Procura
Fechar esta caixa de pesquisa.

Música É muito coisa de preto!

Música É muito coisa de preto!

de apresentador vira celebração das inestimáveis realizações do povo negro

 Aydano Aydano André Motta

Quis o destino que justo no mês da aflorasse oracismo de William “É coisa de preto” Waack. Mas o jogo virou lindamente. Desde a divulgação do vídeo, a brutalidade foi, como se diz hoje em dia, ressignificada como expressão da potência de um povo e transformada em exaltação da negritude. Então, formou: tem muita, mas muita “coisa de preto” a ser celebrada – e o #Colabora procurou autoridades no assunto, como Flávia Oliveira e Luiz Antonio Simas, para oferecer uma modesta lista de preciosidades que vieram dos negros.

1 – Música é muito coisa de preto! De Cartola a Louis Armstrong, de Pixinguinha a Angelique Kidjo, de Dona Ivone Lara a Cole Porter, de Clementina de Jesus a Nina Simone, boa parte da música do mundo é obra dos negros. De presente:

Angelique Kidjo

:

2-Cartola:

Festa é completamente coisa de preto! O espetáculo único das escolas de samba cariocas, mistura de ritmo e beleza que encanta o mundo, foi inventado pelos negros. Há quase um século, sobrevive a inimigos variados e poderosos, como a grande festa popular brasileira.

5 – Literatura é coisa de preto! O “Dom Casmurro” de Machado de Assis; o “Meio sol amarelo” de Chimamanda Ngozi Adichie, o “Quarto de despejo: Diário de uma favelada”, de Carolina Maria de Jesus; “O triste fim de Policarpo Quaresma”, de Lima Barreto. Só obras-primas.

5 – Poesia é coisa de preto! Entre muitos exemplos, estão os poemas da criação dos 256 odus de Ifá, a sabedoria oracular dos iorubás, ferramenta poderosa para resolução de problemas. Histórias míticas, que oferecem princípios para dirimir conflitos e confusões interpessoais.

6 – Cinema é coisa de preto! De Spike Lee, Antônio Pitanga, Denzel Washington, Ruth de Souza, Halle Berry – que elenco!

7 – Escultura é coisa de preto! Basta ver as magníficas criações em bronze do Igbo Ukwu e as impressionantes máscaras de Ilê Ifé, na atual Nigéria; os inquices dos Congos, os trabalhos em ferro dos Abomei, no Benin (o antigo reino do Daomé); ou as obras primorosas dos artistas da tribo Makonde, na Tanzânia.

8 – Infraestrutura é coisa de preto! No século XIX, os irmãos baianos André e Antônio Rebouças, engenheiros, fizeram o ousado projeto da estrada de ferro entre Curitiba e o porto de Paranaguá. André ficou famoso no Rio ao solucionar o problema do abastecimento de água da então capital. Reconheceu o sobrenome? Sim, eles emprestaram ao Túnel Rebouças, a principal ligação entre as Zonas Norte e Sul da cidade.

9- Ciência é coisa (antiga) de preto! De Imhotep (2655-2600 a.C.) foi um gênio egípicio, chanceler do faraó Djoser, considerado o primeiro médico da história antiga. Ele também era escritor, mago, astrólogo e filósofo.

10 – Ciência continua sendo coisa de preto! De Katherine Johnson, Dorothy Vaughan e Mary Jackson, pioneiras da Nasa que possibilitaram, com seu trabalho, a ida do homem ao espaço.

11 – Esporte é coisa de preto! De Pelé, o atleta do século, a Adhemar Ferreira da Silva, bicampeão olímpico do salto triplo; de Michael Jordan a Usain Bolt; de Rafaela Silva, nossa campeã olímpica de judô, a Isaquias Queiroz, medalhista da canoagem; de Jesse Owens, o americano que desmoralizou o nazismo ao conquistar quatro medalhas de ouro nos Jogos de Berlim, a Abebe Bikila, o etíope filho de um pastor de ovelhas que, correndo descalço, venceu duas maratonas olímpicas. E de Lewis Hamilton, tetracampeão de Fórmula 1.

12 – Liberdade é coisa de preto! A ela, Martin Luther King e Nelson Mandela dedicaram a vida. Como Zumbi, Aqualtune e , guerreiros da liberdade do povo negro no do século XVII, no Quilombo dos Palmares.

13 – Atitude é coisa de preto! A trajetória dos casais Barack e Michelle Obama, nos Estados Unidos (e no mundo), e Lázaro Ramos e Taís Araújo, no Brasil, contribui decisivamente na luta contra a discriminação.

14 – Coragem é coisa de preto! De Rosa Parks, a americana que não cedeu lugar a um branco, no ônibus em 1955, e virou símbolo da luta pelos direitos civis. De Teresa de Benguela, líder que resistiu à escravidão no século XVIII, como rainha do , no atual Mato Grosso.

Edição Xapuri
[smartslider3 slider=29]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA