Pesquisar
Close this search box.

Poluição do Ar: Brasil não monitora. Situação piora

.Poluição do ar precisa ser – mas não é – prioridade nos estados brasileiros

Enquanto Coreia do Sul intensifica combate à poluição do ar, Brasil não realiza monitoramento

A poluição do ar não é um assunto recente. Pelo contrário, a cada ano, novas regulamentações, necessidades e procedimentos são adicionados às discussões globais sobre o tema. Na Coreia do Sul, por exemplo, as ações para o combate à poluição do ar foram ampliadas com a aprovação do Parlamento, no último mês de março.

A Coreia de Sul representa a quarta maior economia da Ásia e tem a geração de energia do carvão e as altas emissões de veículos como os principais fatores para o aumento de poluição atmosférica, de forma a provocar uma preocupação generalizada na sociedade, abalando até mesmo os índices de aprovação do presidente sul-coreano.

Diante dessa realidade, medidas especiais foram tomadas. A primeira delas foi disponibilizar o fundo de reserva (estimados em 2,65 bilhões de dólares) para combater danos e/ou atender emergências causados por ar poluído. Na sequência, outros projetos de lei foram aprovados, com destaque para a obrigatoriedade de instalar um purificador de ar dentro todas as salas de aula das escolas do país, além da remoção do limite nas vendas de veículos a gás liquefeito de petróleo (GLP), que produzem menos emissões poluentes do que os tradicionais motores movidos a gasolina e diesel.

No entanto, apesar das boas notícias no cenário global, no território nacional a situação é bastante diferente. Segundo um levantamento da Plataforma da Qualidade do Ar, iniciativa da ONG Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA), o Brasil está completamente exposto aos danos da atmosfera poluída e, ainda, apresenta uma grande falha no quesito monitoramento dos poluentes.

A organização aponta que a maior parte do país conta com uma análise mal calculada, sendo que dos 27 estados brasileiros, somente nove realizam algum tipo de monitoramento da qualidade do ar: Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Goiás, Distrito Federal, Bahia, Paraná e Porto Alegre. Perceba que a região Norte não conta com nenhum representante no controle sobre a poluição do ar.

A grande questão, segundo a meteorologista Beatriz Oyama, é que o monitoramento da poluição do ar no país não é lei. “Tudo no Brasil que aborda a qualidade do ar é descrito em resoluções, como do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), não por lei. Isso faz uma grande diferença, pois tem a regulamentação de monitorar, mas não direciona financiamento”, criando um enorme déficit nessa área.

Além disso, enquanto algumas medidas são tomadas por alguns estados para tentar inibir a emissão de poluentes na atmosfera, o comércio de automóveis no Brasil apresenta crescimento.

Vale destacar, por fim, que de acordo com a Organização Mundial da Saúde, 90% da população mundial respira ar poluído, e isso mata cerca de 7 milhões de pessoas por ano. No Brasil, a média é de 50 mil óbitos por doenças desencadeadas pela poluição atmosférica.

ANOTE:  Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta de movimentos sociais Brasil afora. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Visite nossa Loja Solidária: http://xapuri.info/loja-solidaria. Em Formosa, encomendas com Geovana: 61 9 9352 9191. Em Brasília, com Janaina: 61 9 9611 6826.Camiseta Marielle: http://xapuri.info/produto/camiseta-marielle/

Post 004 Marielle 1

 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes