Pesquisar
Close this search box.

Sua aura, sua alma

Sua aura, sua alma

Nunca fui de pouca sorte sorte, sempre fui filho de amor;

o Rio que corre de mim é tudo, menos Maravilhoso.

Não quando há falta de você. De sua aura a encantar redenção.

E a mim restou de poema um estorvo, talvez, e…

Ainda assim penso que talvez eu ainda lembre como era amar. Perdão.

Por Reinaldo Bueno Filho

Sua aura, sua alma

a vertigem de tocar os olhares, e, pois, por as mãos em você.

Talvez o toque aveludado de suas costas

que descem e vem cascateando

em minhas mãos asperejando o desejo que jamais tiveram,

não seja este para mim – o toque.

Talvez o sonho, um delírio, desse, ou desse a mim, esse seu corpo,

seja não, não seja para mim, ou sim.

Enchi minhas mãos de sua tez,

encantei meu olhar com seus olhos mansos

de pouco maliciar (e que olhos!).

Seu jeito de sorrir como criança,

dar a si à antagônica austeridade com pouca idade.

É, você o é. Para mim: um conflito encantador.

E quando o poeta poetiza, devo, tal qual um escravo,

de palavras e sonhos, sempre amar paradoxos errantes

(ou acertantes, como preferir você).

Mas, talvez, estivera errado eu mesmo.

Em sonhar, ou em olhar, ou tocar.

Sempre estou, erro como ser humano,

acreditando em um mais Deus e pedindo sempre outro perdoar,

mas, digo – pois, você, e para você, em segredo:

às vezes creio que o perdão seja só figuração

num dicionário pobre e obsoleto de emoções.

Os olhos se encheram mais que para dentro,

salgando a alma boba de encarnado encantado.

Talvez não tenha sua alma se conhecido de mim,

talvez eu não tenha o que vale de cores para sua aura,

seja de sombras, e luz, que fazem as sombras, jamais cores.

Talvez eu seja de fato um ser estranho,

oposto ao que é e certo e regra,

que desencaixado tenta agradar. A você.

Talvez o toque aveludado de suas costas

que descem cascateando em minhas mãos

o desejo áspero e despudorado que jamais tiveram,

não seja esse para você. Também.

Tentei e andei mais que meio caminho,

sem contar passos, sem saber a volta. Sou de estrada.

Vou pela sombra ou pela luz, caminho e busco.

E busco, acho, perco. Peço perdão.

É a sua tez que hipnotiza a poesia.

Faço de abrigo qualquer brisa

que me tome os pulmões de etéreo eterno ar:

e eis que seja feito de mim o que o universo,

sob o cinturão de estrelas que regem mais que a mim;

destino de tudo, sim; que seja assim, qualquer que seja o sim.

Mas que ele seja de mim ou para mim

o que eu jamais pude ser

quando eu enchi a minha mão

e cascateei seu destino em silêncio

com minha saliva áspera de estrada:

auras a amar o sinérgico das almas.

Arranhando com minha barba seu corpo

constelado que eu surdamente pedia amar.

Um universo sei que talvez eu não seja de ali.

Maldito sou eu de tocar, e por todo o contato,

olhar e pela poesia – até por pensar.

Mas, mais, mãos.

Dê a mim antes só mais um afagar,

deslise sua mão em minha pele calejada

e despeça do encanto do tempo o próprio eu

que de mim aqui por você restou,

e todo o resto que já não mais ficou.

Partiu sem dar sequer uma morada ou olhada a mais.

Jamais assim pensei. Ou quis. Contato.

Apontei meu dedo em seu pulsar e apertei como punhal,

voltaram- me cinco ou mais; antes não metáfora fosse.

Para mim eram poéticas realidades.

Nunca fui de pouca sorte sorte, sempre fui filho de amor;

o Rio que corre de mim é tudo, menos Maravilhoso.

Não quando há falta de você. De sua aura a encantar redenção.

E a mim restou de poema um estorvo, talvez, e…

Ainda assim penso que talvez eu ainda lembre como era amar. Perdão.

 

Rio de Janeiro, 26 de Março de 2020.

Reinaldo Filho Vilas Boas Bueno


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

PHOTO 2021 02 03 15 06 15


 E-Book Caminhando na Floresta

Um livro imperdível sobre a experiência do autor na convivência com os seringueiros do Vale do Acre nos tempos de Chico Mendes.

COMPRE AQUI

Capa Caminhando na Floresta 1560x2050 px Amazon 1

 

 

 

COMPARTILHE:

Facebook
Twitter
LinkedIn

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

REVISTA

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados