Pesquisar
Close this search box.

Caminhos para a superação da fome

Caminhos para a superação da fome

Esse texto se coloca como uma convocação para pensar a fome enquanto um problema coletivo, busca dialogar e abrir o debate durante o abril vermelho, dando importância para o tema da Reforma Agrária Popular e superação da fome. O texto procura também apresentar a centralidade da juventude camponesa na construção de uma Reforma Agrária capaz de superar a fome.

Por XEPA

É parte de nossa discussão reconhecer o fenômeno da fome como uma forma de visibilizar o grito de milhões de brasileiros que vivem na incerteza da próxima refeição e sustentar, na defesa da Soberania Alimentar, um projeto oposto ao hegemônico. Para tanto, o texto está dividido em três seções: a primeira aborda os aspectos históricos e estruturais da fome no Brasil, a segunda destaca a importância de uma reforma agrária popular e a terceira seção aborda a necessidade de um programa voltado para a juventude camponesa na superação da fome.

A fome voltou a ser um problema nacional após o golpe político de 2016 e a instauração de uma agenda neoliberal que incluiu a Emenda Constitucional 95, mais conhecida como PEC dos gastos, além da reforma trabalhista, da terceirização, da reforma da previdência, da desindustrialização e de um verdadeiro desmonte do Estado brasileiro. Destacamos o sucateamento do INCRA, que inviabilizou qualquer possibilidade de Reforma Agrária nos últimos seis anos, bem como o fim do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), o que acabou com qualquer política voltada para a agricultura familiar camponesa. Como resultado, o Brasil voltou ao mapa da fome, com mais de 33 milhões de pessoas nessa situação, além da precarização das condições de trabalho, que se agravou com a pandemia da Covid-19, que deixou para trás mais de 600 mil vítimas em uma política genocida.

AA fome é fruto de um fenômeno social e estrutural que atravessa a nossa história como povo brasileiro. A herança colonial do latifúndio, combinada com a monocultura para exportação e somada à raiz escravocrata, é responsável por manter um projeto de fome no Brasil que persiste há séculos. Portanto, é importante demarcar que a fome no Brasil é anterior à crise trazida pelo coronavírus.

A lógica de produção capitalista tem por natureza mercantilizar os processos de vida presentes nas relações humanas e não humanas. Dessa forma, o alimento é mais um produto a circular no mercado sob a lógica do capital, como um valor de troca e não de uso, deixando parte da população desfavorecida e sem acesso, mesmo sendo o alimento um direito inerente à dignidade humana, além da subsistência.

A superação da fome passa fundamentalmente pela superação do latifúndio com a democratização do acesso à terra, por meio de uma Reforma Agrária Popular.

Reforma Agrária Popular para superar a fome

A luta pela terra está intrinsecamente ligada à questão do combate às desigualdades e, por sua vez, ao combate à fome. Enquanto esses importantes atores emergem no cenário nacional, a correlação de forças permanece desfavorável. O agronegócio brasileiro passou por um grande impulso e alavancou seu desenvolvimento nesse período, avançando na ampliação do controle das terras e na monocultura para a exportação, cada vez mais se conformando enquanto um projeto de poder.

Dessa forma, o primeiro caminho para superar a fome passa pela Reforma Agrária Popular. Não existe outro caminho que não seja o de democratização da terra, produção de alimentos saudáveis e trabalho cooperado. A luta pela Reforma Agrária se faz necessária para uma mudança radical na estrutura fundiária brasileira. Terra para quem nela trabalha com distribuição equitativa da terra para a garantia da qualidade de vida dos povos.

A democratização da terra deve ser combinada com políticas públicas que possibilitem a promoção da dignidade para o povo brasileiro, tais como incentivos à produção de alimentos, a defesa dos territórios e, consequentemente, a soberania alimentar. Portanto, a pauta da Reforma Agrária é central para o abastecimento alimentar brasileiro, pois reside nela a capacidade de obstruir as estruturas sociais alicerçadas na concentração de terras e na desigualdade social.

Algumas políticas públicas essenciais para a Reforma Agrária Popular são: o crédito a juros baixos; o fomento à agroindustrialização; o fortalecimento do mercado institucional (PAA e PNAE), para que esses alimentos possam ser oferecidos à população em situação de fome; a garantia de assessoria técnica que tenha como fonte de inspiração a pedagogia Freireana, e, com isso, seja dialógica, comunicativa e emancipadora; a produção de bioinsumos naturais para caminhar em direção à produção agroecológica, longe do uso de venenos; bancos de sementes crioulas, para que os agricultores e agricultoras familiares tenham autonomia sobre suas sementes; cozinhas populares e solidárias nas periferias brasileiras, doando refeições dignas para a população faminta; fomento ao cooperativismo. Só avançaremos no combate à fome quando tivermos relações de trabalho saudáveis, sem exploração do trabalho.

A Reforma Agrária Popular também engloba a dimensão das relações humanas emancipatórias, na qual LGBTQs, quilombolas, mulheres, população negra e jovens sejam sujeitos de direitos, sem a reprodução das violências cometidas pelo machismo, misoginia, LGBTfobia e racismo. Além disso, é importante refletir sobre a permanência da juventude camponesa no campo, já que não é possível pensar em superação da fome e construção de soberania alimentar se a juventude continuar migrando para a cidade. Portanto, é fundamental desenvolver um programa para a juventude do campo, que inclua políticas estruturais e estruturantes. O Plano Nacional de Juventude e Sucessão Rural também deve ser atualizado para atender às necessidades da juventude camponesa nos tempos atuais.

Precisamos de um plano que possibilite na materialidade a superação do latifúndio do saber, com uma educação que seja do campo e no campo, que, de forma contextualizada e que forme e eduque os sentidos da juventude camponesa, levando em consideração sua relação com a terra e com os bens naturais. Políticas que valorizem e fomentem a cultura camponesa também são necessárias, em que a cultura hegemônica não seja a do “agro é pop”. Por fim, é importante que a Reforma Agrária Popular tenha centralidade na juventude e, consequentemente, na produção de alimentos saudáveis.

Neste mês de abril, quando se rememora o golpe civil-militar de 1964, reafirmamos que a defesa da democracia brasileira é central para nós, sobretudo depois dos atos golpistas e fascistas que aconteceram em Brasília no dia 8 de janeiro. Tais atos foram financiados e protagonizados por setores do agronegócio, assim como a participação da burguesia agrária em 1964. Ficou claro, mais uma vez, o caráter golpista, sinônimo de fome e morte do Agro. A juventude brasileira precisa estar em constante processo de mobilização para defender a democracia, cobrar verdade, memória e justiça. Trata-se de assumir uma dimensão política e existencial que deve ser garantida pela luta, indignação, contestação e pela imensa vontade de manter viva a solidariedade e a esperança.

Mas também precisa estar mobilizada para exigir Reforma Agrária Popular, atuando no combate às mudanças climáticas, denunciando o agronegócio e as suas crueldades contra a vida: humana, terrestre, aquática, animal e vegetal. Ao mesmo tempo, precisa plantar árvores, construir sistemas agroflorestais, produzir alimentos saudáveis e torná-los acessíveis ao povo através de feiras agroecológicas, redes de comercialização e do mercado institucional. A juventude camponesa precisa voltar a ter o direito de sonhar com a opção de permanecer no campo. Para isso, terra e pão são indispensáveis para garantir a sua dignidade!

Portanto, a superação da fome e a promoção da dignidade humana passa fundamentalmente pela Reforma Agrária Popular!

Publicado originalmente no Brasil de Fato PB, por Paulo Romário de Lima e Larissa de Padilha Brito.

Fonte: Mídia Ninja. Publicado originalmente no Brasil de Fato PB, por Paulo Romário de Lima e Larissa de Padilha Brito. Foto: Reforma Agrária e Superação da Fome – MST. Este artigo não representa a opinião da Revista e é de responsabilidade do autor.


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes