Pesquisar
Close this search box.

Racismo ambiental tem CEP?

Racismo ambiental tem CEP?

Instituto TJNS luta por mudanças na cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro.

Por Nathália Shizuka/Poderes Pretos

Em meio às adversidades decorrentes das chuvas de 2022 em Petrópolis, Pamela Mércia ergueu as bases do Instituto TJNS (Todos Juntos Ninguém Sozinho), não apenas como resposta emergencial, mas como uma força impulsionadora para enfrentar sistematicamente o Racismo Ambiental e propor mudanças profundas na cidade.

O projeto “Sustenta Elas” é uma das ações do movimento. Doze mulheres negras foram cuidadosamente selecionadas e capacitadas, recebendo oportunidades de trabalho remoto. Além de proporcionar um alívio financeiro imediato, o projeto confronta as persistentes barreiras de desemprego e discriminação racial que assolam de maneira desigual as mulheres negras em Petrópolis.

No entanto, a jornada do Instituto TJNS não é isenta de desafios. O enfrentamento ao Racismo Ambiental encontra resistência por parte do poder público, que, por vezes, hesita em reconhecer a complexidade dessa questão. Entre os feitos, a aprovação do “Dia Municipal de Enfrentamento ao Racismo Ambiental” na câmara municipal é um passo significativo, aguardando agora a decisiva sanção do prefeito.

Em busca de um futuro de mudanças estruturais, o Instituto está atualmente elaborando uma Proposta de Lei de Políticas de Enfrentamento ao Racismo Ambiental. Esta iniciativa visa não apenas sensibilizar, mas implementar políticas concretas para promover equidade e erradicar as raízes profundas do Racismo Ambiental em Petrópolis.

Pamela Mércia, idealizadora do movimento, faz um apelo incisivo à comunidade: “Sou uma mulher negra, ambientalista e lésbica gritando por direitos da população que vive em vulnerabilidade (…) A luta é árdua e cansativa mas não vamos parar.”

Racismo ambiental

O racismo ambiental é uma forma de discriminação que reflete desigualdades sociais e raciais na distribuição de impactos ambientais negativos. Em comunidades racialmente minoritárias, vemos uma carga desproporcional de poluição, degradação ambiental e acesso limitado a recursos naturais. Essa disparidade não apenas prejudica a qualidade de vida, mas também amplifica as desigualdades sociais e econômicas. Além disso, o racismo ambiental aumenta a vulnerabilidade dessas comunidades diante de eventos climáticos extremos e desastres naturais. Abordar essa questão é crucial para alcançar equidade social e justiça ambiental.  Em 2023, o Brasil registrou pelo menos 625 conflitos relacionados à discriminação de populações e minorias étnicas pela degradação do meio ambiente.

O termo “racismo ambiental” foi pela primeira vez registrado em 1982, sendo atribuído ao ativista Benjamin Franklin Chavis Jr., que anteriormente havia atuado como assessor de Martin Luther King Jr. Durante sua investigação intensiva sobre a exposição da comunidade negra nos Estados Unidos a resíduos tóxicos, ele disse:

“Racismo ambiental é a discriminação racial na elaboração de políticas ambientais, na aplicação de regulamentos e leis, e no direcionamento deliberado de comunidades negras para instalações de lixo tóxico, com risco de vida em nossas comunidades e a exclusão de negros da liderança dos movimentos ecológicos.”

É possível parafrasear Chavis Jr., trocando “negras” e “negros” por “quilombolas”, “indígenas”, e outras minorias a fim de entender como o racismo ambiental age com outras etnias vulneráveis e excluídas de qualquer resquício de políticas ambientais, sejam relacionadas ao saneamento básico, mudanças climáticas, gestão de resíduos e manejo do solo.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 112
REVISTA 109
REVISTA 110
REVISTA 111
REVISTA 108
REVISTA 107
REVISTA 106
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes