Pesquisar
Close this search box.

Mucura: alimento exótico nas comunidades da Amazônia

Mucura: alimento exótico nas comunidades da Amazônia

Javali, faisão, coelho e rã. Sabe o que esses animais têm em comum? Eles são utilizados por chefs de cozinha devido a suas carnes exóticas. Na Amazônia também existem animais exóticos que fazem parte do cardápio dos povos indígenas e comunidades tradicionais. No Pará, por exemplo, em uma comunidade ribeirinha localizada no município de Abaetetuba, o consumo da carne de mucuraé algo comum.

A mucura, também conhecida em parte do país como gambá, é lembrada pelo líquido mal cheiroso produzido por suas glândulas axilares usado como arma de defesa. Se alimenta de roedores, aves de pequeno porte, rãs, lagartos, insetos e frutos. Em diversas comunidades amazônicas, a caça deste animal é feita para fins de alimentação e uso medicinal.

 
Foto: Divulgação
 

De acordo com o professor da Universidade Federal do Pará (UFPA), Flávio Bezerra Barros, a mucura é um alimento apreciado em diversas localidades e, apesar do aspecto “feio” do animal, “possui um sabor delicioso, parecido com o de uma galinha”. Normalmente, a carne é guisada com bastante tempero e molho.

Preparo delicado

Nos últimos anos, Flávio apresentou dois artigos sobre a utilização da mucura como alimento nas comunidades do Pará. Durante as entrevistas, ele descobriu a maneira que os ribeirinhos preparam o animal: o primeiro passo, após o abate, é ferver o animal em água quente para limpar os pelos.

Em seguida, é realizada a remoção das vísceras do animal. O momento de cuidado fica para a retirada das glândulas que produzem a “catinga”, encontradas nas axilas da mucura. Ao Portal Amazônia, o pesquisador afirmou que não é qualquer pessoa que consegue “tratar” uma mucura. “Ela possui uma glândula que é responsável pelo seu odor característico, por esse motivo, não é fácil preparar a carne da mucura para o consumo. Quem trata a carne deve conhecer todas as técnicas para retirar o pitiú”, explicou.

Mucura guizada. Foto: Reprodução/Flávio Bezerra Barros
O limão é usado para retirar o ‘pitiú’ do sangue e a carne pode ser temperada a gosto. Até mesmo a gordura da mucura é utilizada para a produção de medicamentos.
Por se tratar de uma carne de caça, a mucura não pode ser comercializada em feiras, sendo usada apenas para o consumo próprio. Porém, é comum encontrar nos comércios das pequenas cidades, como destaca o professor: “Uma vez eu encontrei uma mucura grande que custava R$ 40. Geralmente os ribeirinhos chegam das comunidades rurais para comercializar o animal, alguns, inclusive, chegam a criá-los em cativeiro para engordá-los”, processo conhecido como ceva.
Amazônidas usam a carne de mucura para se alimentar. Foto: Reprodução/Flávio Bezerra Barros
 

Cultura regional

Na Amazônia, a maioria das receitas e pratos são heranças culturais. Enquanto para alguns o consumo da carne de mucura pareça repulsivo, para outras pessoas significa a sobrevivência. “Na China, eles consomem bichos inimagináveis pra gente, o que pode chocar muitas pessoas, entretanto, é algo cultural. Na Amazônia é a mesma coisa, as pessoas não consomem apenas a mucura, mas comem também cobra, jabuti, macaco, formiga e outros animais. São heranças culturais”, frisou o pesquisador.

Confira o passo a passo do preparo da carne de mucura:

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes