LOGO BRANCA XAPURI
Pesquisar
Close this search box.

Brasil: Com Lula e Dilma, referência mundial na proteção das florestas. Com “capitão motoserra”, desmatamento fora de controle

Brasil: Com Lula e Dilma, referência mundial na proteção das florestas. Com “capitão motoserra”, desmatamento fora de controle

Enquanto Lula e Dilma reduziram desmatamento em 82%, em julho de 2019 o autodenominado “capitão motosserra” permitiu o aumento de alarmantes 278% da maior floresta tropical do planeta

Em 2014, o Brasil era reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como um exemplo que o mundo deveria seguir no combate ao desmatamento. A entidade atribuía o resultado ao sucesso das políticas de preservação das florestas na primeira década dos anos 2000, com o governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

“As mudanças na Amazônia brasileira na década passada e sua contribuição para retardar o aquecimento global não têm precedentes”, disse relatório da ONU publicado em julho daquele ano.

Hoje, o país é rechaçado mundialmente pelo avanço do desmatamento incentivado por Jair Bolsonaro (PSL) que se autointitula “capitão da motosserra”. A gravidade da situação é tanta que Alemanha e Noruega suspenderam os repasses para o Fundo da Amazônia – cooperação internacional criada por Lula, em 2008, com o objetivo de proteger a maior floresta tropical do mundo.

 

Ao falar sobre o fim do financiamento nesta segunda-feira (19), o Jornal Nacional mostrou mais uma vez que só pensa em seus interesses corporativos. Na bancada, o âncora fez a errônea comparação entre Lula a Bolsonaro.

“Quando a Alemanha e a Noruega anunciaram a suspensão do envio de recursos para a proteção da floresta amazônica, o presidente Jair Bolsonaro repetiu uma postura que o então presidente Lula adotava quando estrangeiros criticavam a política ambiental do Brasil. Os dois presidentes afirmaram que a Europa destruiu todas as suas florestas e que, por isso, não tem moral para dar conselhos sobre a Amazônia”, disse Bonner.

Existe um abismo que separa os dois. Lula defende a soberania nacional e sempre tratou a defesa do meio ambiente como prioridade. Ele reduziu o desmatamento anual na Amazônia de 27.772 km², em 2004, para 7.000 km² em 2010, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (INPE). Esse legado foi continuado por sua sucessora Dilma Rousseff que, em 2014, reduziu o índice para 5.891 km². Nesse período de dez anos, a queda no desmatamento da floresta foi de 82%.

Bolsonaro, por sua vez, adota uma postura destrutiva contra o patrimônio natural brasileiro. Ele ignora os fatos e incentiva a destruição da floresta. Em julho, o desmatamento na Amazônia registrou um aumento de 278% em relação ao mesmo mês do ano passado, também de acordo com o INPE. Diante dos fatos, Bolsonaro desrespeitou o Instituto – reconhecido mundialmente pela qualidade das pesquisas – e demitiu o então diretor Ricardo Galvão.

O colapso ambiental tem suscitado críticas de lideranças no mundo inteiro, prejudicando o Brasil em diversos aspectos. Um exemplo disso é a suspensão de repasses da Alemanha e da Noruega para o Fundo da Amazônia. Os países entendem que o atual governo descumpre o acordo e, por isso, suspenderam um total de R$ 283 bilhões em recursos da cooperação internacional. Do montante, R$150 mi vinha da Alemanha e R$133 mi da Noruega.

Sobre o fim dos repasses, Bolsonaro disse que a chanceler alemã, Angela Merkel, devia pegar “essa grana” e reflorestar o seu país. Depois, compartilhou um suposto vídeo de “matança das baleias patrocinada pela Noruega”, mas as imagens, na verdade, foram gravadas na Dinamarca.

O cenário, no entanto, não poderia ser diferente. Bolsonaro escolheu como Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que já foi condenado por crime ambiental e sequer havia pisado na Amazônia antes de assumir o cargo. A dupla tem promovido um desmonte completo de todas os instrumentos administrativos que combatem o desmatamento. Um exemplo disso é a extinção do Comitê Orientador do Fundo Amazônia (Cofa) – pivô do fim de repasses para o fundo.

Da Redação Agência PT de Notícias

Block

Salve! Este site é mantido com a venda de nossos produtos. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto em nossa loja solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação de qualquer valor via pix ( contato@xapuri.info). Gratidão!

revista 115
revista 113 e1714507157246
revista 112
Revista 111 jpg
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes