USP ensina práticas sustentáveis em laboratório a céu aberto

USP ensina práticas sustentáveis em laboratório a céu aberto

Por Nara Lacerda/ Brasil de Fato

A volta às aulas presenciais na Universidade de São Paulo (USP), que pode ocorrer em definitivo no ano que vem, vai contar com uma iniciativa inédita: um laboratório de práticas sustentáveis a céu aberto. O projeto agrega ensino, pesquisa e extensão, os três pilares da educação superior.
No novo complexo serão desenvolvidas atividades voltadas a quem trabalha e estuda no campus, mas também à população externa. “Nós começamos a juntar as competências e chegamos a esse resultado. Queríamos ter na USP, em um lugar só, espaços para práticas, para demonstração, experimentação e envolver todo mundo”, conta o professor Antonio Mauro Saraiva, coordenador do projeto.
Instalado na Cidade Universitária Armando de Salles Oliveira, que fica na capital paulista, o USP Sustentabilidade disponibiliza recursos para desenvolvimento de sistemas de compostagem, mecanismos de geração de energia limpa, criação de abelhas, hortas orgânicas urbanas, jardins de chuva e construções ecológicas.
As possibilidades não param por aí, como explica a professora, Thais Mauad, vice coordenadora do projeto. “O centro estará em constante movimentação e construção. Nós vamos passar por mitigação de emergências climáticas, pela crise da fome e todos esses tipos de conhecimento são necessários e urgentes da sociedade aprender”.
Foi justamente o crescimento da insegurança alimentar no Brasil que levou professores e professoras da USP a discutir a criação de uma horta orgânica na Universidade. A ideia inicial recebeu contribuições de representantes de diversas áreas e foi ampliada para um espaço mais completo de ações.
Pesquisar e produzir soluções para a fome estão entre os objetivos iniciais do projeto, mas o foco também está nas construções biossustentáveis, nas soluções para destinação do lixo, geração de energia e uma lista extensa de possibilidades “são atividades e são propósitos muito positivos”, pontua o professor Saraiva.
No local serão oferecidos cursos, disciplinas e oficinas regulares de técnicas simples, baratas, de baixa tecnologia e que podem ser replicadas em qualquer comunidade. “O nosso desejo é que esse centro esteja lá para todo mundo e que a gente possa acender essa fagulha. É possível transformar o nosso modo de viver”, conclui Thais Maud. 

Block

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto em nossa loja solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação de qualquer valor via pix ( contato@xapuri.info). Gratidão!

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora