Pesquisar
Close this search box.

Almir Sater: “Grandes lavouras estão chegando perto do Pantanal”

Almir Sater: “Grandes lavouras estão chegando perto do Pantanal”

Nas redes sociais, cantor se une a movimento que busca proteger o bioma da soja. Manifestação ocorre após arquivamento de projeto que queria proibir avanço de monoculturas no Pantanal.

Por Michel Esquer/ O Eco

Intérprete do misterioso peão Xeréu Trindade, o “Cramulhão”, na primeira versão da novela Pantanal, e do sábio chalaneiro Eugênio, que levava turistas para conhecer o bioma, no remake da produção, o cantor Almir Sater utilizou as redes sociais para denunciar o avanço da agricultura sobre o Pantanal. A declaração do artista sul-mato-grossense, que levou a música sertaneja do bioma às telas do País, se soma à campanha que quer proteger a planície pantaneira do avanço de monoculturas, como a soja. 

“Isso é realmente muito preocupante. Eu não sou contra a soja, nem grandes lavouras, mas não aqui no Pantanal. Eu sou um produtor rural também”, declarou Sater nesta quarta-feira (20). O cantor disse que recebeu neste mês a visita do governador de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel (PSDB-MS), na região do Pantanal do Rio Negro, onde expôs o temor. 

“Levamos até ele a preocupação em relação à fragilidade do nosso bioma, vendo que as grandes lavouras estão chegando perto do Pantanal, algumas já estão dentro do Pantanal, lavoura de soja no Pantanal”, acrescentou. 

O músico disse que esteve recentemente em Miranda, uma das microrregiões do Pantanal, onde foi informado que técnicos teriam constatado a presença de “veneno” na água. “Se tem na água, tem no peixe, se tem no peixe, tem na gente”, declarou. 

O Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) esteve no rio Miranda em fevereiro deste ano, após o registro da morte de peixes no curso d’água. Como mostramos, uma perícia elaborada pelo órgão indicaria se o fenômeno era natural ou provocado por agrotóxicos. Esse documento não foi tornado público, e nem sabe-se se foi concluído, mesmo após solicitação de informação ao Imasul e à ouvidoria do estado. 

“Eu peço a sensibilidade das nossas autoridades, a sensibilidade da nossa população: nos ajudem a defender esse Patrimônio da Humanidade, para que no futuro o Pantanal continue cada vez melhor”, concluiu o cantor. 

Projeto arquivado

No mês passado, um projeto de lei (PL) quis proibir a expansão e a abertura de novas áreas para monocultura, sobretudo de soja, no Pantanal sul-mato-grossense. Protocolado na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALMS) pelo deputado estadual Pedro Kemp (PT-MS), a matéria foi arquivada neste mês após parecer contrário da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR). 

“O projeto em análise apresenta restrição indevida na propriedade privada, ao impor limitações que extrapolam as normas gerais já fixadas pela legislação federal”, disse o documento. “Desse modo, conclui-se que o Projeto de Lei apresentado apresenta vício de inconstitucionalidade material, o que impede sua regular tramitação”, completou o parecer da comissão, composta majoritariamente por parlamentares que integram a Frente Parlamentar em Defesa do Agronegócio. 

O arquivamento da matéria provocou revolta em setores da sociedade civil, que nesta terça-feira (18) realizaram uma manifestação na Casa de Leis do estado. Participaram do ato ambientalistas, professores e pesquisadores, como noticiou a mídia local, além do Instituto SOS Pantanal, que em março tinha dito que o PL era importante para garantir a proteção e o desenvolvimento sustentável do bioma. 

Monocultura no Pantanal 

No Pantanal, o avanço das lavouras temporárias saltou de 4,1 mil hectares (ha) em 1985 para 17,3 mil ha em 2021, um número quatro vezes maior. Os números são do levantamento de Uso e Cobertura do MapBiomas. Desse total, 605 ha são de soja identificados visualmente em duas regiões ao leste do bioma, conforme informou a equipe da rede colaborativa que monitora o Pantanal. 

Se monoculturas também fossem proibidas na porção sul-mato-grossense do Pantanal, o bioma como um todo teria o plantio de soja proibido. Isso porque em Mato Grosso, o plantio de culturas de larga escala, como a cana e soja, já está proibido conforme determina a Lei nº 8.830/2008 – também conhecida como a Lei do Pantanal do estado. 

Michel Esquer- Jornalista. Fonte: O Eco. Foto: Colheita de grãos em produção rural- Charles Echer/Pixabay. Este artigo não representa a opinião da Revista e é de responsabilidade do autor.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 112
REVISTA 109
REVISTA 110
REVISTA 111
REVISTA 108
REVISTA 107
REVISTA 106
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes