Pesquisar
Close this search box.

Rastrear produção de ouro protegerá a biodiversidade

Rastrear produção de ouro protegerá a biodiversidade

O garimpo criminoso pode acabar com a Amazônia e com a reputação do país, alertaram especialistas em debate nacional.

Por Aldem Bourscheit/ O Eco

Ampliar e melhorar a regulação, a fiscalização e o rastreamento das cadeias produtiva e comercial do ouro é fundamental para manter a biodiversidade em áreas legalmente protegidas alvo do garimpo criminoso, desse e de outros minerais. Especialistas comentam como isso pode ser feito. 

Parques nacionais e terras indígenas são os grandes abrigos de riquezas naturais e de culturas ancestrais no país, mas ainda sofrem com a extração ilícita de recursos. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) aponta que 72% da área de garimpo na Amazônia ocorre nessas áreas.

“Há uma indústria do garimpo ilegal, fornecendo pessoas, maquinário, e logística”, diz o deputado federal Zé Silva (Solidariedade/MG) e presidente da Frente Parlamentar da Mineração Sustentável, instalada em março.

Exemplos são as terras indígenas Munduruku (foto acima) e Sai Cinza, além do Parque Nacional do Jamanxim e da Floresta Nacional de Altamira, todos no Pará. Na fronteira com o Peru, a Estação Ecológica Juami-Japurá também é vítima da mineração ilegal.

“98% do ouro comercializado no entorno de terras indígenas da Amazônia têm indícios de ilegalidade”, lembra Joênia Wapichana, presidente da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai).

Um dos casos mais graves atinge o território Yanomami, em Roraima (foto abaixo). Lá, a mancha afetada por garimpos saltou de 363 ha (2018) para 1.557 ha (2021), ou 330%. Uma força tarefa mobilizada pelo novo governo federal remove garimpeiros e madeireiros ilegais da área. 

“Ou a gente acaba com esse garimpo [ilegal] que está aí, ou esse garimpo vai acabar com a Amazônia e a reputação [internacional] do nosso país”, alerta Larissa Rodrigues, responsável pelos temas mineração, energia e uso de terras no Instituto Escolhas

Ela foi outra painelista no debate promovido pelo jornal Correio Braziliense nessa terça-feira (16), sobre a problemática socioambiental e econômica atrelada à extração ilegal de minerais no Brasil.  

Motor do corte de florestas e do assoreamento de rios, o garimpo de ouro contamina terras, águas, animais e pessoas com mercúrio, fonte de doenças que podem levar à morte. Não há dose mínima segura no organismo humano para o tóxico, usado para separar o mineral de outras substâncias. 

Desde 2013, uma lei federal sancionada por Dilma Rousseff permitia a “lavagem” de ouro retirado de áreas protegidas com simples declarações de que havia sido extraído de forma regular. A chamada “presunção de boa-fé” foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no início de maio.

A decisão da Corte foi unânime e também fixou 90 dias para que o Executivo federal detalhe novas regras fiscais e comerciais para o mineral, no país todo. A ideia é dificultar a circulação de outro extraído ilicitamente de unidades de conservação e de terras indígenas.

“A exploração de riquezas tem que ser dentro de marcos legais não perturbadores do meio ambiente e das comunidades”, ressaltou o ministro do STF Gilmar Mendes, relator de ações diretas de inconstitucionalidade questionando a legislação sobre o comércio nacional de ouro.

ouro caminho1
Área afetada por garimpo criminoso ao longo do Rio Uraricoera, na Terra Indígena Yanomami. Foto: Bruno Kelly/Amazônia Real

Volta aos trilhos

Atenta aos prejuízos que o garimpo criminoso causa em terras indígenas e outras áreas protegidas, a presidente da Funai espera que o país dê amplas transparência e confiabilidade às cadeias produtiva e comercial do ouro, beneficiando inclusive as forças policiais. 

“Precisamos de uma política fiscal eficiente e permanente para controlar de onde vem o ouro e seus caminhos da extração à venda. Isso ajudará no combate aos ilícitos pela Polícia Federal e outros órgãos de fiscalização e de policiamento”, ressalta.

A medida também pode manter abertas as portas de mercados internacionais, onde crescem as exigências por produtos comprovadamente legalizados e livres de impactos sociais e ambientais.

Para Larissa Rodrigues, o ouro brasileiro pode ser enquadrado como um “mineral de conflito” pelo endurecimento de regras comerciais na União Europeia. Isso prejudicaria economias regulares e negócios do país no Exterior.

“Não dá para imaginar que um comércio bilionário [o do ouro] vai funcionar apenas na base da boa fé”, apontou a especialista do Instituto Escolhas e doutora em Energia pela Universidade de São Paulo (USP). 

O Brasil não tem uma lei para minerais de conflito, como tem por exemplo os Estados Unidos. A norma desestimula o uso de materiais que podem fomentar violências e outros prejuízos humanos e ambientais.

Enquanto isso, a União Europeia adotou esta semana regras dificultando as importações de produtos ligados a desmatamento e degradação florestas. As normas iniciais incidem sobre óleo de palma, gado, madeira, café, cacau, borracha, soja e derivados como chocolate, móveis e papel. 

Um estudo da organização ambiental internacional WWF estima que de 50% a 70% do ouro negociado no mundo passa fisicamente pela Suíça. O país é um grande importador do mineral extraído no Brasil. O Instituto Escolhas aponta que 17% do ouro exportado em 2020 pelo país foi ilegal, ou 19 toneladas.

Além disso, a guerra Rússia-Ucrânia e o avanço geopolítico chinês abalaram a confiança mundial no Dólar e fizeram a compra de ouro por bancos centrais de países alcançar os níveis mais altos desde os anos 1950, conforme o Conselho Mundial do Ouro, entidade mobilizadora desse mercado.

As fontes especializadas comentaram igualmente que a regulamentação do setor passa por melhorar o licenciamento ambiental e as condições de trabalho, pela recuperação dos locais degradados – sobretudo em áreas protegidas – e pelo banimento do mercúrio na mineração. 

Dar fim aos usos da substância é uma das diretrizes da Convenção de Minamata, promulgada pelo Brasil em 2018, mas ainda não colocada em prática.

ouro caminho2
Manter a floresta, seus povos e sua biodiversidade depende de um grande plano de desenvolvimento sustentável. Foto: Neil Palmer/CIAT / Creative Commons.

Pondo uma lupa na procedência e transações com ouro, a Casa da Moeda do Brasil (CMB) começa a implantar este ano uma plataforma de rastreabilidade. Cada movimentação legal receberá um selo digital e físico, válido no Brasil e no Exterior. A tecnologia é usada em bebidas e cigarros, desde 2021.

Garimpeiros e DTVMs terão que se registrar na plataforma, com reconhecimento facial ou de biometria, senhas e diferentes perfis de acesso. “Só agentes credenciados ou autorizados a produzir ouro acessarão os códigos, armazenados na blockchain na Casa da Moeda”, explica o diretor de Inovação e Mercado da CMB, Leonardo Abdias.

As DTVMs são distribuidoras de títulos e valores mobiliários autorizadas pelo Banco Central para intermediar a compra e a venda de itens no mercado financeiro.

Presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), representante de empresas e instituições do setor mineral, Raul Jungmann lembra que o combate ao garimpo criminoso depende também da atração de mão-de-obra para atividades legalizadas.

“O garimpo é um enorme problema de pobreza, de miséria. Cadê as alternativas econômicas? Há necessidade de gerar emprego e renda para as  pessoas”, destaca. 

Na Amazônia vivem cerca de 29 milhões de brasileiros, 70% deles em cidades, ou pouco mais de 20 milhões de moradores. A região tem 5 milhões de km2 – ou 60% do território nacional –, mas responde por apenas 8% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional.

Conforme Jungmann, o poder público precisa ampliar sua presença neste “grande vazio demográfico” através de um plano de desenvolvimento sustentável para a floresta equatorial, peça chave no enfrentamento da crise climática global. 

“O Brasil não tem projeto para a Amazônia. O que o país quer da região?”, questiona.

Aldem Bourscheit – Jornalista. Fonte: O Eco. Foto: Marizilda Cruppe/Amazônia Real / Creative Commons. Este artigo não representa a opinião da Revista e é de responsabilidade do autor.

Block
revista 115

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes