Os solos do Cerrado

Os solos do Cerrado

Em 1948, Waibel estudou a vegetação e o uso da terra no Planalto Central do Brasil e, ao constatar que dentro de áreas muito limitadas, sob as mesmas condições climatológicas, pode-se encontrar uma grande variedade de tipos de vegetação, concluiu que eles dependem principalmente das condições edáficas, as quais por sua vez dependem das rochas que originam os solos…

Por Altair Sales Barbosa

O mesmo autor, baseando-se nos conceitos dos agricultores locais, afirma que há dois grandes tipos de solos nas áreas dos cerrados; os solos de matas e os solos de campos. Análises têm sempre revelado que os de campos são sempre mais pobres dos que os de matas.

Alvim e Araújo (1952) são autores que também destacam a importância do solo para a compreensão dos cerrados e afirmam, por exemplo, que a distribuição dessa paisagem dentro de sua região fitogeográfica é aparentemente controlada pelo solo, mais que por qualquer outro valor ecológico. Segundo esses autores, as plantas dos cerrados parecem ser tolerantes a um baixo teor de cálcio e a um PH baixo, o que não permite o crescimento de árvores típicas das florestas.

Arens (1958) admite que o pronunciado xeromorfismo (escleromorfismo foliar) do cerrado seja uma consequência das condições oligotróficas dos solos, que são geralmente ácidos e empobrecidos em bases trocáveis.  Afirma que um dos fatores principais seja provavelmente a relativa escassez de nitrogênio assimilável, que pode originar o escleromorfismo oligotrófico, fazendo com que a vegetação peculiar do cerrado seja selecionada pela deficiência de minerais, tendo-se adaptado à mesma.

Em trabalho posterior (1963-1971), o mesmo autor afirma que as deficiências minerais limitam o crescimento e, em consequência, causam acúmulos de carboidratos. O excesso de açúcares é utilizado para a formação de cutículas espessas, de esclerênquima, para a produção, em resumo, de estruturas que dão à planta o caráter escleromorfo.

Goodland (1969), ao estudar os solos do Triângulo Mineiro, estabelece uma relação entre os gradientes de fertilidade do solo com as diversas fisionomias do cerrado. Variam do cerradão ao campo limpo do cerrado os seguintes fatores: PH, percentagem de carbono e nitrogênio, matéria orgânica, teor Ca++, Mg++, K+, Al+++, percentagem de alumínio, fosfatos e relação C/N.

Assim, o solo do cerradão ocupa a extremidade mais alta do gradiente por apresentar teores elevados de matéria orgânica (N, P, K) Ca, Mg, PH mais alto, baixa relação C/N e quantidades menores de alumínio.

Há uma estreita relação entre a riqueza orgânico-mineral do solo e as fisionomias do cerrado; o xeromorfismo resulta também em grande parte de carência de micronutrientes do solo. Essa carência, ou oligrotrofismo, limita o uso dos produtos da fotossíntese, os quais foram acumulados em diversas partes das plantas, dando-lhes o aspecto escleromórfico.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Também o nanismo das plantas do cerrado é atribuído à carência de micronutrientes como N-P-S, que são indispensáveis para a síntese das proteínas que entram no desenvolvimento normal de novos tecidos (Kuhlmann 1983).

Altair Sales Barbosa – Arqueólogo. Ecólogo, em “Andarilhos da Claridade”, Católica, 2002.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora