Pesquisar
Close this search box.

Conheça a filantech que já redirecionou 850 toneladas de alimentos que seriam descartados no lixo

Conheça a filantech que já redirecionou 850 toneladas de alimentos que seriam descartados no lixo

Na atual conjuntura econômica, com o aumento da desigualdade social, inúmeras soluções e atividades com grande potencial de geração de valor socioambiental ainda permanecem à margem da economia e com atuação bastante elementar.

Por Razão Para Acreditar/Redação

Isso porque as organizações que compõem o terceiro setor dependem de doações como a sua principal forma de alavancar capital. Nessa perspectiva, o grande desafio está em encontrar um fluxo constante de dinheiro que as permitam aumentar seu impacto social, de forma que os financiamentos não conflitem com sua natureza social e filantrópica.

Para que a filantropia cumpra seu papel de resolver problemas reais do mundo, é necessário que ela seja reestruturada, com foco em desenvolver soluções de forma palpável, tecnológica e conectada às tendências de outros setores.

A exemplo do mercado de startups e empreendedorismo, por meio do investimento em tecnologia e inovação, algumas iniciativas já caminham nesse sentido. Conhecidas como techs, em uma infindável lista de setores: as fintechs, healthtechs, govtechs, edtechs e etc, promovem soluções justamente utilizando a tecnologia e novos modelos financeiros.

A profissionalização das atividades filantrópicas pode impulsionar ações sociais que já existem e transformá-las, com um modelo de negócio eficiente e duradouro, tornando esse processo menos paliativo e mais escalável. Dentro desse contexto, surge a Filantech – um movimento iniciado de forma pioneira no Brasil pela Infineat, o primeiro player a repensar essa dinâmica no país.

A startup iniciou sua atuação na gestão de desperdícios para solucionar problemáticas sociais importantes e urgentes, como a fome, trazendo uma nova abordagem de como se construir negócios no terceiro setor: com a mentalidade de crescimento, escalabilidade, tecnologia e sustentabilidade.

Transformação na gestão de desperdícios: ganha-ganha-ganha

Inovando no segmento filantrópico relacionado às doações de alimento, a Infineat propõe uma transformação na gestão de desperdício. A filantech atua com um modelo totalmente novo, a partir da criação de soluções que contemplem todo o cuidado do alimento.

Desde o momento em que ele foi considerado impróprio para venda, onde o caminho natural era o lixo, a startup subverte essa lógica, pois embora não podendo mais ser comercializados, os alimentos ainda estão próprios para o consumo.

Nesse cenário, a Infineat surge fazendo a gestão completa desses produtos (com aparência danificada; que não irão para o ponto de venda; com prazo de validade próximo; ou que por algum motivo seria descartado por não ter mais potencial de comercialização) até a última ponta, a fim de permitir que o alimento produzido cumpra seu papel: alimentar pessoas com dignidade.

A estratégia resolve problemas dos clientes do setor alimentício, que antes descartavam toneladas de produtos por não existir solução socioambientalmente adequada para lidar com o desperdício. Dessa forma, garante-se que o alimento seja utilizado em sua totalidade, trazendo benefícios a todos os envolvidos na cadeia.

A Infineat é uma associação sem fins lucrativos, que recolhe alimentos que seriam descartados, com um custo zero para o doador. Ao mesmo tempo, esses alimentos possuem um valor potencial integral para a entidade, uma vez que senão viessem de doações, para adquiri-los ela teria que comprá-los. Para cada real investido na operação, cerca de 15 reais em valor de produtos são resgatados e entregues às instituições assistidas.

“A nossa atuação é baseada em uma solução completa de doação. Para tanto, altera a logística de descarte de alimentos das empresas, tornando o processo mais organizado, otimizado e com custos reduzidos. Além de oferecer total apoio jurídico (lei 14.016), consultoria e treinamento, também somos responsáveis por gerir a operação diária entre cada cliente e as instituições beneficiadas, auxiliando no redirecionamento dos alimentos e da atuação ESG da empresa”, explica Alexandre Vasserman, CEO da Infineat.

Além disso, a filantech unifica o relacionamento e conexão com ONG’s parceiras que processam e/ou distribuem os alimentos: escolas, asilos, creches, comunidades e afins. “Via plataforma proprietária, absolutamente todos os dados são imputados e analisados, permitindo entendimento do que seria descartado, mas que, agora, é redirecionado a quem mais precisa. Trazemos estudo do impacto sócio-econômico-ambiental da parceria. O verdadeiro ganha-ganha-ganha”, finaliza.

E quem já tem atuado nesse movimento junto à Infineat?

Em 4 anos de atuação, a Infineat firmou parceiras com grandes clientes como Unilever, Coop, e Grupo St. Marche. Como resultado de suas estratégias inovadoras de filantropia, já conseguiu redirecionar 850 toneladas de alimentos, correspondentes a 1,4 milhões de refeições complementadas. Atualmente, são quase 60 toneladas redirecionadas por mês, com crescimento de 12x no último ano. Quando se fala em economia gerada, ao todo já foram R$ 7,7 milhões em valor de produtos.

“O conceito de Filantech surgiu com o propósito de gerar uma revolução no setor filantrópico, reforçando a atuação de causas que já existem e que não conseguem se alavancar, ampliando seu poder de ação e de impacto”, reforça Vasserman.

A Infineat está na vanguarda da implementação desse modelo de negócio no Brasil, com trabalhos voltados para o combate à fome e à gestão de desperdícios, que visam solucionar problemáticas sociais e ambientais. O projeto se mostra como um primeiro passo, do qual muitas outras iniciativas, empresas e setores, podem se beneficiar, sendo possível vislumbrar a sua aplicação em diferentes segmentos e realidades.

Sobre a Infineat

A Infineat é a primeira filantech que nasceu com a missão de erradicar a fome e o desperdício de alimentos. Aliada à tecnologia e inovação, tem realizado trabalhos brilhantes no segmento filantrópico no Brasil, firmando parcerias com grandes clientes nacionais, através da implementação de soluções que garantem uma gestão eficiente de desperdícios. Até o momento, mais de 850 toneladas de alimentos já foram redirecionadas, gerando uma economia de milhões de reais em serviços e produtos.

*Com informações da assessoria de imprensa

Fonte: Razão Para Acreditar/Redação. Foto: Divulgação. Este artigo não representa a opinião da Revista e é de responsabilidade do autor.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 112
REVISTA 109
REVISTA 110
REVISTA 111
REVISTA 108
REVISTA 107
REVISTA 106
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes