Supremo virou um verdadeiro fuzuê, aponta Estadão