Pesquisar
Close this search box.

CONFERÊNCIA DISCUTE O DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA.

Conferência em Belém discute o desenvolvimento sustentável da Amazônia

Entre os presentes: prefeito Edmilson Rodrigues; coordenador Nacional da ADJC, Aldo Arantes; presidente da OAB Pará, Eduardo Imbiriba de Castro; ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Delaide Miranda Arantes; a reitora da UNAMA, e outras personalidades

Por Gilmar Xavier/Portal Vermelho

Na tarde desta sexta-feira, 15 de março, a capital Belém do Pará tornou-se o epicentro das discussões sobre o desenvolvimento sustentável da Amazônia. A Universidade da Amazônia (UNAMA), campus Alcindo Cacela, foi o palco escolhido para sediar a Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável da Amazônia, preparatória para a COP-30. Promovida pela Associação de Advogados e Advogadas pela Democracia, Justiça e Cidadania (ADJC), com o apoio da Imprensa Oficial do Estado e a coordenação estadual do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), o evento reuniu diversas autoridades e especialistas.

Entre os participantes estavam o prefeito Edmilson Rodrigues, do PSOL; o coordenador Nacional da ADJC, Aldo Arantes; o presidente da OAB Pará, Eduardo Imbiriba de Castro; a ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Delaide Miranda Arantes; e a reitora da UNAMA, além de outras personalidades.

O prefeito Edmilson Rodrigues destacou a importância do evento como uma oportunidade para dar voz às pessoas que habitam a Amazônia. Segundo ele, “o tema é Amazônia sustentável, o que estamos tratando aqui vai além da Amazônia, é pensar em um processo civilizatório para a humanidade, porque a crise social está totalmente ligada e é indissociável da crise climática, como é indissociável da crise que a democracia enfrentamos hoje, de modo que lutar por justiça social, por respeito à natureza e por democracia faz parte da luta necessária de construção de um futuro justo, solidário e feliz”.’

Aldo Arantes, Coordenador Nacional da ADJC, enfatizou a necessidade de propostas concretas para o desenvolvimento sustentável, combinando aspectos econômicos, sociais e ambientais. Ele ressaltou a presença de representantes do governo, da academia e da sociedade civil para discutir questões cruciais como mudanças climáticas, justiça na Amazônia e direitos humanos.

“Nós nos preparamos para levar propostas concretas que possam ajudar no desenvolvimento sustentável. Quando eu falo em desenvolvimento sustentável, é essa reflexão de combinar o desenvolvimento econômico com o desenvolvimento social. Hoje temos aqui vários representantes do Ministério da Ciência e Tecnologia, do Ministério do Meio Ambiente e várias personalidades da academia para discutir a questão das mudanças climáticas, os diversos caminhos do desenvolvimento sustentável. Vamos discutir o sistema de justiça na Amazônia, a questão da segurança pública, dos direitos humanos. Enfim, acho que vai ser um momento importante que inicia o processo de preparação do povo brasileiro e Amazônida para a COP-30″, destacou o coordenador.

Quem também falou sobre o tema foi a Secretária Nacional de Povos e Comunidades Tradicionais, Edel Moraes. “Acho que a importância é fazer o debate sobre a COP, popularizar a temática, envolver as pessoas para a participação, fazer escuta e fazer a reflexão conjunta. Saber que a Amazônia será palco de um importante encontro internacional, mas também é mostrar que aqui tem pessoas, povos e comunidades, é um território que ainda tem floresta viva, que ainda tem uma diversidade muito grande que carece de atenção, que carece de justiça social e climática”.

O coordenador estadual da ADJC-PA e conselheiro seccional da OAB, João Carlos Batista, destacou que “acreditamos que esse debate é fundamental para que nós criemos uma consciência do que nós queremos para a Amazônia. Este debate deve sair a partir daqui, do seio da Amazônia, da maior coletividade que nós temos dentro da Amazônia legal, que é a região metropolitana de Belém, onde vários problemas serão discutidos, sempre com um viés e um olhar dos direitos humanos, dos direitos sociais, da proteção do meio ambiente, do direito climático, do direito ao meio ambiente equilibrado, da preservação da floresta e do nosso meio ambiente e das nossas riquezas. Por isso, é fundamental nós trazermos para Belém esse debate nacional, com o diálogo com o governo federal e com o governo do estado do Pará”.

O evento contou com uma série de conferências ao longo do dia, abordando temas como o papel do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) no desenvolvimento sustentável, as mudanças climáticas na Amazônia, modelos de desenvolvimento sustentável, entre outros. Destacaram-se também debates sobre a participação dos povos indígenas, comunidades tradicionais e a importância da preservação ambiental para o futuro da região.

Além disso, foi abordado o tema da Amazônia e as mudanças climáticas, onde vários especialistas falaram sobre as questões climáticas que afetam nosso planeta e o nosso dia a dia. O professor Luiz Davidovich falou sobre o aumento de CO2 na atmosfera e destacou o aumento da temperatura. Já o professor Ricardo Galvão, presidente do CNPQ, defendeu a pesquisa e sua valorização na sociedade. Já a Diretora Executiva da Organização do Trabalho de Cooperação Amazônica (OTCA), falou das questões climáticas, abordando os alagamentos, escassez hídricas e os alagamentos. Ela também abordou os temas que a OTCA desenvolve, como o tratado de cooperação amazônica, segundo ela, o objetivo é trabalhar a Amazônia como um todo.

A programação também incluiu o lançamento de dois livros da ADJC, sendo o primeiro “Democracia Ameaçada” e o segundo “Reconstruir a Democracia”. O coordenador, Aldo Arantes, ressaltou a importância da participação da sociedade na construção de um futuro sustentável para a Amazônia e o Brasil. “

O último dia do evento está marcado para sábado, dia 16, com início às 9h com a conferência “Ministério do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia”, coordenada por Edel Moraes, secretária Nacional de Povos e Comunidades Tradicionais. Às 11h, está programada a conferência “Vozes da Amazônia e COP30”.

A mesa será coordenada por Nilson Gabas Junior, diretor do Museu Paraense Emílio Goeldi, com a participação do diretor do Centro de Ciências do Ambiente da UFAM, Eron Bezerra; a secretária dos Povos Indígenas, Puyr Tembé; a professora da UFPA, Zélia Amador de Deus; o presidente da Imprensa Oficial do Pará, Jorge Panzera, além do professor João Cláudio Tupinambá Arroyo, coordenador do mestrado de Direitos Fundamentais.

Logo após, haverá a conferência sobre o Sistema de Justiça na Amazônia (15h) e Segurança Pública e Direitos Humanos na Amazônia (17h), com a participação do presidente do CTB Pará, Cleber Rezende; a professora Ana Maria Magalhães, coordenadora do Grupo de Combate ao Crime Organizado (MPPA); o secretário de Segurança Pública do Pará, Ualame Machado, além de Mário Hesketh, conselheiro da OAB PA.

A Conferência sobre o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia encerrará com uma assembleia e apresentação da Carta da ADJC sobre a Amazônia, às 20h, que será entregue às autoridades para subsidiar a realização da COP de Belém.

Fonte: Portal Vermelho Capa: Divulgação 


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
REVISTA 108
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes

×