Fotos: Mídia NINJA

Lideranças indígenas comemoram confirmação do Ministério dos Povos Originários

Lideranças indígenas comemoram confirmação do Ministério dos Povos Originários

Portaria que cria grupo para discutir pautas dos povos originários foi assinada por Alckmin, nomeado no Diário Oficial da União (DOU)…

Por Mauro Utida/via Mídia Ninja

Entre os 31 grupos temáticos que vão atuar nos próximos meses no preparo do novo governo, o grupo “Povos Originários” foi confirmado nesta terça-feira (8) através de publicação no Diário Oficial da União (DOU) pelo vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB), coordenador da equipe de transição de governo.

Diante da sinalização, liderenças indígenas, como a recém-eleita deputada federal Sônia Guajajara (PSOL-SP), já dão como certa a formalização do novo ministério proposto por Lula durante a campanha e citado em seu discurso, em São Paulo, após o pleito no dia 30 de outubro.

Em publicação, Sônia declarou que as lideranças indígenas esperam “poder participar da transição e discutir a missão, formato, estrutura e força para definir quem assumirá como ministro ou ministra”.

 

 

 

 

 

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) também comemorou e cobrou participação do movimento indígena nas “discussões que definiram a estrutura deste novo espaço para o fortalecimento dos nossos direitos”.

 

 

 

 

 

Célia Xakriabá, que também faz parte da ‘bancada do cocar’ no Congresso Nacional comemorou a oficialização da criação do Ministério dos Povos Originários. “Lula cumpre sua promessa com os nossos povos e com o planeta. É um marco histórico na nossa luta por voz e direitos. Vai ter indígena em Brasília sim”, escreveu a deputada federal eleita pelo PSOL de Minas Gerais.

 

 

 

 

 

Marco temporal

Antes de viajar para o seu primeiro compromisso internacional na cidade Sharm el-Sheikh, no Egito, que sedia a COP27 – conferência anual do clima da Organização das Nações Unidas (ONU), o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) terá uma agenda em Brasília com as principais lideranças políticas do país e os chefes de poderes.

O petista deve se reunir com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Rosa Weber. A magistrada define as pautas de julgamento centrais para a construção da governabilidade da nova gestão, como as ações que pedem o fim do orçamento secreto.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Além desta pauta, Rosa manteve sob sua relatoria a ação que trata do marco temporal para demarcações de terras indígenas; assunto estratégico para o novo governo Lula.

Em setembro, Rosa prometeu a um grupo de indígenas que incluiria o julgamento desse caso no cronograma de votações do ano que vem. As discussões sobre o tema foram adiadas repetidas vezes durante a presidência de Luiz Fux por causa dos ataques de Bolsonaro e seus apoiadores à Corte. O presidente chegou a dizer que não cumpriria eventual decisão dos ministros que fosse contrária à existência do marco temporal.

O chamado marco temporal defende que os povos aldeados só podem ocupar as terras reconhecidas e demarcadas na data da aprovação da Constituição, em outubro de 1988. Coletivos e grupamentos indígenas apoiaram maciçamente a campanha do PT.

Além disso, o tema é central para a nova política de desenvolvimento sustentável que Lula tenta construir, pois, uma vez reconhecida a existência do marco temporal, áreas hoje sob controle indígena passariam a ser geridas pela União e por entes privados, o que pode representar uma nova escalada do desmatamento e garimpo ilegal.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora