Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.

Salmo do homem que vê a realidade e…

Salmo do homem que vê a realidade e…

Por Ernesto Cardenal

“Ouve, Senhor, estes versos que te rezo
Ao contemplar a realidade em que vivo.
Maldito seja o sistema
que não deixa sonhar os poetas
Nem permite dizer a verdade
a quem pensa.
Serão seus dias de luto e de lamento,
Porque matou no Homem o mais digno.”

Maldito o sistema que não pratica a justiça
E persegue e tortura e encarcera a quem anuncia.
Terá que justificar sua conduta ante a história
E não encontrará nenhuma palavra de defesa.

Maldito seja o sistema que só procura a aparência de grandeza
Quando estão morrendo de fome os homens nas suas fronteiras;
Do mesmo modo que progrediu cairá,
Porque construiu seus alicerces
Sobre corpos vivos e sangues inocentes.

Maldito o sistema que tenta matar no homem a dimensão de transcendência
E coloca no seu lugar o “deus dinheiro” , o “deus sexo”, e “deus progresso”,
Destruir-se-á por dentro irremissivelmente,
Porque o coração do homem foi bem feito
E ninguém pode matar em nós
Esta sede de infinito que nos queima.

Feliz será, porém,
O homem que bebe água na fonte da praça junto ao povo,
Não terá motivos para se envergonhar de nada,
Nem terá que baixar seus olhos
Ante qualquer homem honesto.

Feliz o homem que a força de interiorizar
Se fez livre por dentro
E não se importa já com a denúncia dos fortes,
Serão seus dias como o trigo da terra.
Cheios de sol e esperança partilhada
E o seguirão os povos da terra.

Feliz o homem que não assiste a reuniões importantes
Nem acredita nos discursos do governo;
Feliz o homem que assim pensa,
Porque terá sempre tranqüila a sua consciência.
Mesmo que sofra a incompreensão e até o desprezo.

Ernesto Cardenal, poeta e sacerdote nicaraguense, morre aos 95 anos.’Ele nos deixou em paz absoluta, não sentiu dor’, confirmou à AFP Luz Marina Acosta, assessora de Cardenal por mais de 40 anos. Poeta sofreu uma parada cardíaca.

Por  Folha.uol.mundo.br ]

O poeta e sacerdote nicaraguense Ernesto Cardenal morreu neste domingo (1), aos 95 anos, de parada cardíaca, anunciou sua assessora.

“Ele nos deixou em paz absoluta, não sentiu dor”, confirmou à AFP Luz Marina Acosta, assessora de Cardenal por mais de 40 anos. O poeta deu entrada há dois dias no hospital, com dificuldade para respirar. No sábado (29), seus órgãos começaram a falhar.

Cardenal era um representante reconhecido da Teologia da Libertação e protagonista da Revolução Sandinista.

O célebre escritor de obras como “Hora Cero”, “El Evangelio de Solentiname” e “Oración por Marilyn Monroe e Otros Poemas” havia comemorado seus 95 anos em 25 de janeiro, rodeado pela família, com boa saúde e mergulhado na criação de novas obras. Luz Acosta comentou que o poeta disse neste sábado que estava “pronto”, antes de ficar inconsciente.

Logo após a morte de Cardenal, o governo de Daniel Ortega decretou três dias de luto nacional. “Foi um homem abençoado com dons e méritos que elevaram o nome da Nicarágua e seu próprio nome, desde suas contribuições para a cultura universal e a libertação da Nicarágua”, destacou o governo em carta assinada por Ortega e a mulher, a vice-presidente Rosario Murillo.

Ortega e Cardenal foram companheiros durante a luta guerrilheira da Frente Sandinista contra a ditadura somozista. Mais tarde, Cardenal distanciou-se do líder sandinista por diferenças sobre sua condução política.

A escritora e poetisa nicaraguense Gioconda Belli despediu-se com uma mensagem em que disse que Cardenal partiu “depois de uma vida de entrega à poesia e à luta pela liberdade e justiça”.

A morte do poeta acontece um ano depois que o Papa Francisco revogou a proibição de administrar os sacramentos que aplicou contra Cardenal o Papa João Paulo II por sua militância política com a Revolução Sandinista (1979 – 1990).

 

[smartslider3 slider=38]

 
 
 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA