermos a importância da cátedra e da liberdade de ensino. Professores e estudantes precisam entrar nas discussões das mais diferentes realidades sociais e quando a escola cessa tal debate, a educação libertadora não se torna mais uma realidade.

Arthur Wentz e Silva: Estagiário da Revista Xapuri. Capa: Reprodução/Iluminerds 


Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes