Pesquisar
Close this search box.

Na Posse do Jabuti, Cantando em Tom Maior

Na Posse do Jabuti, Cantando em Tom Maior

Por José Bessa Freire

Vai ter que amar a liberdade/

Só vai cantar em tom maior.

Vai ter a felicidade/

De ver um Brasil melhor.

 

Martinho de Vila – Tom Maior – 1968.

Rei morto, rei posto. Chega, enfim, o dia tão esperado em que o Jabuti toma posse como “Cuidador da Floresta”, com a realização de um festival de cantoria dos pássaros que foram silenciados no reinado da Onça, agora destronada. Apoiada pelo Grupo Sentinelas de Igarapé, a Onça se fingiu de morta para envenenar a festa. Essa é a história que vai aqui contada. Foi assim.

Inconformada com sua derrota, a Onça Biroliro acampou seus seguidores à beira do Igarapé da Caserna, que ficou infestado de jacarés e piranhas com os dentes engatilhados, poraquês de dois metros que torturavam com choque elétrico e o pequeno candiru que – dizem – invade a uretra humana.

A Onça sanguinária bolou o plano do silêncio para dar o golpe. Ordenou à Raposa Biro-Lira:

– Avise à floresta inteira que eu fui esfaqueada e morri. Convide todos os bichos para o funeral. Vou me fingir de morta aqui na beira do igarapé, talkey?onca e jabuti

Quando o Jabuti-Piranga da Selva chegar perto, dou um bote e o estraçalho. Enquanto isso, os amigos da Onça acampados no igarapé, depois de tocarem o terror, me entronizam outra vez como “Rei da Floresta”.

Dito e feito. Se colar, colou.

O VELÓRIO

– A Onça morreu! A Onça morreu! Estão todos convidados para as exéquias. No velório tem bolacha, cachaça, cafezinho e muita regalia secreta – gritava a Raposa Biro-Lira, com um megafone na mão, arreganhando os dentes.   

Os animais, que se aproximavam do falso cadáver, lubrificavam os olhos com lágrimas de crocodilo. Destoando, o Pato vinha cantando alegremente “kuen kuen”, mas Paca, Tatu, Cotia não. Atrás deles, Cavalo, Burro e Jumento, que não era o grande malandro da praça. Macaco, Gato Maracajá. Anta, Jararaca, Sucuriju e outras cobras desfilavam no meio do gado que mugia. Junto a eles Coelho, Porco, Bode e a dócil Ovelha.

Na fila dos pêsames, Lobo-Guará, Sapo, Marreco de Maringá, Caititu, Tamanduá, no cabelo e dinheiro na caixinha 2. Vieram bichos de outras florestas: Leão, Urso, Elefante, Girafa, Hipopótamo, Rinoceronte, Canguru e Zebra.

A Onça, que nem seu Souza. Com a respiração presa, as canelas esticadas e o olho de peixe de geladeira, esperava imóvel a chegada do Jabuti, que na verdade era um Cágado de sorte. Astuto, cheio de artimanhas, o sofrimento lhe deu sabedoria. Ele olhou de longe.

– Pode se aproximar, compadre – disse a Raposa.

Desconfiado, o Jabuti preferiu manter a distância:  

– Ela está morta?

– Mortinha da silva – mentiu a Raposa Biro-Lira.

– Ela já peidou e arrotou? – perguntou o Jabuti em alta voz.

– E precisa?  – retrucou a Raposa.

– Claro. Meu avô morreu na semana passada, e a Coruja só assinou o atestado de óbito depois que ele deu três peidos e três arrotos.

A Onça Biroliro ouviu tudo e, com a inteligência, a delicadeza e o recato que a caracterizam, trovejou e eructou três vezes com grande estrondo.

– Morto não arrota, nem bufa – sentenciou o Jabuti, que se picou. Na verdade, “deu às de vila-diogo”, conhecedor que era da vida misteriosa das expressões usadas na beira do rio Tejo. Saiu dali para subir a rampa. Se o golpe colasse, colava. Não colou. A Onça, que se gabava de ser imbrochável, brochou.

A FESTANÇA

Vai daí que, desmontado o golpe, a Onça mal-amada fugiu com sua familícia para “Me Ame”, na terra florida, onde foi lavar seu sujo tcherembó no Blue Lagoon, com despesas de viagem e hospedagem pagas pela bicharada. Decepcionada por não haver ninguém para recebê-la no cercadinho, lamentou:

– “As aves que gorjeiam aqui em ‘Me Ame’, não gorjeiam como lá na Floresta”. Efetivamente, “a bandeira de ‘Me Ame’ nunca será verde-amarela”, constataram os amigos da onça, abandonados, que não puderam segui-la e ficaram a ver navios e emas no lago Paranoá.FlTf6u4XwAAknXz

O Jabuti, já com a faixa de “Cuidador da Floresta”, organizou uma festança de arromba no chamado Festival do Futuro. Foram montados dois palcos à beira do lago, cada um com o nome de passarinhas sem asa: ‘Mingal’ e ‘Trinado do Fim do Mundo’, que costumavam “cantar como um passarinho / de manhã cedinho / lá no galho do arvoredo / na beira do rio”.  

Posto que uma andorinha sozinha não faz verão, o Jabuti a todo mundo deu psiu psiu, psiu e convidou mais de 60 pássaros para cantarem a alegria. O Sabiá que andava pelo mundo e que tanto já voou, atendeu ao psiu psiu psiu e veio aliviar a nossa dor. Lá na gaiola, fez um buraquinho, voou, voou, voou, fugiu do terreiro e foi cantar no abacateiro, assim como o Tico-tico no fubá.

De repente, a mata inteira ficou muda para ouvir o canto de ébano do Uirapuru, seresteiro cantador do meu sertão, que dialogava com o sagrado. Sua canção subiu ao céu em sentida melodia, em forma de oração. Ouviu-se o canto melodioso da negra Graúna, a voz flauteada do Bicudo, o sotaque nordestino do Curió, a vocalização do Azulão, o trinado do Canário-do-mato e o gorjeio baixinho do Cricrió e do Corrupião de plumagem laranja.

PINGANDO MEL

“Amanhã vai ser outro dia”, “Futuro Ancestral” e “Outra vez Cantar” são três dos dez shows da cerimônia oficial na Esplanada do Bosque. Muitas Jabutizinhas, Tartaruguinhas, Tracajazinhos e Cagadozinhos se divertirão no Espaço Curumim, organizado para celebrarem, elas também, a esperança e a alegria, ouvindo o Martim Pescador cantar para as quelônias grávidas:

– Está em você / O que o amor gerou / Ele vai nascer / e há de ser sem dor / Ah! Eu hei de ver / Você ninar e ele dormir / fazê-lo andar / Falar, cantar sorrir. / E então quando ele crescer / Vai ser um quelônio de bem / Vou ensiná-lo a viver / Onde ninguém é de ninguém / Vai ter que amar a liberdade / Só vai cantar em Tom Maior / Vai ter a felicidade de / ver uma Floresta melhor.

Depois que o Jabuti subir a rampa pela terceira vez, pratos típicos da culinária da Floresta, sem agrotóxicos, poderão ser saboreados na feira gastronômica montada para o evento.

A boca do Bem-te-vi, que “pinga mel”, anunciará um novo tempo, do amor e não do ódio, do livro e não da arma, da vacina e não da cloroquina, de Deus ao lado de todos e não “above all”. Agora, empossado o Jabuti, quem quiser falar com Deus, não precisará mais subir em goiabeira. Basta “ficar a sós, apagar a luz, calar a voz, encontrar a paz, folgar os nós dos sapatos, da gravata, dos desejos, dos receios” como cantou Giló.

Foi assim que a floresta se salvou da destruição total. Não vai ser fácil pro Jabuti reconstruir tudo o que foi destruído na Floresta e fazer com que nossas várzeas fiquem com mais flores, nossos bosques com mais vida e nossa vida com mais amores. Mas só pelo fato de nos ter livrado da Onça sanguinária, já lhe somos eternamente gratos.

Acabou, porra!

P.S. Recriação a partir da literatura oral indígena em Nheengatu recolhida por Couto de Magalhães no Pará em 1875. O referido é verdade e dou fé, eu, o La Fontaine de igarapé, “passarim sem asa, eu sou tudo e nada, sou um sonhador” como quer Paulinho Pedra Azul em sua Cantiga de Tropeiro.

Jose Ribamar Bessa

José Bessa Freire – Professor. Cronista. Membro do Conselho Editorial da Revista Xapuri, em www.taquiprati.com.br.

Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes