Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.

Hoje eu quero falar de esperança

Hoje eu quero falar de esperança

Esperança – Iêda Leal, coordenadora nacional do Movimento Negro Unificado (MNU) neste texto, ousa falar de esperança e de realizações, principalmente, da vitória de seu povo preto nas eleições de 2020

Por Iêda Leal

Hoje eu quero falar de esperança e de realizações. Quero focar no resultado de um esforço ancestral que foi nada menos que a maior participação de negras e negros na história política brasileira.

Sei muito bem que apenas 18% da verba do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) – também chamado de Fundo Eleitoral – foram destinados às candidaturas a prefeito(a) e vereadores(as) pretas e pardas, e, portanto, que muitos(as) dos(as) nossos(as) não foram contemplados(as) de forma justa, mas vamos continuar acompanhando.

Queremos aqui enaltecer e comemorar os frutos da nossa resistência e confirmar a importância da nossa decisão de chamar a população negra desse País (somos 56% da população brasileira) para colocarmos nossas caras pretas nas Câmaras Municipais e Prefeituras. E exigimos que seja respeitada a regra que prevê que os partidos têm de adotar a proporcionalidade dos recursos do Fundo Eleitoral, primeiro pensando o gênero dos candidatos e depois o critério racial. Trocando em miúdos, o dinheiro deve ser distribuído proporcionalmente entre mulheres negras e brancas e entre os homens negros e brancos.

Mas apesar de todas essas armadilhas, mesmo assim, elegemos representantes para muitas cidades com um perfil de militância em defesa da vida e contra o racismo. Isso confirma que estamos no caminho certo: investir em quem sabe dialogar com a nossa população e que são pessoas muito próximas das nossas lutas e reivindicações ancestrais. As(os) eleitas(os) são representantes dos nossos anseios por justiça para o povo negro.

Nem por um momento perco de vista que negros(as) são apenas 6% dos(as) vereadores(as) do total de eleitos, enquanto brancos(as) foram 53%. Mas eu estou, sim, orgulhosa do nosso avanço.

Esse resultado não veio porque estamos sendo tratados com mais justiça ou igualdade. Muito pelo contrário, o racismo recrudesceu na nossa sociedade e o genocídio mantém a sua sanha sanguinária entre a juventude negra da periferia.

Mas é assim que vai ser: onde tiver racismo, vamos tirá-lo do caminho com muita luta, para garantir nossa visibilidade nos espaços de poder e colocar nossa competência para nos representar nesses locais. Mas estamos vivas e vivos e as vidas negras importam. Principalmente quando ocupamos as tribunas e os plenários de onde sempre fomos apenas meros coadjuvantes na hora de votar. Vamos sim, ampliar nossos lugares de fala!

Parabéns a todos(as) os(as) candidatos(as) negros(as) eleitos(as) e que não percam de vista a importância histórica do nosso protagonismo.

Viva Zumbi! Viva Dandara! Vivam as Marielles que brotam todos os dias pelo nosso País!

WhatsApp Image 2020 12 01 at 10.02.17 1 WhatsApp Image 2020 12 01 at 10.02.17 WhatsApp Image 2020 12 01 at 10.02.18 WhatsApp Image 2020 12 01 at 10.02.20 WhatsApp Image 2020 12 01 at 10.02.21 1 WhatsApp Image 2020 12 01 at 10.02.21 WhatsApp Image 2020 12 01 at 10.02.22 WhatsApp Image 2020 12 01 at 10.02.24 WhatsApp Image 2020 12 01 at 11.50.16 

WhatsApp Image 2020 12 01 at 12.29.03 3

WhatsApp Image 2020 12 01 at 12.29.03 1 WhatsApp Image 2020 12 01 at 12.29.03 2

ieda111Iêda Leal – Coordenadora Nacional do

 

 

 

 

 

 

 

MNU. Tesoureira do SINTEGO. Manifesto lançado pelo MNU em 21 de março de 2020

[smartslider3 slider=25]

<

p style=”text-align: justify;”> 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA