Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.

Ministro do Meio Ambiente provoca profunda inquietação e incertezas quanto aos rumos da política ambiental do Brasil

Ministro do Meio Ambiente provoca profunda inquietação e incertezas quanto aos rumos da política ambiental do Brasil

Por: Juliana Ferreira Simões

O Ministro de Meio Ambiente, Ricardo Salles, participou ontem – 27 de março de 2019 – de audiência na Comissão de Meio ambiente do Senado. A pauta era a apresentação do planejamento das ações do Ministério para o período 2019-2023. Durante três horas de audiência Ricardo Salles dedicou-se a defender como prioridade do Ministério do Meio Ambiente: a agenda ambiental urbana, focada nos problemas dos grandes centros, como a qualidade do ar, saneamento e gestão de resíduos sólidos.

Era como um mantra. A cada resposta aos questionamentos dos Senadores, ele repetia como prioridade número um: a qualidade do ar, o saneamento e a gestão de resíduos sólidos. E de onde virão os recursos para tais investimentos? Questionado, Salles apresentou como solução aprimorar a gestão tecnológica e metodológica. Com o orçamento engessado, fala da possibilidade de uso de recursos internacionais, já existentes no MMA, cujas rubricas são mais flexíveis.

Esperava-se que um Ministro de Estado de Meio Ambiente apresentasse um planejamento mais amplo e estratégico para Brasil, com ações concretas para a proteção das florestas, da fauna, das águas e da biodiversidade; de combate ao desmatamento e outras relacionadas às mudanças do clima.  Mas não foi o que ouvimos, lamentavelmente.  Nada contra, mas nem para estas prioridades ele apresentou o orçamento e disse concretamente de onde virão os recursos. Na realidade, não respondeu nada em concreto.

não respondeu nada em concreto

Também não falou sobre o ambiente rural. Local onde nascem os rios que abastecem de água as cidades e onde são produzidos os alimentos fundamentais para a segurança alimentar de toda a população brasileira. Salles não demonstrou preocupação com uso indiscriminado de agrotóxicos no Brasil e nem mesmo com a liberação do sulfloxaflor, produto químico inédito no Brasil e proibido nos Estados Unidos por possível prejuízo às abelhas.

O Ministro do Meio Ambiente esqueceu de falar do uso e da conservação da biodiversidade e da importância de protegê-la e conservá-la para esta e para as próximas gerações. Salles não respondeu à questão de mineração em terra indígena, inquietação trazida pelo Senador Fabiano Contarato, presidente da Comissão de Meio Ambiente do Senado.

Também não falou dos índios, dos quilombolas e das comunidades tradicionais, verdadeiros guardiões da floresta, que protegem, usam e conservam a biodiversidade por nós e para todos nós. Não falou das águas e da recuperação das nascentes, mesmo diante da crise hídrica de abastecimento que assolou a população de várias cidades e da situação dramática da degradação das nossas bacias hidrográficas. Não elencou a redução do desmatamento na Amazônia como uma de suas prioridades.

Questionado sobre as mudanças climáticas, Ricardo Salles disse que acredita em mudanças do clima. Mas não está preocupado com a origem dessas mudanças, não sendo essa uma prioridade para o Ministério do Meio Ambiente e condicionou a contribuição do Brasil ao combate ao aquecimento global à existência de financiamento externo.

condicionou a contribuição do Brasil ao combate ao aquecimento global à existência de financiamento externo.

Sobre o desmatamento, o Ministro falou em investir no monitoramento realizado pelo Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia-CENSIPAM. Contudo ele esqueceu de falar que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais-INPE/MCTIC possui os sistemas mais avançados do mundo de monitoramento, por satélites, de florestas tropicais, reconhecido pelos principais fóruns científicos internacionais. Falou, como se novidade fosse, que vai divulgar mensalmente os dados do Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real-DETER, quando seria possível ter esses dados divulgados em tempo real já que o INPE repassa diariamente ao IBAMA esses dados.

O Ministro esqueceu de falar que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais-INPE/MCTIC possui os sistemas mais avançados do mundo de monitoramento, por satélites, de florestas tropicais, reconhecido pelos principais fóruns científicos internacionais.

Falou das unidades de conservação, mas apenas do ponto de vista da concessão à iniciativa privada. Voltou a desqualificar a gestão do BNDES sobre o Fundo Amazônia, alegando falta de objetivo nos projetos, metas e resultados mensuráveis. Curioso que o Fundo Amazônia é uma referência internacional de transparência e eficiência na gestão e resultados alcançados, o que dá segurança para que os países escolham o Brasil para as suas doações.

O Ministro equivocou-se sobre a Conversão de Multas, ao dizer que não existem recursos comprometidos pelas empresas para a conversão indiretas de multas e que não há projetos aprovados no IBAMA para a recuperação da Bacia do São Francisco, quando foi divulgado e comemorado pelo Governo passado a adesão das empresas à conversão de multas e publicado no Diário Oficial da União o resultado dos projetos selecionados pelo primeiro chamamento público realizado pelo IBAMA.

O Velho Chico, o Rio da Integração Nacional, tão devastado, segue seu curso cada vez mais lento e frustrado diante de mais uma promessa interrompida.  A descontinuidade de políticas públicas no MMA, a ausência de clareza, objetividade e embasamento técnico das propostas agora apresentadas e a interrupção de iniciativas em curso, provocam profunda inquietação e incertezas quanto aos rumos da política ambiental do Brasil.


 

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

[smartslider3 slider=”16″]
[smartslider3 slider=”20″]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

REVISTA

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados