Pesquisar
Close this search box.

É temporada de caça às bruxas.

É temporada de caça às bruxas. São tempos difíceis para nós mulheres

“A Idade Média voltou e eu não estou apenas do lado das “bruxas”, como sou uma delas”

Por:  Maria Meirelles

São tempos difíceis para nós mulheres. Nesta semana, o deputado do Partido Social Liberal (PSL-RJ), Márcio Labre, defendeu, na Câmara Federal, o veto total de “comércio, a propaganda, a distribuição ou a doação” da pílula do dia seguinte, pílulas de progestágeno (as chamadas ‘minipílulas’), implantes anticoncepcionais e até mesmo do DIU (dispositivo intrauterino).

Na visão masculina, machista e misógina do deputado, que é jornalista, esses métodos são ‘micro abortivos’. De modo que a legislação brasileira deveria proibir o comércio e apreender produtos e, se necessário, interditar os locais de venda.

É a vida imitando a arte. O que deveria ser apenas ficção, da série O Conto de Aia, foi justificada por Labre como proposta de “proteção à saúde da mulher e à vida”.

Não é de se estranhar que, numa sociedade em que somos condenadas pelas roupas que vestimos, cores do batom e esmalte, lugares frequentados, entre tantas outras indagações feitas apenas às mulheres, algo tão esdrúxulo seja sugerido no Parlamento.

Eles reprimem nossas escolhas, hábitos e corpos, nos negam o direito de ir e vir e, por fim, propõem que o sexo para as mulheres seja algo meramente reprodutivo. Isso lhe remete à algum período da história? Exatamente, regredimos à Idade Média!

Entretanto, Márcio Labre não é um lunático, como vi alguns comentando aos risos. Ele é o retrato nu e cru do machismo. É o grito de ordem de uma camada social que teme mulheres revolucionárias, livres e donas de seus corpos. É o reflexo do patriarcado e, antes de tudo, correligionário do presidente do Brasil.

Portanto, é preciso analisar mais a fundo o perigo eminente que representa a atitude adotada pelo parlamentar, que recuou e retirou a PL, após repercussão negativa. Afinal, a ideia tem como base um discurso populista, que ganhou espaço nos últimos anos, elegendo, inclusive, um presidente da República.

Propor que as mulheres sejam impedidas de evitar uma gravidez, negando-nos o orgasmo por prazer, é uma demonstração ilustrativa do cenário político atual, em que a perda de direitos de muitas e muitos é celebrada por uns.

Está aberta a temporada de “caça às bruxas”, se é que algum dia isso foi instinto. A todo momento uma de nós é queimada numa fogueira social, seja por comentários e ameaças misóginas, racistas, homofóbicas, machistas ou por projetos de lei que extirpam conquistas, que levaram décadas e a vida de muitas de nós.

De acordo com a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), 126 mulheres foram mortas em razão de seu gênero no país desde o início do ano, além do registro de 67 tentativas de homicídio. Em 2017, 40% dos casos de feminicídios na América Latina foram registrados no Brasil.

Os discursos de ódio e preconceito, camuflados pela defesa da família tradicional brasileira, aumentam os riscos de morte para mulheres em situação de vulnerabilidade por conta de sua origem étnico-racial, orientação sexual, identidade de gênero, situação de mobilidade humana, que vivem em situação de pobreza, para as mulheres na política, jornalistas e defensoras dos direitos humanos.

Já passou da hora de nos unirmos ainda mais! O que está em voga não são privilégios de A ou B, mas a liberdade de todas nós, que somos obrigadas a conviver com violência diária e contínua, num país em que a cada 12 horas uma mulher é assassinada.

A Idade Média voltou e eu não estou apenas do lado das “bruxas”, como sou uma delas. Ninguém solta a mão de ninguém. Avante, companheiras!

Maria Meirelles terror handmaids 2

ANOTE:

Maria Meirelles é jornalista e feminista.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes