Pesquisar
Close this search box.

Produtos do nosso cotidiano causam danos ao meio ambiente

Produtos do nosso cotidiano causam danos ao meio ambiente

Conheça alguns produtos do cotidiano que ameaçam o meio ambiente

Itens básicos presentes à nossa vida parecem inofensivos e bons aliados ao nosso dia-a-dia, porém, para o meio ambiente, impactam de forma nada colaborativa.

Por: Vanessa de Oliveira – pensamentoverde

Parte dos protetores solares que cuidam da pele contém substâncias altamente prejudiciais ao meio ambiente. A mais nociva é a oxibenzona, componente encontrado também em protetores labiais, hidratantes e máscaras para cílios.

Diversos estudos alertam para o fato de que o produto químico estaria causando grandes danos aos recifes de coral e ameaçando a sua existência. Diante das constatações, o Havaí decidiu banir o uso de protetor solar em seu território, como uma tentativa de barrar a situação.

Um dos efeitos do oxibenzona é o branqueamento dos corais, fazendo-os perder as variadas e encantadoras cores que enchem os olhos de que os vêem. A substância causa, ainda, danos ao DNA do coral bebê, fazendo com que ele se enclausure em seu próprio esqueleto, levando-o  à morte.

Produto essencial à pele, opte por filtros solares livre de oxibenzona, assim como PABA, retinil palmitato e parabeno.

Veja outros itens não tão amigáveis com o meio ambiente.

Abacate

A organização holandesa Water Footprint Network, cuja bandeira é a conscientização pelo uso mais eficiente da água, calculou que, para cultivar um único abacate, são necessários cerca de 272 litros de água. Segundo a instituição, os efeitos disso são devastadores para as regiões onde a fruta é cultivada.

Em 2011, uma investigação conduzida por autoridades de água no Chile encontrou, pelo menos, 65 plantações de abacate que desviavam ilegalmente rios e outras fontes de água para irrigação. Há quem atribua à esses agricultores uma forte seca que atingiu a área e forçou moradores a escolherem entre usar a água para beber ou tomar banho.

Abacaxi

O abacaxi é outra fruta que impacta o meio ambiente por ser cultivada a um ritmo que, em algumas partes do mundo, está afetando negativamente o planeta.

Na Costa Rica, por exemplo, que é um dos maiores produtores mundiais de abacaxis, milhares de hectares de florestas foram desmatados para o cultivo. Segundo a Federação de Conservação da Costa Rica, florestas inteiras desapareceram rapidamente, causando danos irreversíveis.

Os abacaxis são produzidos em grandes monoculturas — a produção intensiva de um único cultivo — e exigem uma grande quantidade de pesticidas, que também podem ser prejudiciais ao meio ambiente.

Produtos de higiene

No shampoo, batom, detergente para roupa, sabonete e pasta de dentes há a presença do óleo de palma, um dos óleos vegetais mais eficientes e versáteis, mas cujo uso generalizado levou a um desmatamento significativo.

Em um relatório de 2018, o grupo de conservação WWF alertou que a transformação de florestas tropicais e turfeiras em plantações de óleo de palma liberou “enormes quantidades de dióxido de carbono, contribuindo com as mudanças climáticas e destruindo o habitat de espécies como os orangotangos”.

O óleo de palma também está presente em produtos comestíveis, como chocolate, margarina, sorvete, pão e biscoitos.

Aromatizantes

Se no ambiente externo a poluição degrada o meio ambiente, em casa, produtos domésticos também têm efeitos negativos para a qualidade do ar.

Os aromatizantes, por exemplo, muitas vezes contêm uma substância química chamada limoneno, usada para dar um perfume cítrico ao ambiente, e também é usado em alimentos.

Um experimento realizado pela BBC identificou que quando o limoneno reage com o ozônio presente no ar, produz formaldeído — um dos produtos químicos de uso atual mais comuns e cercados de riscos. Segundo a Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), a exposição a altas concentrações desse produto pode causar falta de ar, salivação excessiva, espasmos musculares, coma e eventualmente a morte.

O formaldeído também é considerado cancerígeno para humanos.

Fonte: https://www.pensamentoverde.com.br/meio-ambiente/conheca-alguns-produtos-do-cotidiano-que-ameacam-o-meio-ambiente/

produtos interna


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

Capa Andarilhos 1 e1621119423233
Capa Caminhando na Floresta 1560x2050 px Amazon 1 e1621118541710
CAPA REQUIEM e1621121660729
78E8B1FF 9CE0 4673 AE49 1056B59CA222 e1621118353675
Capa Venenos para site 300x300 px 1 e1621122900832
ANDARILHOS DA CLARIDADE
CAMINHANDO NA FLORESTA
REQUIEM PARA O CERRADO
CARLOS MARIGHELLA
POR UM MUNDO SEM VENENO
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow
 
REVISTA113
REVISTA
 

 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes