Pesquisar
Close this search box.

Das reminiscências de Geraizeiro à Consciência da luta pelo Cerrado

Das reminiscências de Geraizeiro à Consciência da luta pelo Cerrado

Por Kleytton Morais

Tido como o segundo maior bioma do Brasil e maior bioma da América do Sul, abrangendo um território de mais de 2 milhões de km², cerca de 22% do território nacional, o Cerrado é considerado hotspot mundial de biodiversidade. Também conhecido como berço das águas, ele abriga as nascentes das três maiores bacias hidrográficas da América do Sul. Todavia, esta riqueza ainda é desconhecida por muitos brasileiros.

O Cerrado é um dos biomas mais atingidos pelo desmatamento causado pela expansão pela (ir)racionalidade econômica que, desde a década de 1970, é impulsionada por sucessivos projetos e governos. Por exemplo, a política de Estado de estímulo ao plantio de maciços de eucalipto, na década de 1970, foi a partir do arrendamento de terras tidas como desocupadas a empresas e, no período mais recente, a introdução da pecuária e das monoculturas de soja e milho, duas das principais commodities de exportação da economia brasileira, que causam alterações ambientais severas, como a perda de biodiversidade e a escassez de água.

Tais ações impactam a savana brasileira como nenhum outro bioma: foi cortado pela metade. E o desastre segue, desta feita com a implementação do projeto Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia).

Os prejuízos trazidos ao sistema Cerrado, aqui entendido o biológico, geográfico e cultural, causam grandes impactos ambientais, no mais das vezes irreparáveis, e empobrecem a população das comunidades que nele habitam, sobretudo os povos tradicionais: agricultores(as) familiares, quilombolas, indígenas, extrativistas, dentre outros. As consequências dessa insustentável lógica – frente ao avanço do agronegócio –, é mais êxodo rural, um grave problema social para o Brasil.

A sustentabilidade é essencial neste momento. Há exatos três anos, ainda trabalhando na Fundação Banco do Brasil, assessoramos o projeto Recupera Cerrado, um acordo de cooperação com a Secretaria de Meio Ambiente do DF, o Serviço Florestal Brasileiro e o Instituto Brasília Ambiental (Ibram). À época, o DF sentia os reflexos da crise hídrica e, por isso, sua assinatura representava também um marco. A lógica do projeto é a de preservar as áreas de recarga hídrica, visto que as principais bacias hidrográficas da América do Sul – a Platina, a Amazônica e a do Rio São Francisco têm aqui neste bioma suas nascentes.

De outro lado, destacamos a importância da Estação Ecológica de Águas Emendadas, no extremo nordeste do DF. A reserva, com quase 11 mil hectares, abriga as nascentes e cursos d´água que abastecem tanto a bacia do Tocantins como a do Paraná.

A Fundação Banco do Brasil atua há alguns anos com recuperação ambiental nas bacias hidrográficas do DF por meio do programa Água Brasil e do projeto Rio São Bartolomeu Vivo. Há ainda outros programas voltados para a promoção e preservação do Cerrado, como a Rede Cerrado.

Mais recentemente, a FBB é responsável pelo projeto Recupera Cerrado, uma espécie de bônus ambiental para as empresas que em suas atividades principais são devedoras do meio ambiente e, por imposição legal, precisam realizar a compensação ambiental que, neste caso, se dá a partir da atuação organizada e estruturada pelo pessoal da Fundação do Banco do Brasil que, em seu escopo de atuação, estimula a disseminação de soluções sustentáveis para geração de emprego e renda, prioritariamente voltadas para os públicos de quilombolas, indígenas, pequenos agricultores, catadores de materiais recicláveis etc. e, a partir do prêmio tecnologias sociais, como também desenvolvendo projetos iniciais que, potencializados, transformam-se em políticas públicas, a partir das premissas de respeito cultural, sustentabilidade e replicabilidade a baixos custos.

Portanto, um laboratório de ações possíveis para harmonizar em outro paradigma atividade econômica e sustentabilidade. Nessa perspectiva, inserem-se ainda projetos como o Balde Cheio, Barraginhas e o Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta, Tecnologia Social reconhecida pela Fundação Banco do Brasil que proporciona ganhos econômicos, ambientais e sociais, possibilitando ao produtor produzir alimentos, carne e leite, e ter ainda uma floresta ou pomar, tudo isso em uma mesma área agricultável.

A ATUAÇÃO ARTEIRA: SENSÍVEL E MILITANTE

Outro Projeto que destacamos é o Salve o Cerrado. Fruto da mobilização de diversos artistas para a conscientização da importância do Cerrado e da sua preservação. O movimento é explicado pelos músicos Tiago Mória e Atan Pinho e une música, fotografia, artes plásticas e educação ambiental em prol da preservação do Cerrado.

A ideia do projeto inicialmente era apenas a gravação de um disco (eles já têm 14 músicas produzidas), a partir da percepção de que muitos artistas locais já homenageavam o bioma. Hoje, o projeto conta com artistas plásticos, fotógrafos e comunicadores.

A ideia é juntar gente que se interessa pelo tema, fazer uma frente ampla e chamar atenção para a questão. Pessoas afins e que tragam o amor ao habitat e a preocupação com o futuro, numa perspectiva ambiental.

MINHAS MEMÓRIAS E O DIREITO ÀS GERAÇÕES

Geraizeiro que sou, sim, minha queridíssima Santa Maria da Vitória é região de transição entre o Cerrado e a Caatinga, não posso deixar de lamentar o sentimento que nos toma ao ver a vazão do rio Corrente se esvair. Ele que é dos afluentes mais importantes do Rio São Francisco. E tudo por conta do que ocorre a cima do rio: fruto da ganância incomensurável do agrobusiness, que decompõe a paisagem num tapete verde ilusório de venenos vegetais que não matam nem a fome que há na terra, tampouco alimentam tanto a gente como pregam.

É preciso teimar e assim inventar novos caminhos, entrincheirar com alinhados, para que minhas filhas e netos e os de vocês possam viver o que na memória trago, imagens das primeiras chuvas, quando enveredávamos mato adentro nos gerais à procura de cajus, jatobás e cagaitas. Que maravilha indescritível de cheiros, delícias!

À frente do Sindicato dos Bancários de Brasília, espaço importante de mobilização e feituras, que pode muito, mas não pode tudo, com minhas companheiras e companheiros, assumo e pretendo lançar à categoria o compromisso com ações concretas e simbólicas em defesa do Sistema Cerrado.

De imediato, integrarmos às Campanhas em Defesa do Cerrado apoiadas por organizações e movimentos sociais que buscam a valorização da biodiversidade e das culturas dos povos e comunidades do Cerrado. E, numa construção mediata, inserir em nosso planejamento estratégico, em estrito diálogo com a categoria, adotar para o ano uma área para reflorestamento e cuidado a partir de iniciativa consorciada dos bancários, outras categorias e entidades.

Ações e massa crítica fundamentais e urgentes para combater a “passagem da boiada” que hoje, além do Cerrado, queima o Pantanal e a Amazônia.

kleytoonKleytton Morais- Líder Sindical. Presidente do Sindicato dos Bancários de Brasília.

 

 

 

 

Slide

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

DOAÇÃO - PIX: contato@xapuri.info

revista 115

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes