Pesquisar
Close this search box.

Patakori, Ogum!

Patakori, Ogum!

Hoje, 23 de abril, é um dos dias que festejamos Ogum! É dia de festejar as lutas ganhas, as que estamos travando e vamos ainda deparar pelo nosso caminho, sempre, com a Benção de Ogum! E é evocada sua força para nossos desafios em esferas pessoas, sociais, coletivas – sim – até mesmo amorosas e financeiras pessoais. Orixá forte, do panteão de matrizes africanas de quem herdamos cultura vasta a porejar nosso sangue, Ogum é uma das entidades mais conhecidas. 

Por Reinaldo Vilas Boas Bueno Filho 

É Guerreiro exímio – encantado em ancestralidade é encantador em seus poderes e forças. É o que representa domador de metais através do fogo, forjando com a força da magia, em nossas crenças desde Armaduras que nos protegem dos males, até as nossas Espadas justas que contra- atacam (ou atacam, quando necessária for a luta); para nos defender e para que saibamos a hora certa de atacar – vencendo desde as menores as mais importantes guerras das nossas vidas.

Poderoso Orixá, Ogum e extremante conhecido é cultuado, geralmente no dia 23 de Abril, tanto em sincretismos quanto em religiões afro-brasileiras de fato. Ele é visto como aquele que protege, que abre caminhos, que nos apoia em momentos de luta e que nos ajuda a vencer nossas guerras internas e externas.

Quanto poder, Salve! E sempre trabalhando virtudes (como um bom guerreiro) dentro de nós. Procurando sucesso e evolução; pautando-nos pela nobreza de caráter, justiça empática e bondade mesmo com os adversários. Mesmo porque sua energia é de vencer, não necessariamente destruir um adversário. Ele é rígido e bom. E força da natureza, não haveria de ser diferente.

Quando precisamos, e nos vemos em Guerra (física, espiritual, mental ou emocional), é, por justo a Ogum a quem recorremos. Evocamos sua força, destreza, sua capacidade de nos cobrir com sua mas armaduras encantadas e nos fornecer a coragem e a força de vontade: nossas maiores espadas para qualquer luta que tenhamos de enfrentar.

Símbolos com múltiplos significados, mas que nos abraça e envolve em força de vitória. Além disso, ele nos protege. É considerado o que vai à frente de suas batalhas, com sua armadura sagrada, e com sua força vertida em sua espada, para que vejam o quão sublime é sua força: indomável e a domar todas as adversidades. Patakori, Ogum! Salve sua força as sete vezes.

Então, quando estivermos passando por um período difícil em nossas vidas encarnadas, em que tudo parece conflituoso e com a guerra aguçando suor frio de nossas temporada, junto ao medo, e sem perspectiva de uma batalha vencida, é ao Pai Ogum a quem chamamos para fazer valer uma vitória a mais, sempre uma a mais.

Baseada na ancestralidade, na força que herdamos de miscigenado sangue, da força que corre na pele (metaforicamente) preta, de quem herdamos culturas, costumes, religião – no sentido de se religar às forças superiores que crescem germinadas em nossa fé para as mais altas dimensões.

Segundo um de seus mitos, foi justamente Ogum quem ensinou a humanidade como forjar metais e as estratégias de batalhas. Dando força para que as vençamos, dentro e fora de nós. Nos dando a possibilidade de sucesso em embates. Bem como os conhecimentos de guerras. E, claro, o conhecimento das guerras que travamos internamente em nosso coração e em nossa mente.

Também pela lenda, está ligado a energias extremamente fortes que, em caso, são trabalhadas juntas, a depender do fim buscado. Sua mãe, Iemanjá, e seus filhos Exú, o Orixá, e Oxóssi – com grande predileção a esse, tendo forjado encantadas com suas próprias mãos armas de caça pala Oxóssi. Em lenda, temos várias!

Sorte a nossa de termos tantas perspectivas para entendermos as forças de Ogum. “Primeiro Orixá a vir para terra”, “Ogun Osin Imole”: para a cultura africana Iorubá, Ogum é visto como o primeiro a descer ao Ilê Aiyê, a Terra. E foi enviado, assim como veio, com a ordem de encontrar condições adequadas para a humanidade. Ogum era o filho mais velho de Odudua, o rei, seu pai, que o enviou para a terra para tal constatação.

Quando seu pai perde momentaneamente a visão, Ogum assume o título de Rei. Conta-se, que certa vez, Ogum teve uma das mais arrebatadoras histórias de amor dessa mítica que nos achega com várias lições imbuídas em seus detalhes. Apaixonou-se pela Dona dos Raios e Trovões, a Guerreira astuta: a forte Orixá Iansã.

Tornou-se esposa de Ogum, mas logo ardeu de encantos por outro Orixá: Xangô – aquele que rege a justiça. Mas, indubitavelmente, a energia dos dois em conjunto, a sinergia, é algo a ser admirado. E também a emancipação do feminino que fez A Dona dos Nove Filhos, Iansã, também conhecida como Oiá, ter esse triângulo amoroso com os dois. Afinal, quais deles não são encantados e encantadores?

Também teve Ogum uma linda história de amor com Oxum, a Orixá, dona da Magia e do Amor, encantou Ogum com sua dança, e o fez se apaixonar por ela. Quando Ogum, em um mau tempo, estava escondido na floresta, ela decidiu ir até ele e, assim que o vou, o magnetizou com sua dança, conduzindo-o de volta para cidade, trazendo de volta a força de Ogum, em forma de Axé e Fartura. É uma linda história de amor e
muitos trabalhos são feitos juntos com os dois, justamente por essa sinergia deles, principalmente trabalhos amorosos.

Mas, a mais importante lição de Ogum, para nós, fora as suas bençãos, é justamente sua humildade. Ogum é exemplo em muito, inclusive no arquétipo da humildade (não podemos deixar nossas vitórias subirem aos miolos!). E, embora tenha sido criado como príncipe, e depois se tornado rei, Ogum manteve sua humildade – mesmo sabendo de seus poderes e enormes forças!

Ogum é pai e protege aqueles que recorrem a ele. Protege também os agricultores, especialmente por sua ligação com Oxóssi, guarda segurança aos soldados, também guarda e protege, e inspira os artesãos. É um Orixá do elemento terra, Ogum é cheio de energias, misticismos e lendas, podemos falar que sua energia é empreendedora, vem e cresce. E talvez por isso seja tão importante para nós.

Salve, pai Ogum! Salve sua armadura, seu forjar, suas espadas e lanças e, que comemoremos seu dia chamando essa força – para que possamos lutar nas adversidades da vida para vencer nossos intentos. Ogunhê, Meu Pai! Salve um de seus dias!

Reinaldo Filho Vilas Boas Bueno – Escritor. Capa: Depositphotos.  Esta matéria não representa a opinião da Revista Xapuri e é de responsabilidade do autor. Imagem Interna: Elo7. 

Ogum Elo7

Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes