Pesquisar
Close this search box.

Tupi-Mondé: Desmatamento ilegal recorde em Terras Indígenas

Monitoramento mostra desmate ilegal recorde no Corredor do Tupi-Mondé

Área equivalente a mais de 1,7 mil campos de futebol foi ilegalmente desmatada em Terras Indígenas entre Rondônia e Mato Grosso. Garimpo, pastagens e extração de madeira para venda lideram o ciclo de destruição. Os dados foram extraídos de uma plataforma internacional e gratuita de monitoramento.

Tecnologia de ponta e colaboração coletiva na troca e checagem de informações são a base do aplicativo Global Forest Watch (GFW), concebido pelo World Resources Institute (WRI) para o monitoramento de florestas e emissão de alertas diante de ameaças importantes. A ferramenta funciona em todo o mundo e, no Brasil, tem permitido acompanhar o desmatamento no Corredor Indígena Tupi-Mondé, área de grande pressão, situada entre Rondônia e Mato Grosso.

Imagens de satélite, dados abertos e informações fornecidas pela população local permitem mapear onde o desmate acontece na região, suas causas e agentes. “O ganho dessa metodologia é a precisão conferida pelo olhar de quem está no local. Utilizamos imagens dos satélites Landsat e Sentinel, disponibilizadas pela Agência Especial Europeia (ESA), para fazer um primeiro mapeamento e, em seguida, validamos com as lideranças indígenas locais, que ainda ajudam a identificar quem está desmatando e por quê”, explica Pedro Soares, gerente do Programa de Mudanças Climáticas do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam), que capitaneia a iniciativa, juntamente com a Equipe de Conservação da Amazônia (Ecam), a Gamebey — Associação Metaleirá do Povo Indígena Suruí e a Kanindé — Associação de Defesa Etnoambiental.

As informações coletadas vão subsidiar o Boletim do Desmatamento do Tupi-Mondé, de periodicidade semestral. A primeira edição já está em circulação e analisa dados coletados entre janeiro e julho de 2017.

Nesse período, a região perdeu cerca de 1,2 mil hectares de floresta, o equivalente a mais de 1,7 mil campos de futebol. A destruição segue um ciclo já bem estabelecido. “Primeiro, vêm o corte ilegal de madeira e as atividades mineradoras de ouro ou diamante, que são de grande liquidez. O dinheiro arrecadado subsidia, mais tarde, atividades de pecuária e agricultura. Em alguns territórios, os indígenas participam, frequentemente como mão de obra, como no caso da mineração”, afirma Soares.

De acordo com ele, a perda de floresta no período atingiu as mais altas taxas já registradas na região e, no entanto, há uma ausência crônica de fiscalização. O Corredor Tupi-Mondé possui uma área total de 3,5 milhões de hectares, divididos em sete Territórios Indígenas, que abrigam 6 mil habitantes das etnias Cinta Larga, Zoró, Paiter Surui, Gavião e Arara. Ele está situado no meio do arco do desmatamento da Amazônia e integra um importante corredor florestal de grande biodiversidade.

Foto: EBC

ANOTE AÍ:

Mondé é uma língua indígena do tronco Tupi falando por várias nações indígenas da Amazônia.

Esta matéria nos foi gentilmente cedida pela P&B Comunicação

Pedro Soares está disponível para entrevistas.

Para receber o Boletim do Desmatamento, responda enviando nome, telefone e o e-mail para onde a publicação deve ser enviada.

CONTATOS PARA A IMPRENSA— P&B COMUNICAÇÃO
(11) 9 4970-4040 Suzana Lakatos – suzana@pbcomunica.com.br
(11) 9 8108-7272 Solange A. Barreira – solange@pbcomunica.com.br
www.pbcomunica.com.br
0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 112
REVISTA 109
REVISTA 110
REVISTA 111
REVISTA 108
REVISTA 107
REVISTA 106
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes