Pesquisar
Close this search box.

A luta cíclica contra o preconceito racial

A luta cíclica contra o preconceito racial –

Nos últimos tempos, o racismo recrudesceu no Brasil. Esse comportamento criminoso é cada vez mais comum em nosso país, onde, antes mesmo desse “estímulo recente”, sete em cada dez pessoas assassinadas são negras, conforme a Organização das Nações Unidas (ONU).

Ainda segundo a ONU, na faixa etária de 15 a 29 anos, são cinco vidas perdidas para a violência a cada duas horas. De 2005 a 2015, enquanto a faixa de homicídios por 100 mil habitantes no Brasil teve uma queda de 12% para os não negros, entre os negros houve um aumento de 18,2%.

Nada disso é novidade. O movimento negro vem denunciando há tempos o extermínio da juventude negra. Dados da Anistia Internacional mostram que, dos 30 mil jovens vítimas de homicídios por ano, 77% são negros.

Em que pese a letalidade que se vê nas ruas contra a população negra, a luta antirracista obteve vitórias importantes, como a inclusão no sistema educacional brasileiro da Lei 12.711/12, que determinou a criação de cotas de vagas em universidades públicas para a população negra.

Para assegurar sua maior presença no campo do trabalho foi determinada, também, por meio da Lei 12.990/14, uma cota de 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para as pessoas negras.

Trata-se de ações afirmativas importantes para diminuir as disparidades econômicas, sociais e educacionais entre brancos e negros no Brasil.

Entretanto, há muito a ser feito. Hoje no Brasil menos de 7% das terras reconhecidas como pertencentes a povos remanescentes de quilombos estão regularizadas. Conforme a Agência Brasil, nos últimos 15 anos, 206 áreas quilombolas com cerca de 13 mil famílias foram tituladas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Ocorre que, desde 1988, o Estado brasileiro já reconheceu oficialmente cerca de 3,2 mil comunidades quilombolas. Porém, sem certificação, os territórios que remontam ao período colonial e que serviram de refúgio para negros escravizados ficam inacessíveis para as políticas públicas básicas e se tornam alvo de conflitos.

Sabemos que estamos vivendo um momento político desfavorável para garantir esses e muitos outros direitos. Mas o povo negro não foge à luta. Estamos vigilantes e decididos a defender nossos jovens, sem nunca esquecer a luta de nossos ancestrais.

Iêda Leal de Souza
Vice Presidenta do Sintego
Secretária de Combate ao Racismo da CNTE
Conselheira do Conselho Estadual de Educação – CEE/GO
Coordenadora do Centro de Referência Negra Lélia Gonzales
Coordenadora Nacional do Movimento Negro Unificado – MNU
Vice Presidenta da CUT – Goiás

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 112
REVISTA 109
REVISTA 110
REVISTA 111
REVISTA 108
REVISTA 107
REVISTA 106
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes