Pesquisar
Close this search box.

O Brasil nunca esquecerá

O Brasil nunca esquecerá – A longa noite do terror (1964-1976)

Tortura, assassinato, prisões ilegais e intimidação foram instrumentos utilizados desde o primeiro dia pelos chefes do golpe militar.

Por Memorial da Democracia 

Em 1º de abril de 1964, dois estudantes que defendiam a legalidade do governo deposto foram assassinados no Recife; na mesma cidade, o ex-deputado e líder comunista Gregório Bezerra foi amarrado pelo pescoço e espancado em praça pública por militares do Exército, enquanto se desencadeava em todo o país uma onda de prisões sem mandato que atingiria 50 mil pessoas em poucas semanas. Era o começo de uma noite de terror, contra cidadãos e a sociedade, que iria durar 21 anos.

O Ato Institucional nº 1, de 9 de abril de 1964, que cassou os direitos políticos de uma centena de pessoas e os mandatos de 40 parlamentares, foi o primeiro de uma série de atos autoritários ilegítimos, que destruiriam a ordem jurídica, o Estado de Direito e o respeito aos direitos humanos fundamentais no Brasil da ditadura. “Os Chefes da revolução vitoriosa, graças à ação das Forças Armadas e ao apoio inequívoco da Nação, representam o Povo e em seu nome exercem o Poder Constituinte”, dizia o preâmbulo do Ato 1, assinado pelos três ministros militares.

O novo regime se tornaria cada vez mais arbitrário, na medida em que a sociedade reagia à consolidação da ditadura. As medidas de força chegariam ao auge com a edição do AI-5, em dezembro de 1968, e prosseguiriam, mesmo depois da liquidação dos grupos de resistência armada, em 1974, até o fim do regime. 

Para se impor ao país acima do Estado de Direito, do Congresso e dos juízes; para implantar uma ordem política autoritária e um modelo econômico antinacional e concentrador de renda, não bastava silenciar a oposição, os sindicatos e os estudantes. A ditadura precisou intimidar a sociedade. Essa estratégia, que ficou bem caracterizada no final de 1968, correspondia a uma doutrina que foi institucionalizada e contou com  organismos próprios e agentes públicos autorizados a prender, torturar e matar, sob uma cadeia de comando que partia do topo do poder.
     
A base ideológica da repressão e da intimidação foi a Doutrina de Segurança Nacional, introduzida no país desde os anos 1950, por militares que cursaram o National War College, do Departamento de Guerra dos Estados Unidos. Esses militares criaram a Escola Superior de Guerra, que difundiu a política dos EUA contra a “ameaça comunista”, no ambiente da Guerra Fria. A Doutrina estabelecia os conceitos de “inimigo interno”, “guerra subversiva” e “guerra psicológica adversa” para caracterizar ações dos “comunistas” e seus aliados. Adversários do governo e do regime eram tratados como inimigos do Estado.

Técnicas de “guerra à subversão” foram ensinadas a militares brasileiros na Escola das Américas, instalada no Panamá pelos EUA e frequentada por oficiais de toda a América Latina. Ali foram disseminadas técnicas de tortura utilizadas pelo exército colonial da França contra movimentos de libertação nacional na Indochina e na Argélia. Militares brasileiros também aprenderam, na Inglaterra, técnicas de tortura psicológica empregadas contra membros do Exército Republicano Irlandês (IRA). 

Com base na Doutrina de Segurança Nacional, o general presidente Castelo Branco, ex-aluno do War College, criou em junho de 1964 o  Serviço Nacional de Informações, o SNI. Sob o comando do general Golbery do Couto e Silva, o SNI começou a cobrir o país com um vasto aparato de espionagem. Os tentáculos do “Serviço”, como era chamado, se estenderiam ao Cone Sul da América Latina e a qualquer lugar do mundo onde houvesse brasileiros exilados e perseguidos pela ditadura. 

Na esteira do SNI, foram criados centros de informações nas Forças Armadas e seções de espionagem e denúncia de “subversivos” em todas as instituições públicas. Nenhum cidadão estava a salvo da escuta telefônica ou da violação de correspondência, praticadas sem qualquer controle pelos agentes do Sistema de Segurança Interna (Sissegin), instituído com base no AI-5. Bastava um informe do SNI para decretar a demissão e a perda de direitos políticos de civis e militares. Centenas de milhares de brasileiros foram espionados pelo “Serviço”, que continuaria atuando mesmo depois do fim do regime militar.

A repressão política esteve inicialmente a cargo de cada Departamento Estadual de Ordem Política e Social (Dops), que devia atuar em coordenação com os comandos militares de cada região. Em1967, o Exército criou uma inspetoria para controlar as polícias militares estaduais, que eram empregadas para reprimir manifestações públicas. Em 1969 foi criada a Operação Bandeirante (Oban) para coordenar a ação das polícias civil e militar, Polícia Federal e Forças Armadas na região de São Paulo. 

A Oban, além de receber recursos do Estado, era financiada também por empresas brasileiras e multinacionais, entre as quais: Ultra, Ford, General Motors, Camargo Corrêa, Objetivo, Grupo Folha, Nestlé, General Eletric, Mercedes Benz, Siemens, Light, Bradesco e Banco Mercantil de São Paulo, de acordo com o relatório da Comissão Nacional da Verdade (CNV). A Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) promovia reuniões de arrecadação de recursos para a OBAN, também de acordo com o relatório da CNV.

A partir de 1970, a repressão passou a ser coordenada diretamente pelo Exército, por meio do Destacamento de Operações de Informações  – Centros de Operação de Defesa Interna (DOI-Codi), com apoio de agentes da Marinha e Aeronáutica e das polícias civis, militares e Federal. Os DOI-Codi adotaram a tortura sistemática de presos políticos, constituindo verdadeiras centrais de terror.  Em 1971, a partir de uma ordem do ministro do Exército, Orlando Geisel, o assassinato e “desaparecimento” de presos tornou-se regra e era praticado em centros secretos de extermínio, como a Casa da Morte de Petrópolis.

A ditadura também acobertou organizações clandestinas de violência política, como o Comando de Caça aos Comunistas (CCC) e outros grupos que explodiram bombas, sequestraram líderes democráticos e agrediram artistas e estudantes. Os integrantes e chefes desses grupos paramilitares eram conhecidos pelo comando oficial da repressão e jamais foram punidos por seus crimes. Também de forma clandestina e à margem das leis internacionais, a repressão brasileira integrou a Operação Condor, com agências de repressão do Chile, Argentina, Bolívia, Uruguai e Paraguai.

Além de intimidar qualquer tipo de contestação, o regime rotulou os opositores como “subversivos” e “terroristas”. Esse estigma era potencializado em programas de TV como “Amaral Neto, o Repórter”, da Rede Globo, e “Flávio Cavalcanti”, da TV Tupi. Presos torturados foram levados à TV para se declarar “arrependidos da subversão”. Grandes operações de revista de carros reforçavam o medo entre a população.

Em 1969, a Doutrina de Segurança Nacional foi introduzida no currículo escolar obrigatório, por meio das disciplinas Educação Moral e Cívica e Organização Social e Política Brasileira. O próprio slogan  da ditadura era uma intimidação: “Brasil, ame-o ou deixe-o”. 

Texto: Memorial da Democracia. Capa: BERK-OZDEMIR/Memorial da Democracia. 


Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes