Pesquisar
Close this search box.

Cubos de Caldo: o perigo de temperar com veneno os sabores da sua mesa

Cubos de Caldo: o perigo de temperar com veneno os sabores da sua mesa

Por Papo Reto Live

Já percebeu como é impressionante a variedade de sabores que aqueles caldos em tablete têm?
Você pode comprar de carne, galinha, legumes, bacon, picanha, costela…
Cada vez mais, novos sabores vão surgindo e além de deixarem a comida mais gostosa, também atraem pela baixa gordura e calorias.
O problema é que, como se trata de um alimento industrializado, esses caldos vêm com muita química.
Estamos falando de aromatizantes, corantes, realçadores de sabor (como o glutamato monossódico) e a preocupante – e exagerada – quantidade de sódio.
Ou seja: uma verdadeira bomba!

A Organização Mundial da Saúde diz que a quantidade ideal de sal que podemos consumir diariamente é de 5 gramas por dia. Isso é quase 1 colher (chá) cheia. Cada grama de sal contém 400 miligramas de sódio. Sendo assim, a cota diária de sódio deve ser de 2.000 mg por dia.
Deve ter batido a curiosidade para saber quanto de sódio tem em um tablete de caldo desses, não é?
Veja:
– 993 miligramas de sódio, se for caldo de carne
– 1.038 miligramas, se for de frango
– 900 miligramas, se for de legumes
Isso significa que um tablete já tem mais ou menos 50% do que você pode consumir de sal diariamente.
Como ninguém vai passar o dia todo sem consumir sal depois de colocar um caldo desses na sopa, verdura ou legumes, acaba que estoura a cota diária.
Mas os caldos em tablete possuem outra grande ameaça: o glutamato monossódico.
O glutamato monossódico está relacionado à obesidade e à doença de Alzheimer, além de ser altamente tóxico para os neurônios.
substância é um neuro bloqueador do hipotálamo, controlador do apetite, o que faz aumentar a quantidade de comida ingerida. Não por acaso, a obesidade é tão comum nos dias atuais.
E não só nos adultos, nas crianças também, que terminam sendo as principais vítimas dos alimentos industrializados.

Por isso, a solução está em preparar seu próprio caldo em casa.
Aprenda duas receitas simples e bem saborosas: Caldo de ervas:
Espalhe em forminhas de gelo algumas ervas secas, como manjericão, orégano, salsa e elecrim.
Feito isso, adicione azeite de oliva.
Em seguida, leve a forminha ao congelador.
Quando congelar, tire os cubinhos e coloque num saquinho plástico no congelador.
E assim, sempre que precisar, peque um cubinho e tempere sua comida.Há outra receita bem legal, mas com ervas frescas.
Basta bater no liquidificador 1 cebola grande, 2 dentes de alho sem casca, 1 maço pequeno de cebolinha, 1 maço pequeno de salsinha, 1 pimentão sem sementes, 1 colher (sopa) de vinagre branco e 1 pitada de sal.
Tanto o vinagre como o sal atuam como conservantes.
Coloque a mistura na forma de gelo e leve ao congelador.
Ainda tem mais uma, o caldo de legumes: numa panela, coloque 1 litro de água, 2 tomates, 1 alho-poró, 1 cenoura grande, 1 pé de espinafre, 1 maço de cebolinha, 1 maço de salsinha, 1 ramo de alecrim, 1 cebola média, 2 dentes de alho  uma pitada de sal marinho.
Deixe ferver um pouco e, depois que os ingredientes já tiverem cozidos, deixe esfriar.
Depois é só bater no liquidificador e colocar na forminha de gelo, para levar ao congelador.
Block

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você!

IMG 8012
WhatsApp Image 2022 07 01 at 14.54.51 1
5F00E586 66F0 4CD3 BAF5 DBFCEF8B566E
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes