Pesquisar
Close this search box.

Rede Cerrado: Assembleia Geral reafirma compromisso com o Bioma e com os povos cerratenses  

Rede Cerrado reafirma compromisso com o Bioma e seus povos – 

Assembleia Geral reuniu cerca de 30 entidades associadas à Rede Cerrado em Brasília para debater novas estratégias e ações conjuntas em defesa do Bioma e seus povos 

União de esforços e saberes, resistência dos povos, movimento, esperança, partilha, defesa e gratidão. Essas foram algumas das palavras e sentimentos que permearam a Assembleia Geral da Rede Cerrado, que ocorreu em Brasília (DF), nos últimos dias 03 e 04 de maio. A atividade reuniu cerca de 50 pessoas representantes de 30 entidades associadas à Rede Cerrado de todo o Brasil. O principal objetivo foi traçar estratégias e ações conjuntas para intensificar a atuação da Rede em defesa do Bioma, de seus povos e comunidades tradicionais.

Durante a abertura do evento, Maria do Socorro Teixeira Lima, mais conhecida como dona Socorro, do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB) e atual coordenadora-geral da Rede Cerrado, lembrou que essa foi a primeira assembleia realizada após a eleição da nova coordenação, que assumiu os trabalhos em 2016. A expectativa, com a retomada das atividades, para ela, foi superada. “A gente está confiante que a partir dessa assembleia a Rede Cerrado vai retomar suas lutas de apoio e de defesa do Bioma com ainda mais força e unidade”.

Dona Socorro ainda lembrou a importância do Cerrado para a manutenção dos ciclos hídricos. “A Amazônia faz chover. Mas, quem estoca também é importante. E aí, eu estou falando do Cerrado. A chuva chega, mas sem a natureza em pé não tem chuva, sem chuva não tem água e se não tem água não tem vida”, destacou Maria do Socorro.

Já para Rodrigo Noleto, do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN) e atual coordenador administrativo da Rede Cerrado, lembrou que nesta nova fase, dois projetos ajudarão a Rede Cerrado, principalmente, no âmbito do fortalecimento institucional e da incidência política. “Durante a assembleia discutimos formas de participação e a retomada de alguns espaços importantes. A gente quer trazer o Cerrado como um Bioma fundamental que está indo embora e está cada vez mais frágil. Não somente suas organizações, mas seus povos e sua terra. Está tudo desaparecendo”, alertou Noleto.

A Assembleia Geral da Rede Cerrado ocorreu em um período em que o Bioma sofre graves ameaças, sendo substituído rapidamente por extensas áreas de monoculturas e pecuária. A devastação do Cerrado já chega a 52% do território (superando, em proporção, o desmatamento da Amazônia) e isso está comprometendo nascentes, rios, riachos, além das culturas e práticas sustentáveis de conservação dos povos e das comunidades tradicionais que ali vivem. O contexto reforçado durante todo o encontro fez com que a Rede Cerrado reafirmasse seu compromisso em defesa do Bioma, dos seus povos e comunidades tradicionais.

Compromisso que fez Lucely Morais Pio, da Associação Pacari e representante quilombola na Rede Cerrado, recordar o encanto que sentiu quando conheceu a Rede Cerrado. “Uma luta que temos dentro das comunidades quilombolas é manter o Cerrado em pé. E isso é uma bandeira que a Rede defende”. Ela que acompanha a Rede Cerrado desde 1999, ainda disse que a entidade representa um local de encontro e, mais que isso, de resgate de culturas. “Tem muita comunidade que está perdendo sua história e a Rede Cerrado vem colocar força para gente se encontrar e se fortalecer”, salientou a quilombola com um sentimento fortalecido para a continuidade da caminhada.

O envolvimento foi compartilhado por Luís Carrazza, da Central do Cerrado. “A gente percebe que pela resposta à convocação, pela presença das pessoas nesta assembleia, pela disposição e pelo entusiasmo, que a Rede faz sentido para todos nós”. Para ele, a Rede Cerrado é muito mais que um espaço político e de incidência política. Ela é também um lugar de trocas de experiências e de relacionamento com outras organizações e pessoas que defendem o Cerrado, seus povos e comunidades tradicionais. “A gente tem um conjunto de riquezas culturais e de saberes que faz com que essa integração seja incrível”.

Já Irene Maria dos Santos, do Instituto Brasil Central, que acompanha a Rede Cerrado desde a sua criação, em 1992, destacou a grande relevância da Rede por ser, em um único espaço, uma articulação, uma mobilização e um intercâmbio de experiências. “Se a gente, enquanto sociedade civil, não se organiza, a gente não tem possibilidade de avançar em uma política pública de desenvolvimento sustentável para o Cerrado. A gente precisa desse lugar!”.

Dentre os encaminhamentos que resultaram da Assembleia Geral, os principais deles foram: a criação de grupos de trabalhos temáticos para fortalecer os debates em diferentes instâncias de incidência e a formação de uma rede de comunicadoras e comunicadores composta por membros das entidades associadas à Rede Cerrado. Além disso, foram definidas atividades como encontros de formação e oficinas temáticas.

Conheça os projetos em execução pela Rede Cerrado

Dois projetos subsidiarão as atividades da Rede até o ano de 2019: o Projeto de Apoio para o Fortalecimento Institucional da Rede Cerrado, com recursos do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, na sigla em inglês para Critical Ecosystem Partnership Fund), e o projeto junto ao Programa DGM/FIP (Dedicated Grant Mechanism for Indigenous People and Local Communities – Fundo de Investimento Florestal), do Banco Mundial.

Serão, a princípio, dois anos dedicados a ações e atividades que visam a promoção de frentes como: a mobilização e o fortalecimento institucional; a gestão de informações e comunicação; e a articulação de políticas da Rede Cerrado junto aos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Reportagem: Thays Puzzi / Rede Cerrado Foto: Méle Dornelas / ISPN

ISPN

ANOTE: 

Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta de entidades e movimentos sociais Brasil afora. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Visite nossa Loja Solidária: http://xapuri.info/loja-solidaria. Em Formosa, encomendas com Geovana: 61 9 9352 9191. Em Brasília, com Janaina: 61 9 9611 6826.

Camiseta Paulo Freire: http://xapuri.info/produto/camiseta-paulo-freire/

 

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 112
REVISTA 109
REVISTA 110
REVISTA 111
REVISTA 108
REVISTA 107
REVISTA 106
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes