Pesquisar
Close this search box.

Muito além do atendimento bancário

Muito além do atendimento bancário

Principal operador das políticas públicas sociais, a Caixa Econômica Federal está presente na vida dos brasileiros desde a água encanada e tratamento de esgoto das cidades ao sonho da casa própria e da vida digna por meio do Bolsa Família.

Por Sergio Takemoto/Caixa Econômica Federal

Em 162 anos de existência da Caixa, essa atuação fundamental para o país se deve ao trabalho dos mais de 80 mil empregados do banco público. O desempenho desses profissionais ao longo dos anos construiu o papel social que a Caixa ostenta de forma tão brilhante.

Para além da atuação bancária, está no DNA dos empregados da Caixa a atuação social – seja ela por meio dos programas sociais que a Caixa opera, seja pelo movimento associativo. 

E foi assim que surgiu a campanha SOS Yanomami – da solidariedade dos empregados da Caixa. Promovida pela Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), em parceria com a Associações do Pessoal da Caixa (Apcefs) e a Moradia e Cidadania, a campanha lançada em janeiro arrecadou mais de R$ 106 mil em um mês, com mais de 900 empregados Caixa doadores.

A crise Yanomami explodiu como um genocídio. A facilitação de atividades garimpeiras na região, pelo governo de Jair Bolsonaro, levou a morte aos indígenas. Cerca de 570 crianças de até cinco anos morreram de desnutrição e malária – quadros evitáveis se houvesse uma atuação do Estado que priorizasse o social e o humano. 

Os casos, denunciados por parlamentares e entidades que atuam na região, foram deixados de lado pelo governo Bolsonaro, e a atividade garimpeira ilegal invadiu os territórios em velocidade alarmante. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), 53% das crianças estão desnutridas, há registros de 44 mil casos de malária em menos de dois anos. 

Frente à tragédia, o governo de Luiz Inácio Lula da Silva decretou situação de emergência na região, algo que já deveria ter sido feito há tempos pela gestão anterior, selando a omissão no caso. Foi nesse cenário que os empregados da Caixa se posicionaram e iniciaram uma campanha para socorrer os indígenas. Lançada em janeiro de 2023, a campanha mobilizou empregados de todo o Brasil. 

O valor arrecadado pelos trabalhadores da Caixa foi usado para amparar as etnias indígenas que estão sofrendo com a crise em Roraima. A campanha ainda reuniu cestas básicas e diversos equipamentos de saúde que foram doados para a Casa de Apoio ao Indígena em Boa Vista, Roraima.  

Participar da entrega dos itens arrecadados foi fundamental para ver de perto a situação dos indígenas naquele estado. Os empregados Caixa que estiveram no encontro viveram um momento único. Pudemos presenciar o quanto cada ajuda dos empregados da Caixa vai fazer a diferença na vida dos indígenas.

Foi sabendo da força dos empregados da Caixa que o governo federal convocou os trabalhadores para auxiliar na crise humanitária. A pedido da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), a parceria entre o banco público e o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome (MDS) instalou duas agências do banco e uma Casa Lotérica para atendimento especializado aos indígenas nos estados. O trabalho foi chamado de Missão Caixa-Povos Indígenas.

Uma das trabalhadoras, que está atuando neste atendimento, é a bancária Ivanildes Pereira da Costa. Empregada Caixa há 17 anos, ela revelou que a motivação em se inscrever para o trabalho foi a oportunidade de atender comunidades carentes, poder levar informação e atendimento de qualidade a quem anseia por isso. 

Nesta campanha, os empregados da Caixa demonstraram a união da classe trabalhadora, da mobilização coletiva, na busca de uma vida digna para todos. Defender os direitos dos povos originários e comunidades tradicionais também é lutar pela cidadania e por um país democrático.

Muito mais que bancários, os empregados da Caixa são a ponte entre as políticas públicas e a população. É deles a missão de atender a população da melhor forma possível e mostrar todas as possibilidades de um aumento de renda ao sonho da casa própria ou do ensino superior. 

Atender a população Yanomami, mais que um dever do empregado Caixa, é uma missão que todos fazem com muito orgulho. Levar a Caixa para um povo que já sofreu tanto é levar cidadania para aqueles que mais precisam.

 

Sergio Takemoto – Presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae).  Todas as fotos cedidas pela Fenae. 

 


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários