Pesquisar
Close this search box.

Ruralistas incitam violência contra MST na Bahia

Ruralistas incitam violência contra MST em Itapetinga/BA

Movimento repudiou os ataques expostos em faixas na 51ª Exposição Agropecuária

Por Murilo da Silva/Portal Vermelho 

Durante a 51ª Exposição Agropecuária do município de Itapetinga, na Bahia, foram penduradas faixas de ataques ao Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST). O episódio se soma a mais uma tentativa do agronegócio de atingir o movimento, assim como acontece em Brasília, com a estapafúrdia Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que tem como presidente o deputado Tenente-Coronel Zucco (Republicanos-RS), investigado pela Polícia Federal por envolvimento e patrocínio dos atos antidemocráticos de 8 de Janeiro.

As faixas reproduziam frases como: “O MST espalha terror”, “O MST cultiva destruição”, entre outras infames colocações.

Em nota o MST repudiou os ataques denunciou “utilização de recursos públicos em eventos cujo objetivo e práticas são a incitação à violência, utilização dos artifícios de fake news e discriminação dos trabalhadores e trabalhadoras Sem Terra.” Confira a íntegra da nota ao final.

Realizada pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Itapetinga, a feira conta com diversos apoios, entre eles o da Prefeitura, órgãos como o Senar, Faeb, governo federal, Governo da Bahia e Instituto Federal Baiano.

Para o movimento, o agronegócio e os latifundiários da região de Itapetinga, uma das regiões da Bahia com grande concentração fundiária, agem dessa forma para estabelecer uma “cortina de fumaça” e esconder:

  • desmatamento causado pelos latifúndios;
  • grilagem de terra;
  • violência no campo;
  • uso de mão de obra análoga à escravidão;
  • destruição e contaminação pelo uso de agrotóxicos.

Feira da Reforma Agrária

Enquanto os ruralistas do agronegócio se preocuparam em utilizar a feira para disseminar ódio ao invés de realizarem negócios durante o evento que ocorreu até o último domingo (21), o MST ao realizar a sua Feira Nacional da Reforma Agrária doou, no fim de semana anterior à feira de Itapetinga, 25 toneladas de alimentos saudáveis para 20 entidades sociais da grande São Paulo.

O Padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Povo de Rua, recebeu simbolicamente os alimentos – um exemplo de paz e solidariedade ao realizar um evento, diferente do que fizeram os ruralistas na Bahia.

Nota do MST

O MST, por meio desta nota, repudia com veemência os ataques feitos pelos organizadores da 51ª Exposição Agropecuária do município de Itapetinga/BA, através da exposição de faixas com conteúdos discriminatórios e preconceituosos que banalizam e incitam a violência contra os trabalhadores/as do campo, na tentativa vil de deslegitimar a luta do Movimento Sem Terra, expostas no evento.

O evento que ocorre no município de Itapetinga/BA, na região do sudoeste baiano, teve seu início no dia 12/05, com programação que vai até o próximo domingo (21). A Exposição Agropecuária de Itapetinga é realizada pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Itapetinga, com apoio da Prefeitura Municipal, e de órgãos como o Senar, Faeb, governo federal, Governo da Bahia, Instituto Federal Baiano, entre outros.

A Direção Nacional do MST repudia e denuncia a utilização de recursos públicos em eventos cujo objetivo e práticas são a incitação à violência, utilização dos artifícios de fake news e discriminação dos trabalhadores e trabalhadoras Sem Terra.

O município de Itapetinga/BA está localizado numa das regiões da Bahia com grande concentração fundiária, muitas com práticas de trabalho escravo, e palco de diversos conflitos agrários. Portanto, o agronegócio e os latifundiários buscam como estratégia deslegitimar a luta das organizações do campo pela Reforma Agrária, como cortina de fumaça omitir as reais mazelas da região: como o crescente desmatamento causado pelos latifúndios para criação de gados, grilagem de terra, violência no campo, uso de mão de obra análoga à escravidão, destruição e contaminação dos bens naturais pelo uso de agrotóxicos utilizados nas lavouras e na agropecuária, que acabam chegando na casa da população baiana.

Temas que deveriam ser expostos no evento

O MST, que caminha rumo aos seus 40 anos, levanta a bandeira histórica de combate à concentração de terras, à sonegação de impostos e a transformação da terra em mercadoria, os principais causadores das desigualdades e flagelos sociais que assolam as famílias camponesas no Brasil.

Defendemos o cumprimento da Constituição Federal de 1988 na sua integralidade, inclusive no que diz respeito ao cumprimento da função social da propriedade. Tal princípio atende a critérios produtivos, ambientais e trabalhistas e devem ser combinados. As famílias Sem Terra acampadas realizam a luta digna por terra, teto e trabalho, direitos assegurados na Constituição.

Seguiremos em luta pela Reforma Agrária e pela transformação social na Bahia e no Brasil!

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST

Fonte: Portal Vermelho   Capa: Reprodução/MST


Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados