Pesquisar
Close this search box.

Luiz Marques: Vida, trabalho e dignidade

Luiz Marques: Vida, trabalho e dignidade

Em Uma breve história da igualdade, Thomas Piketty revela: “Até o início do século XX não existia uma classe média, no sentido de que os 40% compreendidos entre os 50% mais pobres e os 10% mais ricos eram quase tão pobres (em termos de participação na propriedade total) quanto os 50% mais pobres. 

Por Luiz Marques/Fundação Perseu Abramo

Em contrapartida, no fim do século XX e no início do século XXI, a classe média patrimonial é constituída por pessoas que não são imensamente ricas, mas estão longe de ser pobres”. Descontado o eurocentrismo, temos o “tipo ideal” weberiano para outras realidades. Aqui, interessa o olhar do clínico geral e não o dos especialistas sobre a doença em um país, em especial.

Crise da civilização

Após a década de 1980, a middle class genérica é jogada mais para o fundo do poço nos países ocidentais. Os filhos acumulam menos bens materiais do que os pais, outrora. Por sua vez, a ideologia meritocrática é desacreditada. Ademais, ao persuadir vencedores a considerarem que o sucesso deles é produto de suas ações e, derrotados, de que os de cima encaram os de baixo com desdém, bloqueia a possibilidade de conciliação de classes. Isso ajuda a explicar por que os deixados para trás pela globalização ficam ressentidos e por que se sentem atraídos por populistas autoritários. Eis aí o retrato das camadas intermediárias do sistema capitalista, em nossa época.

A desindustrialização e a precarização dos empregos recriam a barbárie estrutural no contexto das inovações cibernéticas. De um lado, o retrocesso espalha o fascismo social; de outro, capilariza o fascismo político. Em 26 dos 27 Legislativos das nações da União Europeia, a extrema direita tem cadeiras. Na Hungria, Polônia e Itália (terceira economia, atrás da Alemanha e França) já assumiu o poder. Hoje o espectro que ronda o velho continente é o avesso do especulado pela utopia socialista.

Está em curso uma crise da civilização, com a erosão da democracia. Um fenômeno que desperta para a necessidade da resiliência primordial e também irrefreada, para escapar ao pó. A concepção schmittiana separa a política em “amigos” vs “inimigos” no âmbito nacional, e redesenha a divisão internacional do trabalho. Fixar-se no agro (latifúndio, monocultura, exportação) era o que queria o atraso, no Brasil. Dizer que o parto da multipolaridade passa pela guerra nuclear não é um absurdo.

A política apresenta-se em exposições públicas com clichês rancorosos. Os valores do Iluminismo – a razão, a liberdade, a laicidade, a ciência, o lema “ouse conhecer” – são trocados por dogmas. O cansaço com os princípios fundadores da modernidade conduz a humanidade à autodestruição e o planeta à hecatombe climática. A soberania do povo e a participação social vão para o índex.

Vale lembrar o discurso de Javier Milei ao tomar posse na Argentina. “A curto prazo, a situação vai piorar”. Óbvio. Ministérios do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; Trabalho; Cultura; Mulheres, Gênero e Diversidade que atendiam demandas modernas indispensáveis são extintos. O empobrecimento dos setores médios e a miserabilidade dos desalentados aprofundam os medos e a insegurança. Ouvem-se os sinais da monumental recessão. O país de Jorge Luis Borges se deixou agrilhoar por um palhaço sociopata, com o tango do anarcocapitalismo. “Viva la libertad, carajo”.

O populismo direitista usa “fatos alternativos”, como o espírito de um cão morto, para atrair os eleitores em ambientes de degradação ética e cognitiva – atacando as instituições, per se, além dos direitos sociais. “Sua força popular depende não da evidência, mas do sentimento; a essência da cultura da pós-verdade”, na reflexão de Matthew D’Ancona, em Pós-verdade: A nova guerra contra os fatos em tempos de fake news. O sentimento é, em simultâneo, de confusão cerebrina e absoluta falta de consciência sobre a identidade dos responsáveis pelo caos. A “verdade objetiva” se esvai no ralo da demagogia. A guerra de todos contra todos mostra o fracasso do modelo social hegemônico.

Unificar demandas

A alteridade assume ares hostis. A coletividade é pulverizada, torna-se um simulacro. O excedente de imaginário abastece as pulsões necropolíticas (a uberização da vida) e o colapso civilizacional. Antes, as vitrines do comércio funcionavam como ponto de fuga; agora, com o Big Data viraram uma clausura. Com a dinâmica da inteligência artificial (machine learning) persegue-se os moinhos da cidadania – o feminismo, o antirracismo, a anti-homofobia, o ambientalismo, a esquerda. Em lugar da emancipação coletiva revolucionária, a salvação pessoal pela Teologia da Prosperidade. O hiperindividualismo sintetizado na imagem do Lobo de Wall Street é reproduzido nas periferias.

No pano de fundo do cenário está a financeirização do Estado e da sociedade. A noção do demos (povo) é desconstruída. A representação se desvanece (“Não me representa”). A lealdade se dissipa (“Partidos são iguais”). As redes digitais se transfiguram na publicidade golpista da Festa da Selma. O tecido sociopolítico é esgaçado. A ignorância é monetizada por rastaqueras saídos do esgoto em boeiros do mapa-múndi, com uma verborragia totalitária sobre a moral e os costumes. Que fazer?

A tarefa dos progressistas é defender a bandeira do igualitarismo e da cooperação mútua. No livro Forjando a democracia – o título remete a Hefesto, “Deus da Forja” (tecnologia, metalurgia, armas, fogo) na antiga Atenas – o autor Geoff Eley ressalta: “A democracia sempre foi uma fronteira em movimento, cujas projeções idealistas irrealizadas foram tão importantes quanto ganhos efetivos”. As derrotas plantam sementes onde amanhã nascem punhos fechados, no asfalto. A vitória épica de Lula e da esquerda unida no Brasil trouxe de volta a esperança ao coração dos desesperançados.

Se as disputas parlamentares importam, mais decisivo é o que floresce nas relações sociopolíticas. A mediação das massas na esfera pública é crucial. Humilhados e ofendidos precisam se reconhecer em um fórum interclassista, sob uma palavra de ordem abrangente: “Vida, Trabalho e Dignidade”:

* Vida, porque o capitalismo não assegura a sobrevivência dos humanos ou qualquer espécie;

Trabalho, porque é a base de um sistema que precariza o labor com a gramática neoliberal e;

Dignidade, porque engloba as aspirações do conjunto de todas articulações transformadoras.

A unificação das demandas é a chave do futuro. A questão organizativa condensa a possibilidade da edificação contra-hegemônica. Salve Lenin. A polarização provocada pelo movimento pró-fascismo se nutre da valorização do privado e desvalorização do público. Se a privatização da existência é a essência da alienação dos indivíduos; a privatização dos espaços urbanos é a barreira erguida contra a perspectiva de convivialidade na diversidade das urbes. Sem as lutas pela equanimidade e o bloco na rua, seguimos reféns do ressentimento e do ódio sob o neoliberalismo selvagem das finanças.

O sonho não morreu

O pior é que não podemos buscar consolo na ideia de que se trata de uma circunstância excepcional, quando o Estado de exceção parece configurar a nova normalidade. Conforme sublinha Freud, em Considerações atuais sobre a guerra e a morte, o belicismo não cessará “enquanto os povos [e as classes sociais, acrescente-se, con permiso] viverem em condições tão diferentes, enquanto divergirem de tal modo no valor que atribuem à vida individual e enquanto os ódios que os dividem representarem forças psíquicas tão intensas”. Até lá, a besta humana desse período de decadência imperialista gozará com os escombros palestinos na Faixa de Gaza, na reprodução metonímica de Guernica. Nosso desafio é desconstruir a história da desigualdade no mundo. O sonho não morreu.

Luiz Marques é Docente de Ciência Política na UFRGS, ex-Secretário de Estado de Cultura do Rio Grande do Sul

Fonte: Fundação Perseu Abramo Capa: Wikimedia Cummons


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
REVISTA 108
REVISTA 107
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes