Pesquisar
Close this search box.

Brasil Sorridente se torna política de Estado

Brasil Sorridente é relançado e saúde bucal se torna política de Estado­

Lula sancionou projeto que inclui a Política Nacional de Saúde Bucal na Lei Orgânica da Saúde, o que torna o atendimento odontológico pelo SUS uma política de Estado definitiva

Nesta segunda-feira (8), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou o Projeto de Lei 8.131/2017, que institui a Política Nacional de Saúde Bucal, denominada Brasil Sorridente. Com a medida, a saúde bucal torna-se política de estado ao fazer parte, em definitivo, do campo de atuação do Sistema Único de Saúde (SUS).

O projeto altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para incluir a saúde bucal na Lei Orgânica da Saúde, o que garante o atendimento universal e permanente.

Com a retomada do Brasil Sorridente, Lula dá mais um passo para reestruturar o SUS, sucateado nos últimos anos. Além disso, a medida completa o rol de relançamentos de programas sociais que foram importantes nos dois primeiros governos Lula.

Política de Saúde Bucal

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, anunciou que serão credenciadas de imediato 3.685 novas equipes de saúde bucal e 630 novos serviços e unidades de atendimento. Com isso serão 33,3 mil equipes de saúde bucal. Isso significa mais de 10 milhões de pessoas alcançadas, atendendo um total de 111,6 milhões de brasileiros beneficiados.

O governo espera que até o final de 2026 o número de equipes cresça de 33,3 para 59 mil.

No lançamento, Lula indicou que trabalha com a ministra para que cirurgiões-dentistas e equipes de saúde bucal avaliem crianças nas escolas públicas.

“Eu quero que esse programa garanta que a gente tenha dentista para ir à sala de aula ver todas as crianças de uma escola. Tem que ver se a criança precisa de um tratamento e educar esta criança a partir da escola para que daqui a 20 ou 30 anos as pessoas possam comer o que quiserem, possam sorrir”, disse.

Na sua fala, o presidente também indicou que o Brasil Sorridente é “extraordinário porque recupera a dignidade do ser humano, recupera o orgulho”. Ao dizer que o tempo do mandato é curto para realizar tudo o que deseja, direcionou críticas ao governo Bolsonaro e afirmou que atua para recuperar o que foi atacado, como os recursos para a saúde.

“Tenham consciência que nesse pouco tempo que vamos ter, temos que fazer mais do que nos outros mandatos. A gente tem obrigação de fazer mais, uma parte é recuperar tudo o que foi destruído. Vocês não têm noção de como foram destruídas as coisas que levamos 13 anos para fazer. Eles levaram 4 anos para destruir”, criticou.

Durante a cerimônia estiveram presentes o presidente Federação Interestadual dos Odontologistas, José Carrijo, o deputado Federal, Jorge Solla (PT) e o senador Humberto Costa (PT), responsáveis pela apresentação do PL 8.131 no Congresso. Durante as falas diversas críticas foram feitas aos governos Temer e Bolsonaro, indicados como responsáveis pelo desmonte do SUS e, consequentemente, pela piora dos índices de saúde bucal no Brasil.

Também estiveram presentes o secretário de Atenção Primária do Ministério da Saúde, Nésio Fernandes, e a coordenadora Geral de Saúde Bucal, Doralice Severo da Cruz.

Brasil Sorridente

Criado em 2004, durante o primeiro governo de Lula, o Brasil Sorridente teve fundamental importância para disseminar o atendimento odontológico no país. Na época, a medida representou um grande avanço para o SUS e para a saúde da população. Estima-se que mais de 80 milhões de pessoas receberam atendimentos odontológicos promovidos pelo Brasil Sorridente.

Fonte: Murilo da Silva/Portal Vermelho

Capa: Ministério da Saúde 


Block
revista 115

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes