Pesquisar
Close this search box.

Os lados da depressão

Os lados da depressão

FRANCIELLE COSTACURTA

* Esta resenha é do livro Poesia em primeira pessoa escrito pela poetisa Francielle Costacurta a ser lançado em janeiro, pela Editora Ceos.

A temida depressão, ela que vai e volta. Depois de anos convivendo com os seus sintomas, que gosto de chamar de “feridas na alma e dores psicológicas”. A gente aprende algumas habilidades para melhor conviver, com esse estranho que nos paralisa e entristece. Do contrário pessoas felizes, contentes como vivem o tempo inteiro, são muitas vezes insensíveis às dores e opressões de quem está ao seu lado. Agora o depressivo, a cada sopro seus espinhos se ouriçam, e a sensibilidade torna-se muito grande. São detalhes, possibilidades que enxergamos quando estamos sem crise. A reflexão e o auto conhecimento, vem com mais força, independente da idade das pessoas. É parecido com estar apaixonado, a cada música romântica, achamos uma mensagem secreta para nós. Ou uma grávida estar próximo do trabalho de parto, ou estar enfrentando um diagnostico de câncer. É nesse momento, que notamos como é importante a vida própria, a vida de outros seres humanos. O olhar muda, a percepção e o cuidado com os outros também.

Existem cuidados mentais feitos em diários, que são relatos do cotidiano. E que quando combinados com outros pareceres de leitura, outras experiências, podemos flexionar o verbo, numa auto reflexão. Essa ação é passível de ser feita através da poesia. Uma válvula de escape, para tanta opressão. Em um mundo onde é feio mulher falar alto, responder a altura do agressor, que se justifica pelo fato que é “superior” na hierarquia afetiva, no ambiente de trabalho, sobre a idade, na escola. Em outros momentos da consciência, o atingido chega a mapear, as fragilidades do sistema, e montar narrativas irônicas de quem o atinge. E ainda em outros momentos, se esquece que esteve em surtos de pânico severo e se deita a cabeça na cama e aproveita a tranquilidade, deixando a culpa de lado, e aproveitando toda a viagem. Curtindo um hip hop que imita as batidas do coração, contemplando toda a paisagem e cada momento que se pode propiciar a alegria, o equilíbrio, sabores e experiências novas.

A regra não é única, nem todo psicótico depressivo é poeta, nem todo esquizofrênico é pintor. Alguns passam por fases que perdem a autonomia, e que podem reconquistar ou não. E nem toda a pessoa sofrida consegue dar a volta por cima, pela força do pensamento como diz o livro “O Segredo”. Mas o poder de ter auto disciplina, na pesquisa e descrição das próprias dores. Torna cada recordação memorável, e não há o que limite a força dos versos, eles ainda podem didatizar cada sentimento em gestos de solidariedade de quem passa pela depressão, de épocas e modas, que foram muito mais que consumismo e frustração, foram amores e prazeres, registrados em prosa e poesia. Daqui a cem anos, a nova geração vai ver que uma representante da espécie humana, chamada Francielle Costacurta, cumpriu uma função social isto é fez a demonstração da arte da retórica, poética e politica na realidade que se viu inserida. Além da prática mecânica de viver, filhos, marido, dinheiro no banco. Desta vez sem demandas prescritas por pais, professores e chefe de departamento da universidade, eu escrevi a minha poesia em primeira pessoa. E lanço esse livro, como um desafio, de ter a minha subjetividade à mostra, trabalhada em flagrantes de momentos de emoção, pequenas coisas que podem ser grandes e importantes. Para quem ainda pode escrever muitas e várias auto biografias pela frente.

Francielle Costacurta – Eu sou escritora e assistente social de formação. Elaboro ensaios e poesias. Ganhei um prêmio no Ministério da Cultura chamado Diálogos e ações intersetoriais, por ter representado a historia de uma comunidade rural em contos. Atualmente sou dona de casa, e assumi o fato de ter depressão. Elaborei poesias a este repeito e outras coisas que estão ao alcance dos dias e das mãos.

Slide 1

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

CONTRIBUA COM A REVISTA XAPURI
PIX: contato@xapuri.info

revista 115
 
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes