Pesquisar
Close this search box.
trabalho invisível do cuidado

O TRABALHO INVISÍVEL DO CUIDADO

O trabalho invisível do cuidado e a preservação da nossa espécie

Quem cuida de quem cuida? E o que acontece se o trabalho do cuidado não mais existir? Não resistimos enquanto sociedade, simples assim.

Por Leninha Souza/Mídia Ninja

Como é possível padecer num paraíso? O que seria isso? Sofrer, suportar, aguentar viver em um lugar aprazível, onde reina a felicidade? O ditado popular traduziu a maternidade como sendo: ser mãe é padecer no paraíso. Com isso, colocou a maternidade numa sacralidade, num contexto em que suportar o insuportável era compatível com o amor de mãe.

Mas a realidade, o dia a dia, a maternidade real, vivida por mulheres reais, descortina um lugar muito diferente do paraíso. Um lugar construído para que nós, mulheres, permanecêssemos, certas de que ali cumprimos uma tarefa hercúlea e sem remuneração ou reconhecimento.

Se, por muitos anos, o trabalho de cuidado doméstico não havia ganhado a centralidade do debate nacional, hoje é impossível escamoteá-lo, em especial durante a celebração da data comercial em torno do dia das mães. Câmaras de Dirigentes Lojistas apostam na data como uma das mais importantes do comércio e da prestação de serviços em todo o país.

Não sou mãe, mas, como mulher preta, periférica, que venho de uma família numerosa em que vivo cercada de mulheres, igualmente pretas e periféricas, ouso dizer que não queremos presentes. Queremos e precisamos avançar na discussão e na construção de políticas públicas que reconheçam o cuidado doméstico como ocupação, labor, passível de proteção e garantia previdenciária e o devemos construir o quanto antes, porque é tarde.

O trabalho do cuidado também faz ecoar as nossas desigualdades sociais. Ele pesa mais para as mulheres pretas, porque são elas a base dos serviços de cuidados para as famílias brancas e com recursos financeiros, são as mulheres pretas que garantem às mulheres brancas permanecerem no mercado de trabalho após a chegada dos filhos.

Mãe não é tudo igual. Nem a maternidade é igual para todas as mulheres. A psicanalista Vera Iaconelli, mestre e doutora pela Universidade de São Paulo, aponta que temos um Padrão Ouro que é a maternidade branca, de classe média alta, de mulheres casadas, cisgênero, heterossexuais, cercada por babás, que gestaram e pariram e terceirizam os cuidados dos filhos a outras mulheres, normalmente pretas, pobres, assalariadas e sobrecarregadas.

O padrão real são mulheres com jornada de trabalho que ultrapassam 25 horas semanais de trabalho do cuidado, fora o emprego formal, que nem sempre têm aonde ou com quem deixar os próprios filhos para cuidar dos filhos dessas mulheres. Essas mulheres, pretas, pobres, são como a Mirtes, mãe do Miguel, o garotinho que acompanhava a sua mãe na casa dos patrões em plena pandemia e, por negligência da patroa, caiu do 12º andar de um prédio classe média alta no Recife.

A maternidade entra em colapso segundo a psicanalista. Surgem perguntas: Quem cuida de quem cuida? E o que acontece se o trabalho do cuidado não mais existir? Não resistimos enquanto sociedade, simples assim.

Mulheres pretas e pobres ensinam cotidianamente seus filhos a sobreviver. À fome, à ausência de pai e do estado, à falta de oportunidade, à violência. Mulheres, mães, ensinam seus filhos a romperem padrões, a dizer “basta”.

Nós, mulheres, mães ou não, avançamos na luta por direitos como a remuneração financeira para o trabalho do cuidado, a redução da jornada de trabalho, ampliação das vagas em creches; pela licença-paternidade pelo mesmo tempo que dura a licença das mães com a chegada dos filhos, nos moldes que alguns países da Europa já o praticam, assim como a possibilidade de flexibilidade da jornada de trabalho para os casos de mães-solos, mães atípicas, entre outras.

Este ano o Brasil se prepara para lançar a Política Nacional do Cuidado. É, sem dúvida, o passo mais audacioso que damos no sentido de promover as mudanças necessárias na divisão do trabalho, de modo que se torne mais igualitária entre homens e mulheres. A Política Nacional do Cuidado terá especial atenção aos recortes de gênero, raça e etnia, exatamente porque busca vencer as nossas maiores e seculares desigualdades.

Nenhuma mãe sonha sofrer no paraíso. Mães reais lutam para viver dignamente num país justo, solidário e comprometido com elas e suas crias!

Como é possível padecer num paraíso? O que seria isso? Sofrer, suportar, aguentar viver em um lugar aprazível, onde reina a felicidade? O ditado popular traduziu a maternidade como sendo: ser mãe é padecer no paraíso. Com isso, colocou a maternidade numa sacralidade, num contexto em que suportar o insuportável era compatível com o amor de mãe.

Mas a realidade, o dia a dia, a maternidade real, vivida por mulheres reais, descortina um lugar muito diferente do paraíso. Um lugar construído para que nós, mulheres, permanecêssemos, certas de que ali cumprimos uma tarefa hercúlea e sem remuneração ou reconhecimento.

Se, por muitos anos, o trabalho de cuidado doméstico não havia ganhado a centralidade do debate nacional, hoje é impossível escamoteá-lo, em especial durante a celebração da data comercial em torno do dia das mães. Câmaras de Dirigentes Lojistas apostam na data como uma das mais importantes do comércio e da prestação de serviços em todo o país.

Não sou mãe, mas, como mulher preta, periférica, que venho de uma família numerosa em que vivo cercada de mulheres, igualmente pretas e periféricas, ouso dizer que não queremos presentes. Queremos e precisamos avançar na discussão e na construção de políticas públicas que reconheçam o cuidado doméstico como ocupação, labor, passível de proteção e garantia previdenciária e o devemos construir o quanto antes, porque é tarde.

O trabalho do cuidado também faz ecoar as nossas desigualdades sociais. Ele pesa mais para as mulheres pretas, porque são elas a base dos serviços de cuidados para as famílias brancas e com recursos financeiros, são as mulheres pretas que garantem às mulheres brancas permanecerem no mercado de trabalho após a chegada dos filhos.

Mãe não é tudo igual. Nem a maternidade é igual para todas as mulheres. A psicanalista Vera Iaconelli, mestre e doutora pela Universidade de São Paulo, aponta que temos um Padrão Ouro que é a maternidade branca, de classe média alta, de mulheres casadas, cisgênero, heterossexuais, cercada por babás, que gestaram e pariram e terceirizam os cuidados dos filhos a outras mulheres, normalmente pretas, pobres, assalariadas e sobrecarregadas.

O padrão real são mulheres com jornada de trabalho que ultrapassam 25 horas semanais de trabalho do cuidado, fora o emprego formal, que nem sempre têm aonde ou com quem deixar os próprios filhos para cuidar dos filhos dessas mulheres. Essas mulheres, pretas, pobres, são como a Mirtes, mãe do Miguel, o garotinho que acompanhava a sua mãe na casa dos patrões em plena pandemia e, por negligência da patroa, caiu do 12º andar de um prédio classe média alta no Recife.

A maternidade entra em colapso segundo a psicanalista. Surgem perguntas: Quem cuida de quem cuida? E o que acontece se o trabalho do cuidado não mais existir? Não resistimos enquanto sociedade, simples assim.

Mulheres pretas e pobres ensinam cotidianamente seus filhos a sobreviver. À fome, à ausência de pai e do estado, à falta de oportunidade, à violência. Mulheres, mães, ensinam seus filhos a romperem padrões, a dizer “basta”.

Nós, mulheres, mães ou não, avançamos na luta por direitos como a remuneração financeira para o trabalho do cuidado, a redução da jornada de trabalho, ampliação das vagas em creches; pela licença-paternidade pelo mesmo tempo que dura a licença das mães com a chegada dos filhos, nos moldes que alguns países da Europa já o praticam, assim como a possibilidade de flexibilidade da jornada de trabalho para os casos de mães-solos, mães atípicas, entre outras.

Este ano o Brasil se prepara para lançar a Política Nacional do Cuidado. É, sem dúvida, o passo mais audacioso que damos no sentido de promover as mudanças necessárias na divisão do trabalho, de modo que se torne mais igualitária entre homens e mulheres. A Política Nacional do Cuidado terá especial atenção aos recortes de gênero, raça e etnia, exatamente porque busca vencer as nossas maiores e seculares desigualdades.

Nenhuma mãe sonha sofrer no paraíso. Mães reais lutam para viver dignamente num país justo, solidário e comprometido com elas e suas crias!

Fonte: Mídia Ninja Capa: Rovena Rosa/Agência Brasil 

Veja também: 

Contratam-se doutores e mestres


Block
 
 
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes