Pesquisar
Close this search box.

NÃO HÁ FUTURO SEM A EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES

Não há futuro para a humanidade sem a emancipação das mulheres

As mulheres foram às ruas neste 8 de março de 2024 para mostrar que a luta por igualdade faz parte de suas vidas e não terminará enquanto a situação não mudar

Por Professora Francisca/Portal Vermelho

Como mostram as filósofas Simone de Beauvoir e Silvia Federici, a luta das mulheres por igualdade vem de longe. Por isso, é importante a cada ano destacar a importância do 8 de março – Dia Internacional das Mulheres – como uma data de reflexão e de luta.

Chegou-se a essa data após 15 mil mulheres operárias marcharem pelas ruas de Nova York em 1908 por redução da jornada de trabalho, melhores salários e de poderem votar e ser votadas, quando o Partido Socialista da América criou o Dia Nacional das Mulheres.

A data se estabeleceu no movimento feminista a partir de 1910 quando a comunista alemã Clara Zetkin propôs a criação do Dia Internacional das Mulheres na Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, em 1910.

O feminismo é tão importante para a luta de classes como mostra Silvia em seu livro “Calibã e a Bruxa – Mulheres, Corpo e Acumulação Primitiva”. Ela mostra como o capitalismo demonizou as mulheres e o seu corpo para explorar o trabalho doméstico sem remuneração e subjugá-las para a implantação da ideologia patriarcal ainda mais opressora.

Toda essa repressão para tornar a ideologia patriarcal hegemônica traz consequências até hoje, principalmente com religiões fundamentalistas pregando a submissão das mulheres. Não à toa a extrema direita adota a misoginia como forma de dominação.

O enfrentamento à violência de gênero, portanto, é parte fundamental da luta de classes para a superação do capitalismo. No Brasil essa luta não tem sido diferente. Mas como o escravismo predominou por aqui quase quatro séculos, a mentalidade escravista ainda persiste em setores da elite.

O que faz a violência ser maior e pior. As mulheres que desejam viver e amar em liberdade sofrem todo tipo de violência. Ainda se vê bem poucas mulheres em cargos de direção nas empresas, mesmo naquelas que hipocritamente, se colocam como adeptas do feminismo. Os salários são menores e as mulheres negras continuam na base da pirâmide social ganhando muito menos e tendo os piores trabalhos.

Mas as mulheres vão às ruas neste 8 de março de 2024 para mostrar que a luta por igualdade faz parte de suas vidas e não terminará enquanto a situação não mudar. Enquanto mulheres estiverem morrendo por serem mulheres, enquanto os salários não forem efetivamente iguais para mesmas funções e enquanto não houver respeito à vida e à dignidade das mulheres, estaremos nas ruas, nas redes e em todos os lugares para gritar por nossos direitos.

É a luta pela emancipação das mulheres que impulsiona a história rumo ao futuro socialista com a superação do capitalismo excludente e opressor. O feminismo levará a humanidade a patamares superiores com a construção do socialismo.

“Você não sabia?/Estão falando de uma revolução/Parece um sussurro/Os pobres vão se insurgir/E conseguir o quinhão deles/Os pobres vão se insurgir/E tomar o que é deles”, como canta Tracy Chapman em “Falando sobre uma Revolução”).

Fonte: Portal Vermelho Capa: Rosane Lima


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
REVISTA 108
REVISTA 107
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes